Foto de arquivo
Foto de arquivo

O projecto “Médicos Mais Perto”, a decorrer em Marinhais, concelho de Salvaterra de Magos, permitiu a realização de 450 consultas em dois meses, afirma uma nota do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) da Lezíria.

Em comunicado, o director executivo do ACES Lezíria, Hugo de Sousa, salienta que o projecto, de intervenção numa comunidade carenciada de cuidados de saúde primários, resulta de uma colaboração entre a Unidade de Saúde Familiar (USF) de São Domingos (Santarém) e o polo de Marinhais, que integra a Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) de Salvaterra de Magos.

Iniciado em 03 de Setembro último, o projeto visa “melhorar a vigilância de grupos específicos como diabéticos, grávidas e crianças”, procurando “colmatar a falta de médicos de família no polo de Marinhais”, salienta.

“Este projecto tem como principal objectivo a realização de consultas de vigilância nas áreas de Saúde Infantil, Saúde Materna, Planeamento Familiar e Rastreio do Cancro do Colo do Útero (RCCU), bem como junto dos utentes com hipertensão arterial e diabetes mellitus”, acrescenta.

As consultas, realizadas por especialistas em Medicina Geral e Familiar da USF São Domingos e por médicos internos da especialidade, decorrem todos os sábados, das 09:00 às 14:00.

O projecto foi planeado para um período de quatro meses, com possibilidade de prosseguir no próximo ano.

Num balanço dos primeiros dois meses (Setembro e Outubro), o ACES Lezíria refere a realização de 365 consultas de adultos, “entre as quais consultas de hipertensão arterial/diabetes mellitus e consultas não presenciais (com a finalidade de solicitar previamente análises de vigilância a doentes hipertensos e diabéticos, de forma a serem portadores de resultados no dia da consulta para uma gestão mais eficiente de recursos)”.

Foram ainda realizadas duas primeiras consultas de gravidez, 13 de seguimento e uma de revisão de parto, 64 consultas de planeamento familiar e, no âmbito da Saúde Infantil, 67 consultas.

“Este é um projecto que tem sido muito bem recebido pela população e que tem como ambição uma melhoria do acesso a cuidados médicos, assim como a obtenção de ganhos em saúde”, sublinha a nota.

Em Junho, o Movimento de Utentes de Salvaterra de Magos promoveu uma concentração destinada a reclamar soluções para a situação dos cuidados de saúde primários num concelho em que mais de 75% da população (16.500 utentes) não tinha médico de família atribuído.

No caso de Marinhais, era apontada a saída de dois médicos, deixando a extensão de saúde com apenas “dois médicos temporários”, dificultando o agendamento de consultas, sendo que “mais de metade da população” não tinha médico de família.

“Existem crianças e grávidas sem as consultas obrigatórias, idosos e doentes crónicos que demoram meses a ter credenciais de medicação. Acresce ainda que o Centro de Saúde de Marinhais é antigo, exíguo, funciona no primeiro piso de um edifício residencial, encontrando-se completamente obsoleto para dar a resposta adequada a uma população de mais de 6 mil utentes”, afirmava aquele movimento.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.