O Movimento pelo Tejo – proTEJO defendeu hoje a criação de comités para cada uma das bacias hidrográficas ibéricas, para melhorar a gestão e protecção dos rios, posição partilhada pelas conclusões de um relatório internacional sobre a Convenção de Albufeira.

“Os comités seriam necessários existir para permitirem que efectivamente haja uma adequada gestão com preocupação ecológica do rio e da própria bacia hidrográfica, garantindo que todos os elementos importantes estariam num plano conjunto de gestão da quantidade e qualidade da água”, disse à Lusa Paulo Constantino, porta-voz do movimento ambientalista com sede em Vila Nova da Barquinha, no distrito de Santarém.

A recomendação aos governos de Portugal e Espanha decorre de um relatório sobre “Cooperação transfronteiriça em bacias hidrográficas partilhadas no âmbito da Convenção de Albufeira”, produzido no seguimento da participação do proTEJO nas reuniões e no ‘workshop’ da Wetlands International (WI-EA) e da Rede Douro Vivo, e que teve em conta os contributos dos vários participantes portugueses e espanhóis.

PUBLICIDADE

Nas conclusões do relatório pode ler-se que a “recomendação principal não é abolir a Convenção de Albufeira [documento que norteia a gestão ibérica dos rios], mas negociar protocolos adicionais através dos quais possam ser criados comités de bacia para cada uma das bacias hidrográficas transfronteiriças”.

Nesse sentido, lê-se no documento, a que a Lusa teve acesso, “esses comités devem ser responsáveis por projectar visões abrangentes da bacia para o desenvolvimento futuro dos rios, incluindo como organizar a restauração ecológica”.

Para Paulo Constantino, tal medida asseguraria o “princípio de unidade de gestão da bacia hidrográfica, que prevê que cada bacia gere as suas disponibilidades hídricas e as suas necessidades” e permitiria que cada comité estivesse preocupado unicamente com a gestão da sua bacia e não com a negociação e cedência de caudais entre cada uma das bacias ibéricas”.

O proTEJO – Movimento pelo Tejo deu ainda conta do “total acolhimento” das suas posições ambientais, tendo as mesmas sido incluídas num relatório que conclui que os domínios onde a cooperação deve ser melhorada incluem “garantir caudais de água suficientes e consistentes, incluindo a definição do que significa caudais ecológicos e estabelecer caudais ecológicos”.

Por outro lado, os ambientalistas defendem a “utilização de modelos climáticos e previsões de impacto climático, monitorização e partilha de dados, avaliação do estado das massas de água e a conceção do Programa de Medidas”, e sublinham a “falta de envolvimento da sociedade civil nos processos de tomada de decisão da Convenção de Albufeira”.

Nas conclusões deste estudo pode ler-se ainda que “a Convenção de Albufeira entre Espanha e Portugal está orientada para a cooperação nos aspetos da quantidade adicionalmente aos da qualidade da água, mas menos nos aspetos ecológicos da gestão das bacias hidrográficas”.

Os diversos grupos ambientalistas manifestam ainda preocupação com a “degradação em curso das qualidades ecológicas e ambientais” dos rios e insatisfação com as medidas tomadas para travar esta tendência.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…