Países com governos que apostam em subestimar, ou até menosprezar, as consequências da pandemia de COVID-19 em vidas humanas e saúde pública, como foi o caso dos EUA de Trump ou é atualmente o caso do Brasil de Bolsonaro, têm tido a oposição de todos quantos valorizam a informação científica e uma avaliação esclarecida dos factos. Esta oposição é frequentemente destilada e vertida num slogan direto e esclarecedor: “O negacionismo mata!”. E mata mesmo; basta ver o que se tem passado na Índia ou no Brasil.

Curiosamente, do Brasil veio recentemente a notícia de outro negacionismo. Sérgio Rodrigues, escritor brasileiro vencedor de uma das edições do Prémio de Literatura Portugal Telecom, defendeu com laivos nacionalistas que o português em Portugal e no Brasil são línguas diferentes, embora parecidas. Esta negação da partilha de uma língua comum entre Portugal e Brasil é tão descabida como qualquer negacionismo de factos. A tentação de apagar, lixiviar ou adulterar a memória de factos históricos tem sido uma constante de vários regimes e correntes, quase sempre totalitários. Não se podem mudar factos históricos só porque se quer defender uma tese.

O negacionismo mata. Negar a perigosidade de um vírus mata seres humanos. Negar a história mata a cultura democrática.

Miguel Castanho – Investigador em Bioquímica

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Leia também...

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…

Cartas na Caixa do Correio: A propósito do Hospital Distrital de Santarém

Não podia deixar de publicamente expressar algo sobre uma questão, agora tornada…

‘Quem sai aos seus…’, por Pedro Carvalho

Em 1978, o meu irmão Fernando João Nogueira Carvalho era o mais…

‘A requalificação da igreja de Santa Iria na Ribeira de Santarém’, por Vítor Serrão

Existem sempre boas notícias no que toca à salvaguarda do Património Histórico-Artístico…