O espectáculo na Igreja de São Sebastião, em Cem Soldos, inserido no Festival Bons Sons, está a causar polémica. Bispo afirma não ter tido conhecimento do concerto. Nota publicada no Facebook da diocese sublinha que, “até à data”, organização do Festival não usou espaços para “causar escândalo”

Um concerto rock no interior da igreja São Sebastião, em Cem Soldos, Tomar, onde Afonso Dorido – Homem em Catarse – apresentou o seu projecto musical provocou a indignação de vários fiéis. A polémica estalou com a divulgação e partilha de um vídeo da actuação no blogue religioso conservador SenzaPagare.

PUBLICIDADE

Entretanto, aVigararia Geral da Diocese de Santarém afirmou desconhecer o uso da igreja de São Sebastião, de Cem Soldos, para um concerto inserido no festival Bons Sons.

“O Bispo de Santarém, bem como os serviços da Cúria Diocesana, não tiveram conhecimento prévio de que a igreja de São Sebastião, de Cem Soldos, iria ser usada para espectáculos do Festival Bons Sons que decorreu de 9 a 12 de Agosto de 2018”, refere uma nota divulgada através da página diocesana na rede social Facebook.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=h4g9dDuIA5M&w=560&h=315]

Segundo o documento, “até ao presente, não consta que o Festival Bons Sons de Cem Soldos, tenha usado os espaços sagrados de modo a causar escândalo ou que exigisse a intervenção da autoridade diocesana”.

No entanto, reconhecendo que “o concerto de música na igreja de São Sebastião, de Cem Soldos, provocou várias observações de escândalo que chegaram de várias partes do país e do estrangeiro”, a Vigararia Geral explica não terem sido “observadas as normas da Santa Sé sobre os concertos nas igrejas”, numa instrução da Congregação para o Culto Divino de 5 de Novembro de 1987, “que a Diocese de Santarém assume responsavelmente”.

O texto relembra o incentivo que a Igreja católica, desde o Concílio Vaticano II, dá aos artistas e aos talentos, recordando a promoção e permissão para “actuações musicais nas igrejas”, sempre, afirma a nota, “que as mesmas contribuam para a elevação espiritual das pessoas”, seguindo o princípio de que “qualquer uso do templo não deve ser contrário à santidade do lugar”.

Em ordem a “salvaguardar as igrejas, para que não se transformem em “simples lugares públicos”” e observando o respeito pelo “carácter sagrado”, pede a vigararia que se respeitem algumas condições, nomeadamente o espaço do “presbitério” e “maior respeito relativamente ao altar, à cadeira presidencial, ao ambão.”

A nota lembra a necessidade de “apresentar o pedido por escrito ao pároco ou outro responsável pela igreja, indicando a data, local, horário e programa do concerto, explicitando as obras e os nomes dos autores, bem como dos executantes”.

“O organizador do concerto assumirá, por escrito, a responsabilidade civil, as despesas, o reordenamento do edifício e os danos eventuais”.

A nota sublinha a importância de “retirar o Santíssimo Sacramento para outro lugar digno” de forma a evitar a sua “secundarização”, pedindo que a entrada na igreja seja “livre e gratuita.”

O texto solicita aos “párocos e outros responsáveis dos espaços sagrados” que observem as normas quando se envolverem na “promoção ou aceitação de concertos ou outros eventos dentro das igrejas”.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Surto no CRIAL atinge todos os utentes residentes e já provocou um óbito

O Centro de Recuperação Infantil de Almeirim (CRIAL) tem um surto activo…

Loja da Cavalinho assaltada no Centro Histórico de Santarém

A loja do Cavalinho foi alvo de um assalto na madrugada desta…