Entrevista publicada originalmente na edição de 18 de Março do Jornal Correio do Ribatejo.

Após dois anos de interregno, Santarém volta a viver um dos seus momentos altos: as Festas de S. José estão de regresso ao Campo da Feira, prometendo um reencontro com as tradições, “onde o folclore, o fandango, o artesanato, a gastronomia, os campinos, o cavalo, o touro, e a festa brava enaltecem aquela que é a Capital do Ribatejo”.
João Leite, vice-presidente da Câmara de Santarém, com o pelouro do Turismo e Grandes Eventos, destaca, nesta entrevista ao Correio do Ribatejo, a importância do regresso das festas como momento de convívio comunitário, apresentando um programa abrangente e que pretende chegar a todas as faixas etárias.
“As Festas de S. José afirmam-se como o grande evento do concelho, dando a conhecer ao País aquilo que Santarém tem de melhor no que respeita às suas tradições e ícones”, afirma.

Estamos a viver as festas do Município. Qual a importância deste evento?
As Festas de S. José afirmam-se como um grande evento do Concelho. Celebramos a nossa história, o nosso padroeiro, as nossas tradições, com festa e em festa, com amor à nossa terra, àquilo que é nosso, dando a conhecer ao País aquilo que Santarém tem de melhor no que respeita às suas tradições, onde o folclore, o fandango, o artesanato, a gastronomia, os campinos, o cavalo, o touro, e a festa brava enaltecem aquela que é a Capital do Ribatejo.
É, por isso, um momento único e de grande relevância para as nossas gentes, é um ponto de encontro, de jovens e menos jovens. Onde convocamos o futuro para um encontro com as nossas tradições.

Que pontos destaca do programa?
Durante quatro dias, de 17 a 20 de Março, o Concelho será brindado por diversos momentos de animação. O visitante pode usufruir de romarias, largadas de toiros, espectáculos equestres, corrida de touros, folclore com diversos ranchos do Concelho, gastronomia tradicional na restauração local, desfiles de campinos e cabrestos no centro histórico, espaços de diversão para crianças e jovens, e claro, um grande cartaz musical que marcará certamente as diversas noites, destacando-se os espectáculos de Bárbara Bandeira, Àtoa e Orquestra típica com o músico Berg e ainda as diversas actuações de DJ´s pela noite fora. O sagrado e o profano conjugam-se na perfeição nas Festas de S. José onde a Procissão e a Missa em Honra de S. José têm, igualmente, lugar de destaque.

Quais são as grandes novidades?
Destaco duas novidades, a primeira relacionada com a gastronomia, envolvemos 25 restaurantes do Concelho na iniciativa “Santarém Petiscos & Festas de São José”, são os nossos excelentes restaurantes que vão promover a nossa gastronomia, vamos ter um roteiro de saborosos petiscos, de 12 a 20 de Março, vamos provar o que de melhor existe na nossa rica e diversificada gastronomia, a através do site da Câmara [www.cm-santarem.pt]podemos ter acesso aos roteiros de restaurantes e aos respectivos petiscos. Outra novidade está relacionada com a componente equestre, vamos ter um novo picadeiro, com maiores dimensões, com o objectivo do cavalo estar presente nas nossas Festas, vamos disponibilizar diversas boxes para que existam condições para quem quiser levar o seu cavalo até ao Campo Infante da Câmara o possa fazer adequadamente. Somos a Capital do Ribatejo o cavalo e touro têm de estar presentes na celebração do nosso feriado municipal.

A empresa municipal Viver Santarém deixou de organizar eventos, que passam para gestão directa do município. Qual foi a razão para esta decisão?
O executivo camarário pretende que a empresa municipal Viver Santarém reforce o seu foco na vertente desportiva. Ganha novas competências nesta área, estando a seu cargo diversas infra-estruturas desportivas, espaços de desporto informal e pavilhões desportivos, é um imperativo darmos um salto qualitativo nesta componente, deve, a empresa municipal canalizar os seus meios, humanos e financeiros para dar cumprimento a uma necessária melhoria das instalações desportivas do nosso Concelho. Paralelamente a Câmara Municipal definiu como estratégico reforçar a dinâmica dos grandes eventos com o objectivo de aumentar a visitação ao nosso Concelho, daí surge a criação do pelouro “turismo e grandes eventos”.

