A obra “Santarém Perspetivas. Do início do Paço Real à instalação da Sé de Santarém – sua relação com o sistema defensivo da vila” da autoria de Mário de Sousa Cardoso foi apresentada no passado domingo, dia 17 de Dezembro.

O lançamento decorreu no Museu Diocesano de Santarém e a apresentação esteve a cargo do historiador de arte Paulo Almeida Fernandes.

Na presença de muitos familiares e amigos do autor, a abertura ficou a cargo do director do museu, P. Joaquim Ganhão, que relembrou o desafio lançado e a persistência de todos para que este projecto pudesse ver a luz do dia, enriquecendo o conhecimento não só do edifício, mas de toda a cidade de Santarém e sua história.

Para tal, não foram esquecidos os diversos apoios recebidos, em particular do mecenas AOF – Augusto Oliveira Ferreira, bem como a qualidade do trabalho de paginação e impressão pela Gráfica Almondina.

Seguiram-se as palavras de acolhimento de D. José Traquina, Bispo de Santarém, que fez nota da coragem e empenho do autor para a partilha do seu saber aos 91 anos de idade, e da gratidão e admiração que lhe é devida.

Nuno Domingos, vereador da Cultura da Câmara Municipal de Santarém, manifestou a honra e alegria de acompanhar o lançamento desta publicação e de rever o autor, lembrando as longas e doces horas de conversa, partilha e trabalho conjunto.

Já o autor, Mário de Sousa Cardoso, partilhou informação inédita relativa às Alcáçovas (velha e nova) de Santarém, anunciando o trabalho que tem actualmente em mãos.

Por fim, Paulo Almeida Fernandes (Museu de Lisboa), deu nota das qualidades e mérito deste “estudioso de Santarém”, fonte de conhecimento sobre as Muralhas da Vila, referindo que este ensaio é fruto de um longo trabalho de estudo e observação, reunindo neste livro pontos essenciais sobre Santarém e a sua evolução: as leituras antigas; a importância de D. Sancho I; a análise das Plantas do Colégio da Companhia de Jesus, e os vários “mosaicos” que constituem este lugar, num texto denso que se faz acompanhar de um rico conjunto de imagens antigas e contemporâneas, desenhos, vistas e mapas, que ajudam o leitor à melhor compreensão dos diversos temas em análise. Recordou também que, um trabalho desta amplitude cronológica é possível a muito poucos, sendo Mário Cardoso um daqueles que, pelo seu conhecimento da história e evolução de Santarém, desde a ocupação muçulmana até ao presente, poderia realizá-lo.

Mário de Sousa Cardoso é um estudioso de Santarém e das suas muralhas, assim como um profundo conhecedor dos vestígios remanescentes das diversas estruturas defensivas da vila e de edifícios históricos entretanto desaparecidos.

O autor foi desafiado a reconstruir a memória do espaço do Paço Real, sobre o qual se edificou o Colégio Jesuíta de Santarém e que, hoje, acolhe a estrutura diocesana que integra: Catedral, Casa Episcopal, Museu Diocesano e Centro Diocesano de Pastoral, complexo que se afirma pela “monumentalidade e beleza na praça principal da cidade”.

Um texto “ricamente ilustrado com diversas propostas de traçados das muralhas, assim como vistas e plantas antigas de Santarém, fotografia antiga e contemporânea, permitem, em conjunto, vislumbrar a ocupação deste espaço em diversos momentos da sua história, da história de Santarém e de Portugal”, pode ler-se numa nota de apresentação da obra

O livro estará à venda na loja física do Museu Diocesano de Santarém.

Leia também...

A herdade no Alviela e o pergaminho que ia para o lixo

Pergaminho do século XII salvo do lixo em Vale de Figueira.

Lenda da Sopa da Pedra chega às crianças de todo o mundo através da Expo 2020 Dubai

A lenda da Sopa da Pedra, prato típico de Almeirim, foi incluída…

Sete doces regionais do distrito de Santarém nos nomeados às 7 Maravilhas Doces de Portugal

Os Arrepiados e os Celestes de Santarém, o Bolo de Cabeça e…

Associação ‘Praça Maior’ fecha gestão da Praça de Touros ‘Celestino Graça’ com sentido de missão cumprida

A Associação “Praça Maior”, responsável pela organização das corridas de toiros na…