Águas do Vale do Tejo conclui investimento de 8 ME nos sistemas de água de Mação

A empresa Águas do Vale do Tejo concluiu um investimento de perto dos oito milhões de euros nos sistemas de abastecimento de água a Mação, anunciou hoje a empresa, divulgando novos projectos ao nível ambiental e do abastecimento de água.

Num território com 400 km2 e 120 aldeias e lugares, os cerca de oito mil habitantes do concelho de Mação, no distrito de Santarém, estão já a ser abastecidos a partir da Albufeira de Castelo do Bode e da Albufeira das Corgas, num pacote global de investimentos que implica ainda a construção de centenas de quilómetros de condutas, reservatórios e de várias Estações de Tratamento de águas Residuais (ETAR), num processo que visa aumentar a qualidade e a quantidade da água para consumo a par do saneamento básico.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Mação, Vasco Estrela (PSD), congratulou-se com o trabalho desenvolvido, mas lembrou que a empresa Águas do Vale do Tejo “já trabalha há cerca de nove anos” na concretização deste pacote de investimentos em Mação, e que “ainda há muito a fazer”, num município que é abastecido por diversas origens, nomeadamente por 60 furos subterrâneos que a autarquia gere.

Com um investimento de cerca de 8 ME por parte da empresa, co-financiado por fundos comunitários em 70%, foram hoje anunciadas as conclusões do abastecimento de água a Mação através do Sistema do Brejo, (3,9 ME), à zona Norte do município através do sistema de Castelo de Bode (2,1 ME), o abastecimento a Cardigos (0,9 ME) e a concepção e construção da ETAR de Mação (1 ME).

Segundo Vasco Estrela, quer a empresa quer o município ainda têm “muito trabalho a fazer”, nomeadamente ao nível de “infraestruturas ligadas ao saneamento, construção de ETAR’s, remodelação de condutas e gestão dos furos autónomos”, tendo referido existir um “défice tarifário relevante” em Mação, município que apresenta um “défice anual na ordem dos 500 mil euros” na gestão destes sistemas.

“São quase nove anos de contrato de concessão com a empresa, que investiu até agora perto de 8 ME, mas que tem utilizado as nossas infraestruturas ao longo deste tempo, sendo o município credor de verbas com algum significado”, disse o autarca, estimando estes valores na ordem dos quatro ME e que entende importante “consensualizar”.

Classificando o processo de requalificação de todo o sistema de abastecimento e saneamento de Mação como “uma página difícil de gerir”, o autarca deu conta que o município que lidera vai integrar a futura empresa intermunicipal que está a ser constituída na região do Médio Tejo para água e resíduos, com uma candidatura que irá apresentar na ordem dos 15 ME.

A empresa, que anunciou ainda investimentos na ordem dos 4,3 ME em “intervenções futuras e empreitadas em preparação” para ETAR no concelho, priorizando as freguesias de Envendos e Carvoeiro, tendo em conta os “problemas ambientais e de saúde pública associados”, procedeu hoje à assinatura do contrato da empreitada de “Beneficiação dos sistemas autónomos para garantia da qualidade da água – Sistema de Ortiga”, um investimento de 640 mil euros.

A sessão, que contou com a presença do secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, do presidente da Câmara de Mação, Vasco Estrela, e do presidente da Águas do Vale do Tejo, José Manuel Sardinha, culminou com uma visita ao local da futura empreitada de construção da ETAR de Ortiga, um investimento de 594 mil euros, com prazo de execução de 330 dias, e que inclui a construção de duas estações elevatórias nos locais das antigas ETAR.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS