A Diocese de Santarém realizou este domingo, dia 06 de Junho, a assembleia pré-sinodal, dando a conhecer a síntese final do processo de auscultação lançado pelo Papa Francisco, uma oportunidade de diálogo e aprendizagem.

“Há uma aprendizagem com este processo, foi uma escuta importante, na pedagogia que teve e pelo relacionamento de oração e de reflexão”, referiu D. José Traquina, bispo de Santarém.

O responsável católico destacou a experiência “muito positiva”, que vai para lá do documento de síntese, falando num momento de “especial relevância” para toda a Igreja, como tempo de escuta “das bases”.

D. José Traquina disse ter encontrado “testemunhos enormes de fé” e “preocupações” com o futuro e a missão da Igreja.

O encontro deste domingo, solenidade de Pentecostes, começou no Convento de São Francisco e encerrou-se com a Eucaristia, na igreja de Santa Clara.

O bispo de Santarém realçou a necessidade de criar “comunhão e unidade na diversidade”, com as várias sensibilidades.

“Eu acredito que aquilo que se está a passar é a presença do Espírito na Igreja, para bem do mundo”, acrescentou.

A equipa de coordenação diocesana, constituída pelo padre Pedro Miguel Castro Marques e Maria Carlos Semedo Ramos, orientou a receção e execução dos trabalhos do Sínodo 2021-2023.

O sacerdote disse que “muitas comunidades manifestaram o desejo de continuar” este trabalho, após a fase diocesana.

Quanto à síntese final do processo de auscultação, o padre Pedro Miguel Castro Marques acredita que “não vai ficar na gaveta”, falando num “documento de trabalho, de reflexão, de partilha nas comunidades”.

Maria Carlos Semedo Ramos evoca o “difícil” exercício comunitário de escutar e a “coragem” de falar, a que a Igreja Católica foi desafiada pelo Papa Francisco, desde outubro de 2021.

“Podemos dizer que a larga maioria dos grupos passou por seis grandes temáticas”, numa dinâmica desenvolvida a nível vicarial, apontou.

Para a responsável da Diocese de Santarém, este foi “um processo novo, difícil, ao princípio, mas que foi muito importante”.

“Mais do que um ponto final, é um ponto de partida”, assinalou.

Inácia Rodrigues, coordenadora na Vigararia de Alcanena, também admitiu “dificuldades” em promover encontros num período ainda marcado pela pandemia, mostrando-se satisfeita com o trabalho realizado nestes meses.

“Houve discussão, acesa e saudável, muito saudável”, relatou, desejando que esta dinâmica possa continuar, a partir das próprias paróquias.

Simão e Maria Mira, coordenadores da Vigararia de Santarém, recordaram o desafio inédito lançado pelo Papa de levar o Sínodo à porta de cada comunidade católica.

“Foi tudo muito estranho no início”, afirmou Maria Mira, sublinhando o dinamismo de encontro e debate marcado pelo entusiasmo dos participantes.

José Casimiro e Maria dos Anjos Pereira, coordenadores vicariais de Tomar, observaram, por sua vez, a necessidade de mais espaços de diálogo, num exercício sinodal que encontrou “resistências”.

“As pessoas estão muito habituadas a juntar-se para organizar coisas, mas quando se pede para falarem, para refletirem sobre o que é a Igreja, é realmente um desafio muito grande. Foi esse o grande contributo deste processo”, indicou José Casimiro Pereira.

A primeira fase do processo sinodal lançado pelo Papa, em outubro de 2021, decorre nas várias dioceses portuguesas, que preparam uma síntese do trabalho realizado a nível local; estes contributos são confiados à Conferência Episcopal.

HM/OC

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…