A Câmara Municipal de Azambuja identificou 150 famílias a viver em situação precária no âmbito da elaboração da Estratégia Local de Habitação (ELH), que prevê um financiamento de 4,7 milhões de euros.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Azambuja, presidida pelo socialista Luís de Sousa, sublinha que a proposta, que será submetida ao Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), contempla um investimento “muito ambicioso para o concelho”.

Na nota é referido que, no âmbito da elaboração do ELH, um instrumento de programação municipal de soluções enquadradas no 1.ºDireito (Programa de Apoio ao Acesso à Habitação), foram identificados pelos serviços de Ação Social de Azambuja 150 famílias em “condições indignas de habitação”.

PUBLICIDADE

A Câmara de Azambuja explica que, segundo o decreto-lei n.º 37/2018, “são considerados indignos os fogos sem condições básicas de salubridade e de segurança estrutural, em sobrelotação ou quem esteja a residir num lugar inadequado às suas condições de incapacidade ou deficiência, entre outras”.

Segundo a autarquia, as propostas contempladas no ELH de Azambuja vão permitir reforçar em 67% a resposta municipal em matéria de habitação, passando de 66 fogos disponíveis para 110, e aumentar a cobertura territorial.

“Está prevista, para já, a aquisição de um imóvel em Vila Nova da Rainha e a sua requalificação, bem como a construção de nova habitação social na mesma freguesia. A construção de novos fogos de habitação municipal na freguesia de Azambuja e a requalificação dos já existentes e reabilitação de parte do parque devoluto, propriedade do Estado, existente na freguesia de Alcoentre”, descreve a autarquia.

O ELH de Azambuja prevê ainda a criação de uma equipa de apoio técnico a agregados privados que se encontrem em situação indigna de habitação e em que seja possível proceder à reabilitação das suas casas.

“Prevê-se nesta modalidade que a Câmara Municipal de Azambuja dê apoio a 40 famílias, um investimento de cerca de 1,6 milhões de euros”, é acrescentado na nota.

Integrado na Nova Geração de Políticas de Habitação, segundo o Governo, o programa 1.º Direito, que visa a promoção de soluções habitacionais para as famílias mais carenciadas e sem alternativa habitacional, prevê um investimento total de 700 milhões de euros até 2024, destinado a comparticipações não reembolsáveis.

Em vigor desde Junho de 2018, com a portaria que o regulamenta publicada em Agosto desse ano, o programa 1.º Direito integra o primeiro objectivo da NGPH do Governo de “dar resposta às famílias que vivem em situação de grave carência habitacional”, prevendo a concessão de apoio público para “proporcionar o acesso a uma habitação adequada a pessoas que vivem em situações habitacionais indignas e que não dispõem de capacidade financeira para encontrar uma solução habitacional no mercado”.

Aos municípios cabe definir as estratégias no âmbito da habitação nos respectivos territórios e “agregar, avaliar e gerir todos os pedidos de apoio ao abrigo do 1.º Direito que lhe sejam submetidos”.

No entanto, cabe ao IHRU “analisar e aprovar as candidaturas” e as estratégias apresentadas por cada município.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…