Capoulas Santos inaugurou X FICOR em Coruche

O Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, inaugurou na tarde desta quinta-feira a décima edição da Feira Internacional da Cortiça – FICOR, em Coruche.

Durante o seu discurso inaugural, Capoulas Santos felicitou o município de Coruche por mais uma edição desta que considera “a celebração de uma fileira de maior relevância para o nosso país”. Alertou também para as alterações climatéricas e as suas consequências, que “temos de mitigar e nos adaptar, por forma a que, quer o ecossistema, quer a valorização que dele decorre, possam ser salvaguardadas” e com essa salvaguarda garantir emprego, criação de riqueza e maior importância da economia da região e do país, apontou.

Afirmou ainda a disponibilidade do Ministério da Agricultura para colaborar com “uma fileira que vai da produção à indústria, à comercialização de produtos de valor acrescentado, que orgulham Portugal e o colocam na liderança Mundial”.

Em declarações ao Correio do Ribatejo, o Ministro afirmou que é com muita satisfação e até mesmo “orgulho”, que verifica que um sector “tão relevante do ponto de vista económico, social e ambiental” tem na FICOR um “momento de grande celebração, um momento que une todos os intervenientes desta fileira”, destacando também o carácter meritório desta iniciativa.

Luís Capoulas Santos felicitou o município de Coruche pela “liderança nesta matéria e pela envolvência dos diversos parceiros para promover, divulgar e valorizar um produto fantástico”, no qual afirma sermos um país líder à escala global.

Francisco Oliveira, Presidente da Câmara Municipal de Coruche, agradeceu a todos os intervenientes nesta feira, saudou os presentes e falou das novidades desta edição da FICOR, que se apresenta com um novo layout do espaço, uma nova imagem, que para o presidente, “qualifica esta edição”.

Deixou também a mensagem de esperança no cumprimento do objectivos do certame: “Espero que com as várias abordagens científicas, económicas, ambientais e lúdicas, a FICOR vá ao encontro daqueles que têm actividade económica relacionada com este sector”, afirmou, acrescentando que “Coruche continuará neste rumo para que tenhamos mais e melhor montado, mais e melhor cortiça, mais e melhor emprego, melhor economia e mais desenvolvimento nesta região”.

A floresta ocupa mais de 50 por cento da área geográfica do concelho de Coruche, pelo que, para Francisco Oliveira, “a dinamização e o investimento no montado de sobro e cortiça se reveste ainda de maior importância”, não só pelo valor económico associado à produção e comercialização deste produto, mas pelas várias dinâmicas associadas, que “permitem acrescentar valor local, através dos produtos autóctones”, frisou. Destacou ainda os desafios que o montado de sobro hoje enfrenta, como as alterações climáticas, a exigência da indústria transformadora, a qualidade, a regeneração, apelando à criação e implementação de medidas, em conjunto com as várias entidades, que diminuam o efeito desses desafios.

Ao Correio do Ribatejo, Francisco Oliveira destacou o facto de este ano a FICOR surgir associada a uma estratégia PROVER, que envolve 10 municípios e 1o comunidades inter-municipais, todos eles relacionados com a produção da floresta do montado de sobro, sendo uma prova de que “hoje em dia os municípios já não trabalham sozinhos, tendo outros parceiros como o Estado, as associações de produtores e as universidades”, explicou.

Francisco Oliveira falou ainda do lançamento da marca “Montado de Sobro e Cortiça”, que será lançada esta sexta-feira na FICOR e que consiste num selo de qualidade e garantia, de reconhecimento de origem e de ligação a este sector. O mesmo, como explicou, “será usado por produtos e serviços locais e actividades comerciais que tenham origem no montado ou neste território”, pretendendo valorizar o referido território onde o montado é dominante em termos de densidade arbórea, “com o sentido de promover turisticamente estas áreas”, concluiu.

O Presidente da autarquia, em conjunto com o Ministro, entregaram ainda o diploma “Melhor Cortiça do Ano 2017” exposta na Plataforma de Transacção de Cortiça da APFC – Associação dos Produtores Florestais do Concelho de Coruche, a Paulo Sendin, da Herdade dos Cruzetinhos, seguindo-se uma visita aos vários expositores do certame.

(notícia desenvolvida na edição impressa de 01 de Junho)

 

info, , , , , , ,

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS