A Câmara de Santarém vai pagar uma indemnização de 130.188 euros à Lactogal, reavendo dois terrenos que adquiriu por perto de 1,2 milhões de euros e que havia vendido à empresa por 922 euros há quase duas décadas.

A deliberação foi tomada pelo executivo municipal escalabitano na reunião realizada segunda-feira, com os votos favoráveis da maioria social-democrata e a abstenção da oposição socialista.

O município revogou dois protocolos que havia celebrado há duas décadas com a Lactogal, para instalação de uma fábrica de queijos que não chegou a ser construída, pagando à empresa o valor que lhe cobrou na altura por 9 hectares de terreno (354,35 euros por um lote e mais 568,28 euros por outro, num total de 922,63), para reaver os terrenos que tinha adquirido por 1.169.811 euros.

A Câmara de Santarém aceitou pagar à empresa uma indemnização 130.188 euros, tendo o presidente do município, Ricardo Gonçalves (PSD), dito à Lusa que a Lactogal começou por pedir perto de 500.000 euros por despesas tidas nas fases preparatórias do projeto.

PUBLICIDADE

Segundo o autarca, no âmbito das negociações mantidas com a empresa desde 2018, acabaram por ficar de fora despesas apresentadas das quais não existiam evidências de que teriam sido para o projeto de Santarém e que poderiam ter sido aproveitadas para a unidade que se concretizou depois no norte do país.

Ricardo Gonçalves afirmou que a empresa invocou o facto de nunca ter sido disponibilizado um terreno adicional de quatro hectares para desistir da construção em Santarém.

O acordo estabelecia que, caso o município não conseguisse disponibilizar os quatro hectares em falta até ao final de dezembro de 2002, teria de encontrar uma alternativa que tivesse a concordância da empresa, o que nunca chegou a acontecer, disse.

A instalação da unidade foi negociada no final do mandato do socialista José Miguel Noras, tendo sido assinado um protocolo em Outubro de 2000, a que se seguiu um aditamento em Setembro de 2001.

Já sob a liderança do também socialista Rui Barreiro, que presidiu à Câmara de Santarém entre 2001 e 2005, foi assinado um novo protocolo, em Julho de 2002, que reformulou as obrigações previstas, numa tentativa de “salvaguardar algumas situações”, disse o próprio à Lusa.

Rui Barreiro, que lidera a bancada socialista no executivo municipal, afirmou que a abstenção do partido na votação realizada na segunda-feira se baseia no facto de “muitas coisas estarem longe de estarem esclarecidas” neste processo, mas não poder votar contra uma decisão que acaba por permitir um encaixe financeiro e a reversão dos terrenos para o município.

Para o vereador socialista, nada impedia a Lactogal de ter construído a unidade em Santarém, uma vez que os quatro hectares de terreno que estavam a ser negociados com os proprietários da Quinta da Mafarra não foram considerados essenciais para a sua construção, ao contrário do que é agora alegado.

Segundo Rui Barreiro, o contracto da compra do segundo terreno foi assinado em Novembro de 2003, quase um ano depois do prazo estabelecido para a entrega do lote em falta, sem que a empresa tivesse demonstrado qualquer intenção de renunciar ao contrato.

Rui Barreiro disse ainda estranhar que, desde o anúncio da desistência do projeto em Santarém, em 2005, já no mandato de Francisco Moita Flores (PSD), nada tenha sido feito para conseguir a reversão dos terrenos, uma vez que o fim a que se destinavam não foi cumprido.

Ricardo Gonçalves disse à Lusa que, em 2009, ainda no mandato de Moita Flores, houve uma tentativa de colocar outra empresa do concelho, a JJLouro, a negociar directamente com a Lactogal, mas não houve acordo.

Em 2018, o município retomou os contactos, que passaram por um “longo processo de verificação das despesas comprovadamente realizadas pela empresa” com o projeto de Santarém, para ser definido o valor da indemnização a pagar.

“Hoje já não se faria um negócio destes, de vender por 900 euros o que se comprou por mais de um milhão”, disse o autarca, salientando ainda as cláusulas do contrato “lesivas para o município”, já que, no seu entender, tornaram quase impossível a possibilidade de reversão.

Rui Barreiro afirmou que foi no seu mandato que foi feita a alteração ao Plano Diretor Municipal para a inscrição dos nove hectares de terreno que agora revertem para o município como sendo para indústria, permitindo que sejam agora “um activo significativo”.

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…