Para alguém que visita o concelho, como o apresentaria? Que características distintivas tem este território, do ponto de vista económico e empresarial, cultural e patrimonial?
Santarém tem uma localização absolutamente privilegiada no nosso país, a pouco mais de meia hora de Lisboa e a duas horas do Porto ou de Espanha e com acessos rodoviários e ferroviários de excelência, com um riquíssimo património histórico, cultural, gastronómico e natural, são trunfos demasiado fortes para nos tornarmos numa Capital de Distrito de referência no País e na Europa e convencer a quem nos visita que somos um destino de enorme capacidade, para investir, para viver e para explorar do ponto de vista turístico. É um Concelho com enorme potencial e dinamismo em sectores como a agricultura e a agro-indústria, sectores nos quais a região é líder a nível nacional, mas também em sectores como a metalomecânica ligeira, os curtumes, a extracção de pedra, ou em áreas inovadores e que já são uma referência a nível europeu, como é o caso da Entogreen.
A nível turístico as possibilidades são inúmeras, a destacar a enorme riqueza do património histórico-cultural, a sua relação histórica privilegiada com o Brasil, já que, foi em Santarém que Pedro Álvares Cabral viveu os seus últimos anos e é aqui que repousam os restos mortais do navegador Português. É também de destacar o potencial inegável do Concelho para desenvolvimento de actividades de turismo de Natureza, o nosso Rio Tejo, as nossas grutas a norte do Concelho, o turismo Enogastronómico – é em Santarém que há 42 anos se realiza o maior e mais antigo Festival Gastronómico do País e único de dimensão Nacional – sem esquecer a preponderância do Turismo Religioso – Santarém faz parte da Rota das Catedrais, tem um Museu Diocesano reconhecido como um dos melhores a nível Europeu. Santarém é tudo isto, e é tudo isto que vamos querer promover e reforçar durante os próximos anos.

A presença do Município na BTL vai ser reforçada nesta edição?
Sim, vamos ter um stand próprio, onde a Câmara Municipal pretende com esta participação promover o território de Santarém a nível turístico, onde a Gastronomia, o património cultural e natural, as tradições taurinas e equestres são pilares fundamentais de atracção de novos públicos. Vamos reforçar a dinâmica do programa, destaco logo no primeiro dia, onde vamos lançar o site de Turismo – www.visitesantarem.pt, bem como, apresentar o Programa de Eventos “Santarém Capital da Gastronomia” e, neste âmbito, apresentar o Embaixador para a Gastronomia de Santarém, o Chef Rodrigo Castelo.

A Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERTAR) vai abrir uma delegação em Santarém que vai servir os municípios da Lezíria do Tejo. Qual é a importância para o concelho desta aposta?
Esta foi uma recente conquista enquadrada num conjunto de vários objectivos que temos definidos para 2022. É da maior importância a abertura desta delegação em Santarém, pois isso representa o reconhecimento da ERTAR pelo nosso território o e por outro lado vai permitir uma maior proximidade física aos agentes turísticos, públicos e privados, da região.

Tem o pelouro das obras e projectos municipais. Como vê a gestão do Património Arquitectónico de Santarém e de que forma é possível conservar e defender zonas históricas sem que isso impeça o rejuvenescimento da cidade?
O rejuvenescimento da cidade é indissociável da preservação do seu Património histórico uma vez que ele é parte fundamental da identidade da cidade. Por outro lado, preservando e promovendo este património estamos a acrescentar valor a toda a cidade, quer culturalmente, quer ao nível do turismo, mas também do mercado imobiliário. Basta ver o que aconteceu com Lisboa e Porto nos últimos anos. A conservação é fundamental, assim como a reabilitação. Rejuvenescer não é só construir novo, mas recuperar o património existente, como acontece nas cidades europeias com maiores níveis e desenvolvimento. Além dos mecanismos legais para essa preservação existe uma vontade do executivo de valorização do património, por exemplo ao nível do turismo. Cidades com história e património, como é o caso de Santarém, são aquelas que cada vez têm maior procura e oferecem mais qualidade de vida, adaptando-se às necessidades actuais quer ao nível da mobilidade, e neste âmbito estão várias obras em curso e outras para iniciar, como de acesso a serviços essenciais.

Em que fase está o processo de reavaliação do PDM de Santarém e quais são as linhas de força que estão a ser seguidas?
Estamos neste momento a reunir individualmente com todos os Presidentes de Junta, daqui a mês e meio vamos lançar a discussão pública, após esses 30 dias vamos analisar todas as propostas de melhoria, efectuar um relatório final e enviar para as entidades externas que têm de, por força da lei, analisar o relatório resultante da discussão pública e após essa análise estamos em condições de finalizar o processo. O nosso objectivo é que até ao final do ano, início do próximo possamos ter a revisão do PDM concluída, condição importante para o desenvolvimento do nosso território. Posso também acrescentar que as reuniões estão a ser muito produtivas e a reacção dos autarcas ao documento que estamos a apresentar tem sido muito positiva.

Filipe Mendes

Leia também...

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…

“Só o comportamento responsável de cada um pode ajudar a resolver a pandemia”

João Amado é comandante distrital de Santarém da PSP há quatro anos.…

“Não posso concordar com o folclore mediático feito à volta das primeiras administrações das vacinas”

António Pinto Correia, presidente da Mesa da Assembleia Sub-Regional da Ordem dos…

O Homem antes do Herói: “uma pessoa alegre, bem-disposta, franca e com um enorme sentido de humor”

Natércia recorda Fernando Salgueiro Maia.