No passado dia 15 de junho, o parlamento da Hungria, em sintonia com o governo de extrema-direita populista, aprovou mais um conjunto de leis anti Direitos Humanos. O pacote legislativo inclui um conjunto de medidas que, segundo Viktor Orbán, visam proteger as crianças, mas na prática são um conjunto de medidas contra os direitos da comunidade LGBT+.

A legislação agora aprovada, proíbe a divulgação de conteúdo que “mostre ou promova a sexualidade, a mudança de sexo ou a homossexualidade” a menores de 18 anos e limita a educação sexual nas escolas. Todo o discurso público sobre sexualidade será alvo de perseguição: filmes, séries, livros ou músicas podem ser censurados.
Estas leis são uma tentativa do governo húngaro, de associar a pedofilia a pessoas lésbicas, gays, bi e transexuais; contribuindo para a aumentar o preconceito, a discriminação e a violência. Muitas pessoas, e suas famílias, são colocadas numa posição de vulnerabilidade.

Na Hungria o casamento entre pessoas do mesmo sexo é proibido, o que foi já condenado pelo Parlamento Português, por proposta do Bloco de Esquerda.
Esta legislação, comparável às leis aprovadas em 2013 na Rússia, visa propagar o ódio e restringir profundamente a liberdade de expressão. São os Direitos Humanos, o Estado de Direito e logo, a própria Democracia, que são postos em causa. Na Hungria e, por risco de contágio, em toda a União Europeia.

As vozes de descontentamento têm-se feito ouvir de forma clara, incluindo a da própria Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, que afirmou: “Estou muito preocupada com a nova lei na Hungria. Acredito numa Europa que abraça a diversidade, não numa Europa que a esconde das nossas crianças. Ninguém deveria ser discriminado.” A Comissão Europeia investigará a nova lei húngara anti-LGBT.

PUBLICIDADE

O Bloco de Esquerda tem-se pronunciado claramente e exigido do Governo Português uma postura não neutral e deu entrada, na Assembleia da Républica, de mais um voto de condenação Estes votos manifestam o nosso veemente repúdio e ainda a nossa solidariedade, para com quem exige a liberdade e vê a sua segurança ameaçada. Defendemos sempre, e continuaremos a defender, a igualdade de tratamento, a não discriminação e a dignidade de todas as pessoas; respeitando a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia e a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Infelizmente há quem defenda, também no nosso país, estas leis. E há quem, pela inércia ou “neutralidade” não se queira pronunciar claramente. Na Assembleia da República e não só. O conservadorismo abre a porta à extrema direita, aos totalitarismos, à ditadura.

Há uma linha que separa a neutralidade da cumplicidade, essa linha são os Direitos Humanos. Não há neutralidade possível na defesa dos Direitos Humanos. Quando os Direitos Humanos são atacados a “neutralidade” é cumplicidade, pior, é a escolha do lado do opressor.

Fabíola Cardoso – Deputada do BE eleita por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…

Cartas na Caixa do Correio: A propósito do Hospital Distrital de Santarém

Não podia deixar de publicamente expressar algo sobre uma questão, agora tornada…

‘A requalificação da igreja de Santa Iria na Ribeira de Santarém’, por Vítor Serrão

Existem sempre boas notícias no que toca à salvaguarda do Património Histórico-Artístico…

Isabel de Aragão, rainha de Portugal, Rainha Santa Isabel

No reino de Aragão nasceu no século XIII uma princesa que viria…