O Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, inaugurou na tarde desta quinta-feira a décima edição da Feira Internacional da Cortiça – FICOR, em Coruche.

Durante o seu discurso inaugural, Capoulas Santos felicitou o município de Coruche por mais uma edição desta que considera “a celebração de uma fileira de maior relevância para o nosso país”. Alertou também para as alterações climatéricas e as suas consequências, que “temos de mitigar e nos adaptar, por forma a que, quer o ecossistema, quer a valorização que dele decorre, possam ser salvaguardadas” e com essa salvaguarda garantir emprego, criação de riqueza e maior importância da economia da região e do país, apontou.

PUBLICIDADE

Afirmou ainda a disponibilidade do Ministério da Agricultura para colaborar com “uma fileira que vai da produção à indústria, à comercialização de produtos de valor acrescentado, que orgulham Portugal e o colocam na liderança Mundial”.

Em declarações ao Correio do Ribatejo, o Ministro afirmou que é com muita satisfação e até mesmo “orgulho”, que verifica que um sector “tão relevante do ponto de vista económico, social e ambiental” tem na FICOR um “momento de grande celebração, um momento que une todos os intervenientes desta fileira”, destacando também o carácter meritório desta iniciativa.

Luís Capoulas Santos felicitou o município de Coruche pela “liderança nesta matéria e pela envolvência dos diversos parceiros para promover, divulgar e valorizar um produto fantástico”, no qual afirma sermos um país líder à escala global.

Francisco Oliveira, Presidente da Câmara Municipal de Coruche, agradeceu a todos os intervenientes nesta feira, saudou os presentes e falou das novidades desta edição da FICOR, que se apresenta com um novo layout do espaço, uma nova imagem, que para o presidente, “qualifica esta edição”.

Deixou também a mensagem de esperança no cumprimento do objectivos do certame: “Espero que com as várias abordagens científicas, económicas, ambientais e lúdicas, a FICOR vá ao encontro daqueles que têm actividade económica relacionada com este sector”, afirmou, acrescentando que “Coruche continuará neste rumo para que tenhamos mais e melhor montado, mais e melhor cortiça, mais e melhor emprego, melhor economia e mais desenvolvimento nesta região”.

A floresta ocupa mais de 50 por cento da área geográfica do concelho de Coruche, pelo que, para Francisco Oliveira, “a dinamização e o investimento no montado de sobro e cortiça se reveste ainda de maior importância”, não só pelo valor económico associado à produção e comercialização deste produto, mas pelas várias dinâmicas associadas, que “permitem acrescentar valor local, através dos produtos autóctones”, frisou. Destacou ainda os desafios que o montado de sobro hoje enfrenta, como as alterações climáticas, a exigência da indústria transformadora, a qualidade, a regeneração, apelando à criação e implementação de medidas, em conjunto com as várias entidades, que diminuam o efeito desses desafios.

Ao Correio do Ribatejo, Francisco Oliveira destacou o facto de este ano a FICOR surgir associada a uma estratégia PROVER, que envolve 10 municípios e 1o comunidades inter-municipais, todos eles relacionados com a produção da floresta do montado de sobro, sendo uma prova de que “hoje em dia os municípios já não trabalham sozinhos, tendo outros parceiros como o Estado, as associações de produtores e as universidades”, explicou.

Francisco Oliveira falou ainda do lançamento da marca “Montado de Sobro e Cortiça”, que será lançada esta sexta-feira na FICOR e que consiste num selo de qualidade e garantia, de reconhecimento de origem e de ligação a este sector. O mesmo, como explicou, “será usado por produtos e serviços locais e actividades comerciais que tenham origem no montado ou neste território”, pretendendo valorizar o referido território onde o montado é dominante em termos de densidade arbórea, “com o sentido de promover turisticamente estas áreas”, concluiu.

O Presidente da autarquia, em conjunto com o Ministro, entregaram ainda o diploma “Melhor Cortiça do Ano 2017” exposta na Plataforma de Transacção de Cortiça da APFC – Associação dos Produtores Florestais do Concelho de Coruche, a Paulo Sendin, da Herdade dos Cruzetinhos, seguindo-se uma visita aos vários expositores do certame.

(notícia desenvolvida na edição impressa de 01 de Junho)

 

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…

“Os pequenos produtores não podem ser abandonados”

João Mendes – Fio Dourado DIVULGAÇÃO APRODER O lagar de azeite da…

Câmara de Santarém pede 270 mil euros ao BEI para requalificação de avenida

A Câmara de Santarém aprovou hoje a contracção de um empréstimo de…