Um grupo de empresas, que operam na freguesia de Alcanede, concelho de Santarém, decidiu unir-se para oferecer um ventilador ao Hospital Distrital de Santarém (HDS).

A ideia partiu da empresa Mocapor-Pedramoca, que desafiou as suas congéneres, Fravizel Lda, Grupo Frazão Lda e Grupo José Rodrigues Lda. A ideia desta união entre empresas veio a propósito de ajudar quem mais precisa e quem está mais vulnerável, contribuindo com um ventilador para serviço do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Um equipamento que está em número limitado nas unidades hospitalares, que irá ajudar a salvar vidas e a mitigar os efeitos desta pandemia.

“Apesar da altura de incerteza que a generalidade das empresas enfrentam, com quebras na procura e consequente redução de vendas, barreiras logísticas, nomeadamente para exportação (atente-se por exemplo que os estivadores dos portos de Lisboa continuam em greve numa altura em que o país mais precisa de ajuda) e de abastecimento, não podíamos deixar de responder positivamente a este desafio que foi lançado, exortando a que outras empresas sigam o nosso exemplo, sozinhas ou em conjunto”, referiu José Luís, presidente do concelho de administração da Mocapor-Pedramoca.

PUBLICIDADE

Perante a escassez destes equipamentos no mercado, este grupo de empresas optou, e após conversações com a administração do Hospital Distrital de Santarém, por efectuar o pagamento de um ventilador da marca Dräeger, anteriormente já encomendado pelo HDS. O ventilador será entregue brevemente e vai entrar em serviço o mais rápido possível.

O equipamento, escolhido pela administração hospitalar, está devidamente certificado e homologado para poder entrar logo em funcionamento. O ventilador teve um custo de 21 mil euros, sendo o seu valor repartido pelas empresas Mocapor-Pedramoca, Fravizel Lda, Grupo Frazão Lda e Grupo José Rodrigues Lda.

Em comunicado, as empresas referem que “têm o dever de contribuir para a adaptação e desenvolvimento da sociedade perante um cenário desta dimensão, implementando acções de formação e sensibilização, flexibilizando rotinas de trabalho, implementar planos de contingência, segregando equipas, disponibilizar serviços relevantes e, se possível, aumentar a contribuição através das verbas orçamentadas na sua rúbrica de responsabilidade social”.

A Mocapor-Pedramoca, fundada em 1983, dedica-se à extracção, transformação e comercialização de rocha ornamental, exportando 80% da sua produção para mais de 30 geografias.

A Fravizel, é uma empresa de engenharia metalomecânica com 35 anos de história. Comercializa para o mercado nacional e internacional, produtos e serviços destinados ao sector da rocha natural, construção civil, florestal, minas e indústria em geral.

O Grupo Frazão S.A., dedica-se à exploração e comercialização de rochas de origem calcária. Em conjunto com as outras três empresas, forma uma estrutura estável, que compreende todo o circuito da transformação da pedra.

GRUPO JOSÉ RODRIGUES – INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO, LIMITADA – é a sucursal em Portugal de um grupo com interesses essencialmente em Portugal e Angola.

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…