A Escola Superior Agrária de Santarém (ESAS) assinalou a 11 de Novembro 134 anos de serviço à região. Com um ensino e uma investigação baseados numa abordagem científica, fortemente orientada para a aplicação prática, na qual os estudantes são incentivados desde muito cedo a integrarem os projectos de investigação, estimulando o espírito crítico, a ESAS está a perspectivar o futuro, agregando conhecimento em diferentes áreas de especialização, incluindo as ciências agrárias e veterinárias, a biologia e biotecnologia, a tecnologia alimentar e a digitalização, permite uma abordagem holística de temas reais da sociedade, das quais se destacam as alterações climáticas; a produção e consumo sustentáveis; o bem-estar animal e o estilo de vida saudável.

É neste contexto que a ESAS acrescentou à sua oferta formativa a licenciatura em Biologia e Biotecnologia Alimentar, respondendo àquilo que são as necessidades actuais das empresas e do território.

A cooperação com as empresas, autarquias e sociedade em geral, quer ao nível da capacitação, da investigação e da transferência de tecnologia fortalece as equipas e garante a criação de valor, como refere nesta entrevista António Azevedo, director de uma Escola de referência no ensino Agrário.

Quais foram os resultados do concurso nacional de acesso este ano? Como é que avalia esses mesmos resultados?

Os concursos nacionais de acesso não foram uma surpresa e dão-nos uma satisfação muito grande relativamente à oferta formativa clássica. Já há muito tempo que não tínhamos três cursos do concurso nacional de acesso completamente preenchidos, e o quarto curso, que não está preenchido, Agronomia, tem 185 vagas.

Não fomos à segunda fase porque já tínhamos preenchido o concurso e, para mais, tínhamos um curso novo de Biologia e Biotecnologia alimentar. Estávamos expectantes porque esta oferta formativa veio substituir o curso de Gestão e Tecnologia Agro-industrial, extraordinariamente adaptado às necessidades da região, mas em que a oferta formativa não despertou grande interesse. Isto porque há uma falta de apetência muito grande dos alunos para esta área, mas também porque o curso era um erro de casting, na minha modesta opinião. Este curso devia ter sido lançado na Escola Superior de Gestão. Substituímos, por isso, o curso, que já foi candidatado numa altura muito próxima do concurso nacional de acesso, mas, mesmo assim, logo na primeira fase, preencheu o que para nós, olhando para o panorama das escolas Agrárias foi extraordinário.

Uma circunstância que nos faz agora levar o foco, não para este tipo de formação clássica, mas para outro tipo de formação com as empresas e para outro tipo de formação em regime de co-criação.

Esta primeira parte, de consolidar a oferta formativa durante estes quatro anos, acho que se conseguiu. Iniciamos o novo Curso de Zootecnia, substituímos produção Animal, que tinha 10, 12 candidatos e este ano conta com 36 pelo concurso nacional de acesso. Já começamos a ter imensa dificuldade em conseguir integrar os alunos do TESP que vão fazer continuação de estudos nas licenciaturas. Biologia e Biotecnologia foi um sucesso, Qualidade Alimentar e Nutrição Humana foi outro e Agronomia tem sido sempre o nosso curso com maior representatividade. Posso dizer que a fase da consolidação terminou, agora temos outros desafios.

Quais são, então, os principais desafios que a escola enfrenta na actualidade?

Há uma resistência interna grande… é difícil, mas temos andado a pensar nestes quatro anos como trabalhar da melhor forma. O primeiro desafio passa, desde logo pelas novas metodologias de ensino, falta ter a coragem, não a nível da escola, mas a nível do instituto de dizer: ‘agora vamos estabelecer metas para que essas novas metodologias sejam efectivamente introduzidas no ensino’.

Falo de metas métricas, para ver se, começando uns, os outros vão atrás: enquanto não for assim, corremos o risco de, daqui a uns anos, perder oportunidades e tudo na mesma.

Estamos a aproveitar o ensino à distância para trazer muitas outras pessoas a leccionar nos cursos da escola. Isto é de uma riqueza muito grande para os alunos porque não só temos de transmitir conhecimento aos nossos alunos, mas também temos que transmitir relações humanas. Se eu tenho dificuldade em dizer a um colega de Bragança que venha cá dar uma aula sobre erosão do solo, se a pessoa puder entrar online é fantástico para todos.

