Dário Marcelino é motard e presidente do Moto Clube de Rio Maior que completará 25 anos de existência no próximo dia 24 de Setembro.

A paixão pelas motos já vem de tenra idade, “muito antes dos 16 anos” e passados todos estes anos, já somou mais de meio milhão de kms em cima de uma moto.

“O motociclo transmite uma sensação de liberdade única, e uma mobilidade excelente”, afirma.

O Moto Clube de Rio Maior (MCRM) assinalará a 24 de Setembro 25 anos de existência. Como define esse quarto de século?

Muitos altos e baixos, as associações padeceram dos problemas da sociedade, emigração, crises e pandemia, fizeram que muitos se afastassem, no entanto conseguimos cativar 333 sócios, sendo 70% activos.

Nesta edição assina um artigo de opinião que reflecte sobre a sinistralidade com veículos de duas rodas. O comportamento na estrada é uma preocupação para si?

Sim bastante, a perda de um familiar ou amigo num acidente rodoviário é muito doloroso.

“Está nas nossas mãos passar uma vida a andar de moto ou perder uma vida de moto”, afirma no mesmo artigo. A atitude faz toda a diferença?

Sem dúvida, o motociclista como refiro é um elo fraco, como tal uma condução defensiva faz toda a diferença na prevenção de um acidente.

Considera que estamos a voltar aos números de sinistralidade dos anos 90. A que se deve esse aumento?

O motociclo voltou a ser moda, nos últimos anos venderam-se muitas motos, os encartados de ligeiros também poderem conduzir motociclos até 125cc, foi um apelo à mobilidade. Mais motociclos em percentagem mais acidentes.

Tem sido crítico sobre o que chama “os novos motociclistas” no que concerne à “parca formação, fiscalização e infraestruturas”. O que fazer para ultrapassar esse problema?

O meu pai sempre me disse, “se a estrada é má, anda devagar”, as vias continuam más, a formação devia começar na escola pública, as escolas de condução deveriam habilitar com mais perícia, e não o método retrógrado actual. A fiscalização é pouca, a prevenção deveria passar com imagens de choque, talvez as mentalidades mudassem.

Em 25 anos, o MCRM regista alguns acidentes nas chamadas “concentrações e desfiles” mas são quase inexistentes nos passeios que promovem. Porquê?

Temos um regulamento anual de moto turismo, quem participa nos nossos passeios, aceita este regulamento. Com regras é mais fácil, por exemplo quando viajamos em grupo, não são permitidas ultrapassagens.

Ser motar é uma paixão? Há quanto tempo e como surgiu essa paixão pelas motos?

Muito antes dos 16 anos, acho que nasceu comigo, todos me diziam que quando fores mais velho compras um carro e deixas as motos. Passados estes anos já somei mais de meio milhão de kms em motociclos.

O motociclo transmite uma sensação de liberdade única, e uma mobilidade excelente.

Qual é a concentração preferida e o passeio de sonho que já deu?

Com o aumento da família e vida profissional, de quase todas, até ao ano 2000, passei a quase nenhumas concentrações após. Hoje organizo os passeios mensais moto turísticos, o passeio de sonho foi este ano em Julho, rumo aos Alpes, quase 6000 kms em 10 dias, foi realmente fantástico.

O que é preciso para se ser motard no MCRM?

Preencher uma ficha de sócio, pagar uma anuidade, depois é esperar, quem se adapta e gosta fica, quem não, acaba por se afastar normalmente.

Para quem está a dar os primeiros passos neste hobby o que aconselha?

Cativamos muita juventude, a estrada não é uma pista, desfrutem do melhor que as motos têm para dar, a mobilidade e uns bons passeios, de moto fazemos parte da paisagem. Boas Curvas.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.