Festival de teatro Acaso leva espectáculos a três concelhos de Santarém

A edição mais internacional de sempre do festival de teatro Acaso leva a sete concelhos dos distritos de Leiria e Santarém espectáculos de companhias portuguesas e também da Dinamarca, Japão, Argentina, Brasil e França.

A 24.ª edição do festival organizado pela companhia “O Nariz” – Teatro de Grupo apresenta, entre sábado e o dia 2 de Novembro, um total de 26 propostas, sobretudo de teatro, mas também concertos, performances, conversas e sessões de conto.

Leiria, Marinha Grande, Batalha e Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, e Santarém, Rio Maior e Ourém, acolhem os espectáculos do festival.

“É a edição mais internacional de sempre, mas aconteceu por acaso”, explica à agência Lusa o presidente de “O Nariz”.

Segundo Pedro Oliveira, a presença em Leiria da Awa Joruri Puppet Theater, do Japão, do Ht. Teatre, da Dinamarca, do Espuma Bruma, da Argentina, ou de Don Davel, de França, acontece fruto de coincidências.

“São várias estrelitas que se alinharam e fez-se uma constelaçãozinha”, explica o também actor, encenador e programador do festival que se constrói fruto de parcerias e intercâmbios.

“Não é uma edição mais especial do que as outras por causa dessas participações estrangeiras. Claro que enriquecem o festival, claro que sim, mas acontecem por acaso”, sublinha o organizador, que lamenta o escasso apoio público ao Acaso.

“Este é um festival que está em aberto e que se faz com orçamentos de há 20 anos. Vamos fazer 25 anos no próximo. Vamos ver o que as entidades, principalmente as públicas, querem fazer: se querem que continue ou se querem que isto acabe. De um ano para o outro, não se sabe”, desabafa Pedro Oliveira.

O festival Acaso 2019 arranca no sábado, com “O conto da ilha desconhecida”, d’A Barraca, no Teatro Stephens, na Marinha Grande. No mesmo dia, LoboMau apresenta “3 gods”, no Teatro Miguel Franco, em Leiria.

Um dos destaques da programação é “Malala – A miúda que ganhou”, também d’A Barraca, com criação, narração e interpretação de Maria do Céu Guerra. É no dia 12 de outubro, no Auditório Municipal da Batalha.

Até 02 de Novembro, o festival leva a palco espectáculos da Companhia Marimbondo, Marionetas de Mandrágora, José Pedro Gomes e Ana Bola, Teatro da Terra e Palmilha Dentada, contos de Jorge Serafim e performances da Fulo HD, entre outros.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS