Foto de arquivo
Foto de arquivo

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considerou hoje “desafiador” o ano pastoral que está a iniciar-se, marcado pela Jornada da Juventude, nova fase do sínodo dos bispos e conclusão do relatório sobre os abusos sexuais na Igreja.

Sobre o relatório que a Comissão Independente para o Estudo de Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica em Portugal, liderada pelo pedopsiquiatra Pedro Strecht, está a finalizar e que deve ser apresentado publicamente em 31 de janeiro, José Ornelas disse esperar que permita “conhecer a verdade de um passado doloroso, antes de mais para as vítimas de tais abusos, que a todos fere e envergonha”.

Segundo o prelado, que falava na abertura da Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa, em Fátima, o relatório será um “instrumento fundamental” no caminho “de definição e implementação de estratégias para mitigar a reincidência dos abusos, em complementaridade com os passos já dados pelas Comissões Diocesanas de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis e pela Equipa de Coordenação Nacional destas comissões”.

Sobre o processo sinodal, José Ornelas sublinhou a importância da fase continental em curso, cujo documento de trabalho sintetiza, principalmente, os relatórios das diferentes conferências episcopais e que “iniciará novo processo de discernimento diocesano (…) à luz de três grandes interrogações propostas: a vida em Igreja, os desafios que ela comporta e as prioridades de ação que devem ser implementadas, tendo em vista a preparação das duas Assembleias Sinodais que terão lugar em Roma nos meses de outubro de 2023 e 2024”.

“Este documento continental não é Magistério da Igreja nem inquérito sociológico. O Sínodo não é um parlamento nem sondagem de opiniões. É um acontecimento eclesial que precisa de todos. Por isso, é necessário que todos se interessem e se envolvam”, apelou o também bispo de Leiria-Fátima.

Sobre a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 (JMJLisboa2023), José Ornelas é perentório a afirmar que “não se dirige apenas aos cristãos, mas pretende envolver e contar com a colaboração ativa de quantos se sentem motivados a juntar-se, na variedade das opções religiosas e sociais, para sonhar e lutar por um mundo mais humano para todos, onde as diferenças sejam respeitadas e não constituam motivo de segregação, de conflitos e de guerras”.

“Desejamos, antes, que possa afirmar-se no compromisso de cuidar desta terra, dom de Deus e casa comum da humanidade e dos que nela habitam, para que a ninguém falte a liberdade e os meios essenciais para uma vida digna, na justiça e na paz”, afirmou o presidente da CEP.

A Assembleia Plenária da CEP, que hoje começou em Fátima termina na quinta-feira e, na agenda de trabalhos estão, além da questão dos abusos sexuais de menores no seio da Igreja, temas orientações para a formação sacerdotal, a preparação da Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 ou o Sínodo 2021-2024, nomeadamente a participação na chamada “etapa continental”, bem como o orçamento da CEP para 2023 e informações e propostas das diferentes comissões episcopais.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.