A Assembleia Municipal de Abrantes aprovou por maioria o orçamento para 2023, no valor de 43,1 milhões de euros, montante que representa um crescimento global de cerca de 6% face ao orçamento deste ano.

Em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos (PS), disse que o aumento do valor do orçamento, o maior da última década, “resulta da assunção de competências na áreas da saúde e acção social, o que se reflecte, sobretudo, num acréscimos de prestações de serviços (+13%), da escalada de preços, com especial relevo da energia (+ 36%) e dos combustíveis, nomeadamente gás e gasóleo (+52%)”, a par de um “maior volume de transferências/apoios para diversas entidades do concelho (+18%)”.

Como medidas e projectos para 2023, o autarca destacou a conclusão do Museu de Arte Contemporânea Charters D’Almeida, a “última peça da rede de museus de Abrantes”, o início da empreitada de requalificação e ampliação do Cineteatro São Pedro, o arranque das obras da Escola Octávio Duarte Ferreira, em Tramagal, e a Estratégia Local de Habitação.

“A par da opção de não aumentar os impostos municipais, este que é o maior orçamento municipal desde 2011 e o segundo maior de sempre, reflecte a estratégia de rigor e exigência na consolidação financeira que pontuam a gestão desta Câmara que continua a ser um município de referência, situação reflectida no confortável segundo lugar ocupado no ranking global dos 100 melhores municípios do país de média dimensão, sendo o melhor posicionado do distrito de Santarém, de acordo com o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses”, disse o autarca socialista.

Ainda segundo Manuel Jorge Valamatos, apesar dos aumentos constantes dos custos dos materiais, matérias-primas, energia e combustíveis e até da escassez de mão-de-obra, a política “contas certas” do município e a sua situação económica e financeira equilibrada permite encarar o ano de 2023 “com base na sustentabilidade orçamental, económico-financeira e fiscal”.

Em 2023, assegurou, “o serviço da divida será reduzido dos 9% para os 0,5%, em termos de despesa total anual, não estando por isso o município tão exposto ao aumento das taxas de juro”.

Por outro lado, “o município não tem pagamentos em atraso aos seus fornecedores”, acrescentou.

“Num ano que se avizinha particularmente difícil, o Plano de Actividades Municipais para 2023 é reforçado em 10% e o Plano Plurianual de Investimentos em 5% face a 2022”, salientou ainda.

No documento, as unidades orgânicas que mais verbas absorvem em termos da dotação estimada são as do Conhecimento (na qual se enquadra a área da Educação), seguida do Desporto e Associativismo, do Ambiente, da Cultura, da Logística, Protecção Civil e Bombeiros.

As Grandes Opções do Plano e o Orçamento Municipal foram aprovados pela maioria PS e eleitos do Chega, União de Freguesias de Alvega e Concavada (MIUFAC) e Rio de Moinhos (MIFRM), tendo contado com o voto contra da bancada do PSD e do eleito da Junta de Freguesia de Tramagal (MIFT). A CDU, BE, ALTERNATIVAcom e eleito da União de Freguesias de Aldeia do Mato e Souto abstiveram-se.

Por outro lado, os Serviços Municipalizados de Abrantes (SMA) contam com um orçamento de 7,4 milhões de euros, mais 18,2% do que em 2022, ano em que constavam 6,2 milhões de euros.

O aumento é justificado pelo “contexto de aumento extraordinário da energia eléctrica em média tensão e da escalada do preço dos combustíveis, com consequente aumento dos preços de bens e serviços que os SMA necessitam de adquirir para desenvolver a sua actividade”.

O orçamento dos SMA ponto foi aprovado por maioria, com os votos contra do ALTERNATIVAcom e abstenção do eleito da Freguesia de Tramagal.

Já a política fiscal do município para o próximo ano vai seguir a mesma linha aplicada em 2022, mantendo-se inalterável, num ponto aprovado por maioria.

Na prática, as empresas que não ultrapassem os 150 mil euros em volume de negócios vão continuar isentas do pagamento do imposto sobre o lucro (Derrama), tendo as restantes uma taxa de 1,5%.

Os munícipes vão pagar uma taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) de 0,40% para prédios urbanos (os limites legais máximo e mínimo são 0,45% e 0,3%, cabendo aos municípios fixar o valor entre este intervalo), com redução em função do número de dependentes no agregado e com uma majoração para os prédios urbanos degradados localizados no centro histórico.

Relativamente à participação variável no Imposto sobre os Rendimentos das Pessoas Singulares (IRS), foi fixada nos 4,5%, enquanto a taxa de Direitos de Passagem será de 0,25% em 2023.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.