Alunos do CENFIM visitam exposição “nosso Tejo, nosso Alviela” na sede do Correio do Ribatejo

Alunos do CENFIM visitam exposição “nosso Tejo, nosso Alviela” na sede do jornal Correio do Ribatejo Um grupo de 18 alunos do Curso Profissional de Electromecânica Industrial do Núcleo de Santarém do CENFIM esteve hoje de visita à exposição “nosso Tejo, nosso Alviela” que está patente na sede do jornal Correio do Ribatejo até ao final do mês de Julho.

Os alunos, acompanhados pela formadora, Olga Nunes, foram recebidos pela curadora da exposição, Susana Veiga Branco que enquadrou a temática desta mostra, que propõe uma “viagem fluvial” pelas vivências ribeirinhas de S. Vicente do Paúl e Vale de Figueira.

A exposição, que pode ser visitada na sede deste Jornal de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00, é constituída por vários objectos, nomeadamente, um mapa topográfico das margens do Rio Tejo, por ordem do Rei D. José I, em 1770-1771, elaborado pelo Capitão Engenheiro Joaquim de Oliveira e o Ajudante Ricardo Franco, cedido para a exposição por Maria de Lurdes Farinha, uma réplica de Barco de S. Vicente, Santo Padroeiro de São Vicente do Paúl, cedido por Sara Pereira e diversos documentos cedidos pelo Padre Tiago Moita e por Francisco Maria Jorge. Vivências ribeirinhas nos Rios Tejo e Alviela, estão bem presentes nas fotos cedidas por Maria João Rodrigues, Rafael Costa, Manuel Cruz e Idalina Cruz e retractando aspectos como a escassez de água no Rio Tejo, o pôr do sol, a avifauna, em imagens cedidas por Rui Raposeira, José Freitas, Susana Veiga Branco, Rui Alexandre, Mário Avelino Rodrigues, Maria José da Cunha, entre outros.

 A exposição conta ainda com uma ampla participação dos agrupamentos folclóricos da União de Freguesias, nomeadamente, o Rancho Folclórico “Os Camponeses de S. Vicente do Paúl” e Rancho Folclórico de Vale de Figueira, sobretudo pela cedência de objectos ligados ao vestuário avieiro. Inclui ainda artesanato cedido por Manuel da Cruz, do lugar de Raposeira, S. Vicente do Paúl, em madeira de oliveira, salgueiro e cartão, sendo o seu espólio constituído por centenas de representações ligadas às vivências da região.

Desde edifícios a representações de cenas da vida agrícola e festivas, das profissões antigas e de caricaturas, animais e utensílios. Outra mostra do mesmo autor está patente nas ‘Tasquinhas do Alviela’, de 28 a 30 de Junho, intitulada “O Ribatejo pelos olhos do Sr. Manuel da Ponte”.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS