A instalação da Força Especial da Protecção Civil (FEPC) em Almeirim, vai “reforçar o sentido operacional e posicionamento estratégico a partir do qual será dada resposta a nível nacional”, disse hoje o ministro da Administração Interna.

“Consolidamos aquilo que é uma resposta nacional e profissional na área da Protecção Civil, e temo-lo vindo a fazer com um investimento significativo e com um resultado essencial que são três anos consecutivos com menos 50% de ocorrências (de incêndios florestais) e menos de 50% de área ardida em relação à média da última década”, disse Eduardo Cabrita em Almeirim, no distrito de Santarém, na formalização de uma parceria com a autarquia local para a construção de instalações para a FEPC, que vão representar um investimento de mais de 2,4 milhões de euros e têm conclusão prevista para meados de 2022.

Eduardo Cabrita, que presidiu à cerimónia, disse que a colocação da Força Especial da Protecção Civil é feita “com todo o sentido operacional e posicionamento estratégico”, uma vez que “permite dar resposta nacional a partir de Almeirim”.

PUBLICIDADE

“A Força Especial da Protecção Civil, criada em 2007, está hoje numa fase de consolidação, com integração na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), com o fim da precariedade, com a integração dos seus elementos em carreira própria de bombeiros profissionais, e, por outro lado, com o alargamento da resposta operacional da FEPC”, afirmou o ministro.

Eduardo Cabrita disse ainda que a colocação nos quadros de 250 bombeiros antecede a abertura de um novo concurso de recrutamento para 300 operacionais, tendo referido ainda que hoje estão cerca de 16 mil bombeiros vacinados contra a covid-19.

As novas instalações incluem uma área de comando e gestão de emergências, salas de formação, assim como outras áreas de comando e apoio, de planeamento, administrativas e de logística.

Segundo informação do Ministério da Administração Interna, as novas instalações vão permitir ainda reforçar a rede de infraestruturas de apoio ao Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, permitindo o pré-posicionamento estratégico de meios técnicos e recursos diferenciados de combate.

O investimento superior a 2,4 milhões de euros vai ser financiado em 75% por fundos comunitários e em 25% pela Câmara Municipal de Almeirim, autarquia com a qual a ANEPC estabeleceu hoje o protocolo.

A Força Especial de Protecção Civil tem afectos 240 elementos e intervém nas áreas do combate a incêndios rurais ou em situações como salvamentos aquáticos e resgates em montanha, análise e uso do fogo, apoio logístico, reconhecimento e avaliação de situação.

Em 2020, participou em 630 missões de combate e apoio em incêndios rurais, 500 missões associadas ao Plano de Operações Nacional da Serra da Estrela e 13 acções de apoio logístico de resposta à pandemia de covid-19.

A Força Especial de Protecção Civil sucedeu à Força Especial de Bombeiros, conhecida por “canarinhos”, e estava inserida no dispositivo operacional da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…