E, para ele, também é uma mais-valia porque conhece alunos que poderão trabalhar com ele. Os alunos têm ali, portanto, um recuso humano valioso que dificilmente conheceriam e podem, desta forma, estabelecer um laço de ligação.

Por outro lado, a co-criação é indispensável porque, se não, vamos perder competitividade rapidamente. São sistemas em que o aluno é convidado a adquirir o seu conhecimento trabalhando, com desafios, com as empresas, resolvendo problemas.

A outra questão é a redução de horas lectivas de contacto: temos, forçosamente, de reduzir de quatro para três horas. Existem também, e paralelamente, as componentes de prestação de serviços, investigação, financiamento científico, aspectos extraordinariamente importantes.

Agora, temos que sair desta esfera, que é o ensino tradicional e temos que ir para a empresa. Tem havido imensos desafios, empresas de referência, empresas tecnologicamente mais avançadas, falo na Irricampo, na JP Inácio, empresários dinâmicos e com visão de futuro que querem trabalhar connosco. Ainda há relativamente pouco tempo começamos a tentar burilar alguns processos de formação para técnicos que eles precisam. Hoje em dia, o tractor não pode avariar, temos sistemas de agricultura de precisão, isto é o papel do agrónomo, mas este profissional tem também que estar envolvido nos processos de elaboração de tecnologia. As próprias empresas têm contactado a escola para darmos formação nestes domínios, mas elas próprias disponibilizam técnicos para serem complementos de formação: é uma nova abordagem, a de podermos fazer esta viagem com as empresas da região.

Estamos a falar, de uma certa forma, de uma revolução muito grande no ensino agrário?

Temos que conseguir dar este passo. Isso obriga a que possamos contratar técnicos para leccionar na escola e isso obriga a ter uma organização totalmente diferente.

Para evoluir para as três horas, não é uma coisa que uma escola possa fazer independentemente das outras. O que é certo é que os cursos continuam a ser propostos e continuam a ser propostos para acreditação exactamente no mesmo formato.

Nunca mais saímos daqui… Falamos, mas depois não há a capacidade de executar. De criar um cronograma, e dizer: no primeiro ano vamos chegar aqui, no segundo ali… isto é um projecto a dez anos e não conseguimos fazer isto independentemente do Politécnico e da própria forma como estamos organizados cientificamente.

A agrária é também uma escola que produz, qual a filosofia subjacente a este posicionamento?

É precisamente ensinar fazendo. Temos aqui um campus com 230 hectares dos quais 30 estão na sede aqui, na Quinta do Galinheiro, que é uma autêntica Arca de Noé: temos várias espécies pecuárias, tanto que a nossa exploração agro-pecuária tem um sub-orçamento próprio. Ela existe porque é sustentável, gera receita. Temos uma componente de produção agrícola com a parte da viticultura, olivicultura, e a parte dos cereais que geram uma receita que nos consegue pagar algum défice que existe na componente animal.

Temos outra vertente: ainda nos dedicamos à preservação das espécies em risco de extinção, como o Cavalo do Sorraia.

Para além disso, e o desafio que lançamos sempre aos alunos no primeiro dia, é que este espaço é um espaço para eles se instalarem, se tiverem asas e quiserem voar, eles podem instalar a sua empresa, a sua ideia de negócio e temos todo o gosto nisso. Somos uma escola que produz, mas estas cedências não são graciosas, são onerosas: somos uma escola que, depois, dá formação com os antigos alunos. Vamos ver se conseguimos agora sediar aqui uma empresa de multiplicação de plantas. O nosso processo produtivo é fundamental como modo de produção, como imagem para o exterior, como fonte de receita para o Instituto.

O papel da Escola Superior Agrária de Santarém deveria ser potenciado?

Chegamos aos 750 alunos: começámos com 680. Aqui, neste momento, temos que nos virar para o futuro e, neste caso, tenho que fazer aqui uma homenagem ao Município porque está a trabalhar intimamente connosco e a investir porque reconhece a grande mais-valia de ter uma Escola e um Politécnico no concelho.

