O Centro de Línguas e Culturas (CLC) da Escola Superior de Educação propõe-se realizar em Santarém, nos dias 2 e 3 do próximo mês de maio uma extensão do festival de cinema Olhares do Mediterrâneo /Women’s Film Festival. 

Olhares do Mediterrâneo /Women’s Film Festival é um festival internacionalmente reconhecido (vai na 17ª edição internacional e na 9ª edição portuguesa) e o CLC considerou pertinente integrar este festival na oferta cultural escalabitana visto ter um foco que possibilita inovação estética, dado que revela o ponto de vista geralmente desconhecido de realizadoras, argumentistas, produtoras e diretoras de fotografia de uma região que produz um cinema menos comercial que o de outras paragens. Mas o Olhares não é apenas o primeiro festival internacional existente em Portugal dedicado a cinema de autoria feminina – ao CLC interessou sobretudo o facto de o Olhares focar a produção criativa mediterrânea. O Festival pode contribuir para reforçar a consciência na comunidade escalabitana da importância de Santarém no conjunto de cidades do Al-Andaluz que foram centros de cultura árabe e islâmica e, grosso modo, pode contribuir para a maior identificação de Santarém com a cultura mediterrânea.

Para a extensão escalabitana serão escolhidos filmes que para além de terem tido já sucesso junto da crítica e público aquando da sua exibição em edições anteriores do Festival, versem temáticas de algum modo relacionáveis com a história de Santarém ou problemáticas que actualmente se identificam na vivência da cidade, 

Nesta sua primeira edição, a extensão consistirá em três exibições, todas seguidas de debate: uma sessão dedicada ao público escolar e duas dedicadas ao público em geral, consagrando especial atenção à comunidade académica. Os filmes escolhidos adequam-se aos critérios acima mencionados, tendo como temas a relação com refugiados e a saúde mental.

A iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal e é também patrocinada pela Família de Francisco Tavares Rosa. O apoio da Câmara Municipal para esta iniciativa concretizou-se especificamente no que respeita à sessão para as escolas (financiamento dos filmes nela exibidos e recrutamento do público) e, em geral, na disponibilidade logística do Teatro Sá da Bandeira para as sessões previstas assim como na divulgação da iniciativa.

O festival Olhares do Mediterrâneo – Women’s Film Festival teve a sua primeira edição em 2014 e é o primeiro festival internacional de cinema em Portugal dedicado exclusivamente à cinematografia feminina, com o propósito de dar particular visibilidade  à presença das mulheres no panorama cinematográfico internacional. Para mostrar o trabalho das realizadoras de países mediterrânicos, criámos uma parceria com o festival Films Femmes Mediterranée, (Marselha, França) e o CRIA-Centro em Rede de Investigação em Antropologia.

A caminho da 9ª edição, com 8 edições do Festival no Cinema São Jorge, em Lisboa, 6 ciclos de cinema espanhol, 8 extensões fora de Lisboa e 3 no estrangeiro (Brasil, Cabo Verde e Vigo), várias presenças no Shortcutz (Lisboa, Guimarães e Cascais) e numerosas exibições avulsas dos nossos filmes, muitas dinamizadas com debates, acreditamos que Olhares do Mediterrâneo – Women’s Film Festival é já um evento consolidado no espaço cultural português.

Para além das exibições de filmes, organizamos actividades que espelham e promovem a vasta diversidade das culturas da bacia mediterrânica, nas suas expressões culturais e artísticas (objectivas e conceptuais), e acolhemos pessoas e organizações que se identifiquem com o projecto. Mais projectos e mais Olhares nascerão destas partilhas.

Festival Olhares do Mediterrâneo – Women’s Film Festival é um projecto do Grupo Olhares do Mediterrâneo e do CRIA-Centro em Rede de Investigação em Antropologia, numa parceria com o Films Femmes Mediterranée (FFM) e o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, (CML), da EGEAC, da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e da Fundação INATEL

Leia também...

A herdade no Alviela e o pergaminho que ia para o lixo

Pergaminho do século XII salvo do lixo em Vale de Figueira.

Hospital de Santarém – Uma homenagem sentida aos ‘homens e mulheres’ da Linha da Frente

Especial 130 anos do Jornal Correio do Ribatejo O mundo mudou há…

Lenda da Sopa da Pedra chega às crianças de todo o mundo através da Expo 2020 Dubai

A lenda da Sopa da Pedra, prato típico de Almeirim, foi incluída…

Associação ‘Praça Maior’ fecha gestão da Praça de Touros ‘Celestino Graça’ com sentido de missão cumprida

A Associação “Praça Maior”, responsável pela organização das corridas de toiros na…