A Câmara de Santarém vai abrir um concurso público para concessionar a gestão do mercado municipal quando ficarem concluídas as obras de reabilitação atualmente em curso, disse à Lusa o presidente do município.

Ricardo Gonçalves afirmou que na reunião do executivo municipal de segunda-feira foi aprovada, com os votos contra da oposição socialista, a informação que contém as definições e cronograma do processo que deverá levar ao lançamento de um concurso público para a concessão da exploração do mercado municipal, prevendo-se a conclusão da obra para daqui a um ano.

A proposta aponta para um prazo de concessão da gestão de 20 a 25 anos, deixando de fora o torreão onde ficará instalado o posto de turismo e impondo como condições que, em todo o mercado, apenas podem ser vendidos produtos alimentares (comidas e bebidas) e produtos (artesanato) regionais.

PUBLICIDADE

No documento é referido que o mercado deverá ter, pelo menos, uma banca de peixe, de legumes, de fruta, de flores, de queijos e frutos secos, cabendo ao concorrente definir o número de bancas e o local a que se candidata.

No caso das lojas, será possível criar abertura entre elas até um máximo de quatro, sendo que, pelo menos uma loja, terá de destinar-se à venda de produtos tradicionais da região. Fica ainda estipulado que não será permitida a instalação de supermercados.

Os antigos vendedores do mercado municipal estarão sujeitos às mesmas condições dos restantes concorrentes, sendo que o concessionário lhes deverá dar direito de preferência na atribuição das bancas, é referido no documento.

O modelo de ocupação e gestão do espaço será o critério com maior peso na adjudicação da concessão, seguindo-se a experiência na gestão de espaços similares, o valor da renda e a qualidade da proposta cultural, a qual deverá “alinhar” com a programação cultural da cidade, é acrescentado.

Para a condução do processo, é proposta a criação de uma equipa multidisciplinar, que integrará técnicos do município das áreas da economia, arquitetura, turismo/cultura, jurídica e do património.

Antes do arranque da obra, em Agosto de 2019, os vendedores do mercado ainda tentaram assegurar que fossem acautelados o que consideravam ser os seus direitos, contestando a concessão futura do espaço e a perspectiva de não terem qualquer direito de preferência na futura atribuição de bancas e lojas.

Com o início das obras, alguns dos vendedores passaram provisoriamente para uma área da Casa do Campino, onde tem funcionado o mercado municipal.

A intervenção, superior a dois milhões de euros, num projecto do arquiteto Henriques Durão, sofreu várias vicissitudes, que passaram pela sua interrupção e lançamento de um concurso autónomo dada a descoberta de ausência de fundações no edifício, datado de 1930 e da autoria do arquiteto Cassiano Branco.

Na altura, Ricardo Gonçalves afirmou que a Câmara decidiu concessionar a gestão do espaço porque quer “um mercado dinâmico, que não feche às três da tarde”, reafirmando que “todos poderão concorrer em pé de igualdade”.

A intervenção proposta para o mercado, que inicialmente tinha uma duração prevista de 12 meses, procura aliar o restauro do edifício, classificado como Monumento de Interesse Público em 2012 (com destaque para os 55 painéis de azulejos com imagens do património e monumentos da cidade e representações de trabalhos agrícolas), a “uma leitura actual do contexto urbano em que se insere”.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…