A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) pediu “bom senso” às autoridades na fiscalização do despacho governamental que proíbe trabalhos agrícolas no âmbito da situação de alerta declarada para hoje e terça-feira por risco de incêndios.

Em comunicado, a CAP apela “às autoridades que tenham o bom senso que faltou a quem determinou esta proibição generalizada”, considerando que a decisão do Governo “deveria ser mais clara e atender aos diferentes tipos de actividades e de sectores agrícolas”.

“As culturas precisam de ser cuidadas e os produtos agrícolas precisam de ser colhidos. Este despacho confunde tudo e, porque confunde tudo, proíbe tudo e trata tudo por igual”, sublinha a confederação presidida por Eduardo Oliveira e Sousa.

PUBLICIDADE

O despacho do Governo, publicado em Diário da República, declara a situação de alerta “entre as 00:00 de 27 de Julho de 2020 e as 23:59 de 28 de Julho de 2020 para todos os distritos de Portugal continental” face às previsões meteorológicas que apontam para agravamento do risco de incêndio rural.

Segundo cita a CAP, o despacho determina a “proibição de realização de trabalhos nos espaços florestais e outros espaços rurais com recurso a qualquer tipo de maquinaria”.

A confederação diz que falou com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque antes da publicação do despacho, “tendo em vista partilhar conhecimento e argumentos técnicos, mas a governante “não tomou em consideração o conteúdo do que lhe foi transmitido”.

“Como tal, foi criada uma situação com consequências nefastas para a agricultura, para a economia e para o emprego, sem que exista qualquer acréscimo ou benefício para a segurança ou para a prevenção de riscos”, sublinha a CAP.

A confederação diz ter tomado conhecimento, pela comunicação social, de que as autoridades estão a considerar veículos como tratando-se de maquinaria e a impedir, por exemplo, a apanha de melão na zona de Elvas, do tomate no Ribatejo, ou de uvas na Vidigueira e no Redondo.

“Que sentido faz proibir o tratamento e a colheita destes bens perecíveis, cujo risco de incêndio associado é praticamente inexistente?”, questiona a confederação.

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…

Câmara de Santarém pede 270 mil euros ao BEI para requalificação de avenida

A Câmara de Santarém aprovou hoje a contracção de um empréstimo de…

Aberto concurso para ingresso de 10 bombeiros para os Sapadores de Santarém

A Câmara de Santarém abriu um Concurso Externo de Ingresso para 10…