Imagine-se, caro leitor, sentado calmamente num barco em águas calmas e, de repente, começa a balancear-se. O barco vai inclinar-se repetidamente para a direita e para a esquerda até retornar à sua posição inicial. Vamos agora imaginar que o movimento foi demasiado brusco… o barco vira-se e, neste caso, só lhe resta uma solução, a de lutar para voltar à tona.

É precisamente isto que está a acontecer com o nosso planeta. Estamos a chegar ao ponto, considerado por alguns cientistas, de “não retorno”. Vejamos o seguinte exemplo relacionado com o gelo que flutua no Oceano Ártico: o gelo que cobre a água permite a reflexão da luz do Sol, o que ajuda a mantê-la fria. Como a Terra está a aquecer, este gelo está a derreter e a sua extensão já não chega para cobrir todo o oceano. Com o encolhimento da calota glaciar, o oceano vai absorver maior quantidade de luz e a sua temperatura vai aumentar levando ao aquecimento do Pólo Norte.

Entrámos numa espiral. Como o Pólo Norte está mais quente, o gelo tende a diminuir e a temperatura do oceano a aumentar. Este fenómeno, designado pelos cientistas por feedback loop, entrará num ponto sem retorno a partir do momento em que o gelo for insuficiente para dinamizar todo o processo. Esta problemática afeta-nos a todos e surge associada ao fenómeno da Grande Aceleração. Em meados do século passado começámos a assistir a um aumento da população, da atividade económica, ao uso da energia, ao rápido aumento dos gases de estufa e foi aqui que percebemos que a temperatura começou a subir. A desflorestação, com particular enfoque nos trópicos, aumentou dramaticamente nos últimos 20/30 anos e isso também tem contribuído para o desequilíbrio do Sistema Terrestre. E como se não bastasse, ainda é possível acrescentarmos a esta narrativa, os plásticos e uma infindável lista de produtos químicos e de materiais radioativos desenvolvidos pelo Homem, onde ainda cabem as radiações eletromagnéticas associadas ao mundo digital (vejam-se as estações repetidoras existentes em todo o planeta). Não há sinais de a Grande Aceleração abrandar, antes pelo contrário. O relacionamento humano com o planeta tem vindo mudar e tem empurrado os seus limites para uma zona perigosa e confrangedora: o ponto sem retorno.

Esmagados pela pressão humana, os limites do planeta estão para lá do espartilho que nos garante o bom funcionamento dos processos biofísicos. O sistema climático tem vindo a degradar-se e a integridade da biosfera tem registado elevados níveis de preocupação com a camada de ozono e com a acidez do oceano; os aerossóis, partículas emitidas para a atmosfera, algumas delas naturais devido à temperatura e às poeiras, também relevam sinais preocupantes dada a poluição. Estes três exemplos condicionam o modo como a Terra opera, sobretudo ao nível da biosfera terrestre. O ciclo da água assim como a desflorestação, sobretudo na floresta amazónica e noutras florestas da Sibéria ou do Canadá, deveriam preocupar-nos a todos. Outro ciclo com evidentes sinais de rutura no Sistema Terrestre é o do fósforo e do azoto, muito ligado à agricultura. Todos estes sistemas estão sob pressão e ilustram bem os novos limites a que o Homem está a sujeitar o planeta. Não esqueçamos a concentração de metano retido no permafrost e nos sedimentos do fundo do Oceano Ártico. Com o degelo das regiões do norte do planeta, este gás (em conjunto com o CO2) contribui para o aumento das emissões gasosas com efeito de estufa. O calor necessário para o derretimento do permafrost liberta uma quantidade elevada de metano na atmosfera que concorre para o aumento acelerado do aquecimento da Terra e, se nada for feito, o derretimento da Gronelândia será, a prazo, irreversível.

PUBLICIDADE

O nosso principal desafio é restaurarmos a nossa ligação à natureza. Ainda que isso tenha de passar por ações coletivas, cabe-nos individualmente pressionar os governos a direcionarem o foco para a preservação dos ecossistemas. Este é um dos caminhos que nos leva para Fora da Caixa.

Pedro J. E. Santos – Estudante de Medicina na FMUL

PUBLICIDADE
Leia também...

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…

Cartas na Caixa do Correio: A propósito do Hospital Distrital de Santarém

Não podia deixar de publicamente expressar algo sobre uma questão, agora tornada…

‘A requalificação da igreja de Santa Iria na Ribeira de Santarém’, por Vítor Serrão

Existem sempre boas notícias no que toca à salvaguarda do Património Histórico-Artístico…

Isabel de Aragão, rainha de Portugal, Rainha Santa Isabel

No reino de Aragão nasceu no século XIII uma princesa que viria…