A empresa Olitrem – Indústria de Refrigeração SA, especializada em soluções de refrigeração com sede em Tremês, concelho de Santarém, garante estar preparada para a conservação, em condições perfeitas, das vacinas contra a covid-19.

Especializada em soluções de refrigeração para a área da Saúde, merchandising e canal Horeca, a Olitrem, com meio século de história, desenvolve, fabrica e comercializa há mais de meio século os seus equipamentos de conservação no frio, da marca Marecos, com capacidade a partir dos 36 litros e até aos 800 litros. Desta forma, através da linha Marecos MedPharma, assegura com qualidade e rigor toda a cadeia logística de armazenagem das vacinas em vários pontos, seja em armazéns de distribuição, às farmácias, Hospitais, Centros de Saúde ou Clínicas.
A empresa adverte que as vacinas devem ser conservadas em sistemas de refrigeração específicos para a área da Saúde por uma questão de segurança.

“Tratando-se de medicamentos sensíveis, como as vacinas, é fulcral que a temperatura não sofra qualquer oscilação sob pena de danificar o produto, inviabilizar a sua utilização e colocar até a saúde em risco», explica a empresa em comunicado, adiantando que, “sem a correcta distribuição de ar e com menos sondas para medir a temperatura de forma precisa, o refrigerador não-médico tem dificuldade em conseguir uma estabilidade e uniformidade de temperatura. As vacinas da Moderna e Oxford podem ser conservadas durante 30 dias a +2/+8ºC e até 6 meses a -20ºC”.

PUBLICIDADE

Os frigoríficos domésticos conseguem atingir as temperaturas de -20º e até de 2º a 8º, necessárias para conservar a maioria das vacinas produzidas até agora pelos vários laboratórios.

“No entanto, não devem ser escolhidos como opção porque não cumprem esse fulcral requisito: a uniformidade, ou seja, a garantia de que essa temperatura é mantida sem oscilações”, detalha a Olitrem.
Em contrapartida, um equipamento desenvolvido para fins médicos, garante toda a segurança dos produtos de grande valor que nele são guardados.

“É a melhor forma de proteger os pacientes e os medicamentos”, vinca a empresa.

“Os equipamentos desenvolvidos pela Olitrem são a melhor resposta: dispõem de sistemas que garantem a estabilidade, como dois termostatos – um principal e outro de segurança – e alarmes de temperatura. Só dessa forma se assegura que a temperatura não sofre alterações e que o que está no seu interior não se estraga”, refere.

Fiabilidade na conservação de colheitas
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as colheitas dos testes à Covid-19 devem ser conservadas até cinco dias, a uma temperatura controlada de +2ºC a +8ºC. A Olitrem tem, também nesta questão, uma solução.

“As linhas de equipamentos Easy e Advance garantem a uniformidade de temperatura ideal para guardar as amostras”, observa a empresa. Após a colheita, é feita a análise laboratorial à amostra. Para esta análise, tem de ser adicionado o respectivo reagente. “Os reagentes são, muitas vezes, produtos inflamáveis, e, como tal, não podem ser conservados num frigorífico normal. A Olitrem desenvolveu a solução: a sua linha de laboratório”, frisa.

Cinco décadas de história
A Olitrem é uma empresa familiar que surge numa lógica de continuidade da Marecos Lda, fundada por Armando Marecos Ferreira. A sua origem remonta ao ano de 1964, na cidade de Luanda. No início da década de 1970 mudou para Portugal, para o local onde actualmente está instalada, em Santarém. Mais tarde, veio a assumir o nome de Olitrem – Indústria de Refrigeração SA. A empresa conta já com elementos da terceira geração da família na gestão. A designação Marecos foi adoptada como marca oficial de uma gama alargada de equipamentos de refrigeração.

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…

“Os pequenos produtores não podem ser abandonados”

João Mendes – Fio Dourado DIVULGAÇÃO APRODER O lagar de azeite da…

Câmara de Santarém pede 270 mil euros ao BEI para requalificação de avenida

A Câmara de Santarém aprovou hoje a contracção de um empréstimo de…