Depois de mais de década e meia a trabalhar na casa agrícola Paciência, em Alpiarça, João Alcobio resolve estabelecer-se por conta própria, criando uma empresa de comercialização de vinhos.

Depois de cedo ter abandonado os estudos, inicia a sua vida profissional numa oficina de mecânica em Alpiarça, era o pai feitor naquela importante ‘casa agrícola’. Cumprido o serviço militar em Dezembro de 1984, casa e prestes a abalar, como emigrante, para a Austrália, para onde já tinha celebrado contrato de trabalho, acaba por ceder às insistências dos pais para não deixar Portugal, a que não foi alheio o facto de ser filho único.

Vai para a Casa Paciência substituir o chofer do patrão, já muito idoso, e pela sua formação profissional, à condução vai dando uma mão à manutenção das máquinas, fossem motores de rega, fossem tractores.
A Casa Agrícola Paciência tinha cerca de 100 hectares de vinha mas naquela década de 80 já era cada vez era mais difícil contratar trabalhadores para a vindima, mesmos ranchos vindo de fora (do norte ribatejano ou do distrito de Leiria). As vindimas nas propriedades duravam cerca de mês e meio, com ranchos à volta de 90 pessoas a cortar uvas.

PUBLICIDADE

Já com a filha do doutor Hermínio, e o seu marido, à frente da ‘casa’, em 1985 é decidido comprar-se uma máquina para vindimar. “Foi a nossa e a do Marques da Cruz, de Almeirim, as primeiras aqui, no Ribatejo. Fui eu o primeiro manobrador, ensinado por um técnico francês da fábrica, da Braud, que cá veio”, diz-nos João Alcobio.

“Depois, como a nossa máquina foi a primeira que apareceu aí e a dificuldade da mão-de-obra era comum a todas as ‘casas agrícolas’, alugávamos a máquina, por exemplo, aos Margarides, à Alorna, ao Casal Branco, à hora”, acrescenta o nosso interlocutor.

A pouco e pouco, primeiro com o seu pai e depois com outras pessoas, “aprendi muita coisa, não só a nível de vinificações mas também a nível de estabilizações, de colagens”. Um dos seus grandes mestres viria a ser o conceituado enólogo Melícias Duarte, técnico durante alguns anos da Casa Paciência.

Com a morte de seu pai, João Alcobio passa a ter funções de feitor na empresa agrícola dos descendentes do doutor Hermínio. Mas em 2002, acaba por sair da ‘casa’ que lhe abriu as portas à agricultura, particularmente para o mundo da viti-vinicultura e lança-se para outros voos, para voos próprios.

Cria a empresa e marca «Adega do Feitor», denominação em honra ao seu pai que tinha sido feitor até praticamente à sua morte naquela importante casa agrícola alpiarcense.

A pouco e pouco vai criando um interessante leque de referências com a marca «Adega do Feitor».
Para além de vinhos brancos e tintos, criou vinhos frisante, rosé e abafado (licoroso). Nos brancos ‘agarrou’ uma vertente importante de comercialização, o vinho de cozinha destinado a restaurantes, vendido em garrafões, para temperar comida.

Ao contrário do que, naturalmente, fazia na sua antiga ‘casa’, larga a viticultura para se dedicar apenas ao vinho (criação de lotes e à sua comercialização). Passa a comprar vinhos apenas do seu agrado, “vinhos adquiridos quase sempre aos mesmos produtores agrícolas, de modo a ter um produto com as mesmas castas todos anos. Em termos de produto, pode haver uma diferença de um ano para o outro, mas acaba por não diferir muito. Consigo, assim, manter mais ou menos um lote linear para essa situação”.

João Alcobio focou-se no canal HORECA (hotéis, restaurantes e cafés), particularmente nos ‘vinhos de mesa’, para melhor penetrar na área da restauração, onde a concorrência é muito forte. Os seus vinhos surgem à mesa de importantes restaurantes desta zona ribatejana, sendo a área de distribuição Santarém e a margem esquerda do Tejo, desde Torres Novas até Salvaterra e em Lisboa e concelhos limítrofes
Em restaurantes com grande volume de vendas, muitas vezes o seu vinho é que é apresentado aos clientes com a referência de ‘vinho da casa’, podendo, a pedido do empresário de restauração, serem as garrafas apresentadas com roupagens personalizadas, não deixando, no entanto, João Alcobio de frisar que “o cliente conhece a sua origem visto lá ser referido, no respectivo contra-rótulo, engarrafado por Adega do Feitor”.

O empresário alpiarcense, em restaurantes de maior qualidade, aposta hoje em dia na gama premium, na qual também a diferenciação passa por “garrafas esteticamente mais elegantes”.

Tal como grande parte dos empresários portugueses, esta PME de Alpiarça está a sofrer fortes quebras nas vendas devido à pandemia de Covid-19, para mais quando quase todo o seu produto é destinado, como referimos, no canal HORECA, e aqui a contração tem sido grande.

“Nunca trabalhei com uma empresa de grande distribuição, tal como nunca trabalhei com nenhum hipermercado em grande escala. E a única coisa que se manteve aberta, a trabalhar, foram os hipermercados, que era onde a gente não tinha negócio nenhum”. Exceptuam-se algumas mercearias ou minimercados independentes da região ribatejana.

Depois do confinamento na passada primavera, refere-nos Alcobio que “no início surgiu alguma esperança mas eis que agora retornou tudo quase à estaca do início. Em fim de Maio, Junho, as coisas começaram outra vez a tentar normalizar. Manteve-se o verão, mais ou menos dentro dessa situação, os jantares é que foi sempre muito mais restrito.

E agora, aquilo que ouço aos meus clientes é que mesmo à hora do almoço já estão com muito menos clientes. E aos jantares praticamente quase não se trabalha”.

Mas, apesar do contexto em que se vive, o empresário alpiarcense lançou no corrente ano um novo produto a pensar num outro tipo de consumo (ou momento de consumo): vinho licoroso (ou abafado) em pequenas garrafas, particularmente a servir como aperitivo ou em ambientes de café.

Também está esperançado com o resultado das experiências que está a desenvolver a nível de espumante. Para já, diz-nos que os ecos que tem recebido são muito estimulantes, estando de partida para todo o processo burocrático de licenciamento.

Na conversa que tivemos com este empresário alpiarcense nas suas novas instalações (onde também funciona a loja de vinhos) numa zona da vila que assiste a uma requalificação urbana, a dois passos do jardim municipal, não se nota nele, apesar da conjuntura e social e económica, desânimo. O amor que nutre ao vinho e o consequente esforço a nível da qualidade do produto que faz chegar aos seus clientes será, com certeza, um antídoto aos tempos que correm.

Sinal disso é também as explicações finais que nos dá junto a uma zona de armazenagem, com cinco ou seis mil garrafas já cheias. “Sou apologista que os vinhos novos não sejam logo lançados no cedo. O poder de recuperação do vinho não é de um dia para o outro. E o vinho precisa de estar sossegado, ali dentro da garrafa durante, pelo menos, quinze dias para o vinho recuperar, para ter outra vez a tipicidade e os seus aromas virem ao de cima”.

Parte das garrafas que observámos já tinham sido engarrafadas há dois ou mais meses. “Este vinho com todo este tempo, sossegado, já o vinho é completamente diferente. Sempre tive e continuo a manter um grande respeito por este tipo de produto comercializado, é aquilo que respeito mais”, conclui João Alcobio.

Ricardo Hipólito

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…