O Tribunal de Coimbra começa a julgar na quinta-feira um homem de 78 anos suspeito de 330 crimes de abuso contra uma sobrinha sua, menor de idade, juntamente com a esposa, acusada de nunca ter denunciado a situação.

Os dois arguidos, um homem de 78 anos e uma mulher de 67 anos, residentes no distrito de Santarém, são acusados em co-autoria de 330 crimes, 180 de abuso sexual de criança agravado e 150 de abuso sexual de menores dependentes agravado, entre 2014 e Dezembro de 2019, quando a vítima, sobrinha dos acusados, tinha entre 11 e 16 anos, refere a acusação a que a agência Lusa teve acesso.

A mulher do arguido que terá abusado da sobrinha durante cinco anos é acusada dos mesmos crimes: o Ministério Público afirma que esta teve conhecimento de toda a situação e optou por ‘fechar os olhos’, nunca denunciando ou tentado impedir o marido de continuar a cometer os crimes.

Os abusos terão começado em 2014, quando a vítima tinha 11 anos e os arguidos, sabendo das dificuldades dos pais, que moravam no distrito de Coimbra, propuseram-se a ajudar o casal a criar uma das filhas, lê-se na acusação.

Nesse ano, a menina passou um período de férias durante o Verão na casa dos tios, entre Julho e Agosto, meses em que o arguido terá beijado e apalpado a sobrinha.

Num dos dias, o arguido foi apanhado a abusar da criança no sofá pela esposa, que, “ao se aperceber do que estava a passar, saiu de imediato de casa”, conta o Ministério Público (MP).

Segundo a acusação, a mulher terá tido uma conversa a sós com o seu marido e no final os dois falaram com a sobrinha, dando garantias de que o que tinha acontecido não voltaria a repetir-se e pedindo-lhe para não contar nada a ninguém.

No entanto, os abusos, salienta o MP, continuaram, de forma diária, tanto durante essas férias como noutros momentos em que a vítima estava com os tios, normalmente nas férias escolares (Verão, Páscoa e passagem de ano).

Os abusos tanto ocorriam em casa dos tios, como no café que exploravam, em sítios isolados ou nos hotéis onde iam passar férias com a menor.

A determinada altura, a criança cortou o cabelo e engordou, “numa tentativa frustrada de se tornar menos atraente aos olhos do tio”, mas acabou por se convencer que “o seu destino seria fazer vida com o tio”, quando a sua mulher morresse, contou a acusação.

Em vários momentos, a mulher alegadamente surpreendia o marido a abusar da criança, mas nunca fazia nada, optando apenas por sair de casa, sublinha o Ministério Público. Para além disso, a arguida ouvia também frequentemente os relatos dos abusos por parte da sobrinha.

Quando isso acontecia, a mulher tanto “tinha ciúmes da menor”, a quem atribuía parte “da responsabilidade dos abusos”, como lhe pedia que não contasse a ninguém, porque se “abrisse a boca ela é que iria ficar em maus lençóis”.

Na casa do casal, a jovem era alegadamente obrigada a tomar banho com a porta da casa de banho aberta, para que o tio a pudesse observar.

Os abusos também aconteciam quando o casal se deslocava à casa dos pais da vítima, aproveitando o arguido momentos em que não se encontrava ninguém por perto.

Os abusos terminaram no final de 2019, quando a jovem começou a namorar, tendo tido a coragem de contar ao seu namorado o que acontecia, que por sua vez deu conhecimento dos abusos à mãe da vítima.

Os dois arguidos estão proibidos de contactar com a vítima, de se deslocarem à Figueira da Foz sem autorização e de fazerem apresentações três vezes por semana às autoridades policiais.

O julgamento começa na quinta-feira, à porta fechada, no Tribunal de Coimbra.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.