Precisamos de convencer a sociedade civil de que o Politécnico é um sítio em que os filhos podem fazer formação, porque é uma formação, pelo menos, ao mesmo nível da que se faz nas Universidades. Esta é a primeira grande barreira. A segunda questão é ao nível da investigação e do financiamento científico: acho que, neste momento, já toda a gente conseguiu perceber que nós não conseguimos, a nível regional, ganhar projecção se não tivermos centros próprios. Temos de ter um Centro de Investigação, laboratórios colaborativos, e há uma sensibilidade muito grande da Câmara para isso. E este trabalho tem que ser feito em conjunto, a autarquia é um parceiro fundamental neste desígnio.

Portanto, estamos juntamente com uma fileira de produção animal, na área da suinicultura, a fazer um investimento avultado na Quinta do Bonito: são sensivelmente 4 a 5 ME. Vamos ter uma escola profissional virada para aquela fileira, mas vamos, em princípio, ter também um laboratório colaborativo que nos vai permitir arranjar um financiamento próprio e fixar pessoas que têm como único foco a investigação.

Nós não temos esta estrutura e a Escola não aparece, ao contrário das outras. Fala-se agora em Universidades Politécnicas, Universidades Internacionais, mas para isso temos que ter dote. Não podemos querer outorgar um doutoramento se não tivermos financiamento científico. Reitero: precisamos de centros de investigação.

Temos um Centro de Investigação de qualidade no Politécnico, mas não é nas áreas agrícolas, é nas áreas das ciências sociais. Precisamos, para ganhar visibilidade, da escola enquanto parceiro forte das empresas. O Município é um parceiro valioso na mobilização de recursos e é fundamental, trilhar outro caminho e que se faça um investimento muito considerável na escola.

São coisas que ainda estão em projecto, mas vejo, pela primeira vez, uma inversão e vontade de meter a Escola no sitio onde ela deve estar.

A ESA foi anfitriã, na passada semana, do Congresso Nacional das Escolas Agrárias. Qual a importância para a escola deste encontro?

Recebemos o IV Congresso Nacional das Escolas Agrárias, que reuniu investigadores, professores, técnicos e alunos de todo o país. Este é o momento em que as Escolas Agrárias dão a conhecer os avanços na investigação que realizaram, com a apresentação oral e em posters de trabalhos científicos. A nível científico e académico é um dos momentos mais importantes do ano e é um momento de reflexão ao nível de escolas Agrárias e nós aproveitamos para reforçar os nossos laços e estabelecer sinergias para futuro porque o caminho faz- se sempre melhor acompanhado.

Fazem-se coisas fantásticas nestas escolas, que nós podemos utilizar e vice-versa. Esta é uma aposta ganha e daqui a dois anos será em Coimbra, e cá estaremos todos para lutar e consolidar toda esta estratégia de investigação.

Numa altura de aniversário perspectiva-se o futuro, como será o futuro na escola? Onde é que gostava de ver a ESA daqui a 10 anos?

Não podemos pensar a quatro anos, que é o tempo de um mandato. O Instituto está a fazer um plano estratégico, mas. Infelizmente, pouco fala com directores… Os directores cada vez têm menos importância nesta estratégia global do Instituto. O que temos de trabalhar, na minha óptica, é a restruturação do ensino, tornando-o mais apelativo, quer na metodologia quer na carga horária. Ligarmo-nos às empresas, dando formação específica em áreas que são fundamentais para o desenvolvimento da empresa. Ter um centro próprio de investigação ou em associação com outro centro.

É também fundamental estreitar a ligação à Camara, implementar o laboratório colaborativo, com a possibilidade de fazermos uma contratação própria de recursos humanos dirigidos, que serão pagos com financiamentos próprios, ora através da CCDR ora através do próprio financiamento científico, isto seria a cereja em cima do bolo. Se não formos por aqui, isto anda mais meia dúzia de anos e vamos subalternizar o ensino e passando-o como ensino técnico. No Instituto temos que fazer um caminho, a Escola Agrária tem que fazer um caminho, e julgo que temos o caminho aberto.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.