A Direção-Geral da Saúde recomendou a administração da dose de reforço contra a covid-19 a pessoas com 50 ou mais anos, face à previsível diminuição da eficácia das vacinas ao longo do tempo.

“A Direção-Geral da Saúde (DGS) actualizou a norma 002/2021, relativa à campanha de vacinação contra a covid-19, recomendando a administração da dose de reforço a pessoas com 50 ou mais anos”, anunciou a autoridade de Saúde em comunicado.

Segundo a DGS, na quarta-feira ficará disponível o autoagendamento para a toma da vacina a pessoas com 60 anos, sendo posteriormente alargado até à faixa etária dos 50 ou mais anos.

Neste momento, o autoagendamento está aberto para pessoas com mais de 65 anos, assim como para as crianças dos 10 aos 11 anos que serão vacinadas no próximo fim de semana e para maiores de 50 que tenham levado a vacina da Janssen de dose única.

“Os dados nacionais e internacionais sugerem uma diminuição da efectividade das vacinas covid-19 contra a infecção, sobretudo seis meses após ter sido completado o esquema vacinal primário, embora, de acordo com os dados actuais, a efectividade contra a doença grave se mantenha”, adiantou ainda o comunicado.

A DGS e a Comissão Técnica de Vacinação contra a covid-19 (CTVC) continuam a acompanhar a situação epidemiológica e a informação científica disponível, podendo actualizar as recomendações em função de novos dados.

A DGS actualizou também a norma relativa à vacinação contra a gripe, prevendo que a vacinação gratuita seja alargada, no actual contexto de pandemia, às pessoas com idade entre os 60 e os 64 anos.

Até ao momento foram vacinadas 2,2 milhões de pessoas contra a gripe, das quais 1,7 milhões acima dos 65 anos.

A covid-19 provocou pelo menos 5.311.914 mortes em todo o mundo, entre mais de 269 milhões infecções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde Março de 2020, morreram 18.687 pessoas e foram contabilizados 1.200.193 casos de infecção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detectado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e actualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como “preocupante” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em mais de 60 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Leia também...

Só Coruche e Sardoal escapam ao recolher obrigatório às 13h00 no fim-de-semana

Os concelhos de Coruche e Sardoal são os únicos, no Distrito de…

Hospital de Santarém no limite da capacidade de internamento de doentes covid

O Hospital Distrital de Santarém atingiu o limite da sua capacidade prevista…

Hospital de Santarém esgotou capacidade de internamento em enfermaria

O Hospital de Santarém esgotou a capacidade de internamento em enfermaria para…

Tratamento do cancro da mama no HDS novamente reconhecido a nível internacional

A Unidade de Senologia do Hospital Distrital de Santarém (HDS) viu renovada…