O presidente do município de Abrantes criticou as condicionantes à construção e requalificação de imóveis impostas pelo plano de gestão de risco de inundação de cheias, e que define a cota 35 como balizadora do risco.

“Este plano de gestão de risco de inundação [pelo rio Tejo], que tem a ver com a cota que se relaciona diretamente com a cota 35”, definida pelo Ministério do Ambiente e Energia (MAE) e Agência Portuguesa do Ambiente (APA), “tem um conjunto de condicionantes para o progresso do nosso concelho, nomeadamente nas freguesias de Rossio, Alvega e Rio de Moinhos”, disse Manuel Jorge Valamatos.

O autarca criticou o princípio da cota 35, estabelecida no âmbito do Plano de Gestão dos Riscos de Inundações (PGRI) para as regras urbanísticas.

A principal discordância relativamente ao PGRI reside no n.º 2 do artigo 67º – Edificações em zonas ameaçadas por cheias, onde se pode ler que “só são admitidas obras de ampliação, reconstrução e construção de qualquer edifício se a cota do respetivo piso for superior à cota de cheia prevista para o local”.

“Nós tivemos algumas reuniões técnicas com o Ministério do Ambiente, obviamente que manifestámos na altura o nosso desagrado e algumas coisas foram tidas em contas, é verdade, mas muitas não foram. E agora, no fundo, este documento é aprovado, sai em Diário da República […]. Já existiam anteriormente algumas condicionantes e havia zonas onde era proibido construir, mas agora […] até a reconstrução pode estar em causa”, criticou.

O governante disse que o município irá “encetar um conjunto de ações com o Ministério do Ambiente tendentes a que seja alterado este plano para estas freguesias”, tendo feito notar que “há mais de 30 anos que não existem cheias significativas e com abrangências grandes em termos de inundação” da zona ribeirinha.

“Nós achamos que há um fundamentalismo enorme em torno desta questão. Acho que se está, no fundo, a criar uma regra com base nos últimos 100 anos e é completamente desajustada no tempo de hoje. Estas inundações que acontecem no rio Tejo não têm nada a ver com outras inundações que acontecem no país, sobretudo nas zonas litorais que têm uma racionalidade e um espetro completamente diferente”, declarou.

Segundo defendeu o autarca socialista, “a gestão das barragens, e toda a organização do próprio rio, é completamente diferente daquilo que era há 30 anos”, tendo criticado uma decisão que afirmou prejudicar o “desenvolvimento” do território.

“Eu julgo que estas condicionantes são castradoras do desenvolvimento destas freguesias, quer do ponto de vista urbanístico, quer do ponto de vista económico, quer do ponto de vista industrial, e nós não concordamos. Obviamente que vamos, a partir de agora, mais do que nunca, e para além do que já fizemos anteriormente, desenvolver ações para que possamos alterar este plano”, assegurou.

Nesse sentido, a Assembleia Municipal aprovou, por unanimidade, uma moção em que se declara que este PGRI é uma “clara afronta ao direito de conservar, requalificar, modernizar e refuncionalizar áreas edificadas que vão acusando processos de progressiva degradação”.

Por outro lado, refere a moção, o plano “não é sensível às necessidades da população na implementação de condições mínimas de habitabilidade, francamente deficitárias, dada a idade da maior parte do edificado”.

A Assembleia Municipal, que considera “possível que as entidades competentes corrijam estas regras e normas, encontrando-se um equilíbrio entre o ponto de vista político e o técnico”, solicita ao executivo “que continue empenhado na defesa intransigente destas reivindicações”, para que “não se permita deixar para trás estas localidades e as populações” ribeirinhas.

“É isso que vamos fazer daqui para a frente, de forma educada, de forma civilizada, de forma diplomática, se quiser, vamos encetar um conjunto de ações e reivindicações por forma a tentar alterar este plano a bem das nossas populações e do seu desenvolvimento”, concluiu Manuel Jorge Valamatos.

A moção, aprovada por todas as bancadas, vai ser enviada à ministra do Ambiente e Energia, aos grupos parlamentares com assento na Assembleia da República, à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), e à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) de Lisboa e Vale do Tejo.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

O amargo Verão dos nossos amigos de quatro patas

Com a chegada do Verão, os corações humanos aquecem com a promessa…