Paulo Rosário, Teresa Rosário e Joaquim do Rosário Luís, fundador da Ribatubos.
Paulo Rosário, Teresa Rosário e Joaquim do Rosário Luís, fundador da Ribatubos.

Fundada por Joaquim do Rosário Luís, há 25 anos, em Santarém, a Ribatubos é hoje uma referência no comércio de material para canalização, esgotos, sistemas de rega ou material para jardins.

Ao longo dos anos, a empresa tem vindo a consolidar-se, fruto do seu trabalho e da relação com os clientes. Com loja localizada no planalto de Santarém a empresa viu-se obrigada a abrir também um armazém com loja na Zona Industrial da cidade.

Com uma vasta gama de produtos de qualidade a preços competitivos, uma equipa atenta e simpática, a Ribatubos aposta num atendimento de qualidade, garantindo a satisfação dos seus clientes.

Como começou esta aventura de criar a Ribatubos?

Eu e o meu pai já trabalhávamos juntos noutra empresa, depois de a mesma ter fechado e ficarmos desempregados, o meu pai, na altura com 56 anos e com experiência no ramo, decidiu que em vez de se reformar poderia iniciar este projecto comigo e com o meu irmão.

Que desafios encontraram ao longo destes 25 anos de existência da Ribatubos?

Gerir uma empresa é um desafio constante, no entanto diariamente trabalhamos de modo a que os possamos resolver da melhor forma. Um dos maiores desafios em que envergamos, foi a certificação da empresa no âmbito da norma da Qualidade ISO 9001. Trabalhar com qualidade e com foco no cliente foi sempre a nossa principal preocupação e a certificação ajuda-nos e orienta-nos com os seus requisitos.

Com este modo de trabalhar temos vindo a crescer no mercado e conseguido ser uma empresa de nome da região.

Como foi enfrentar uma pandemia e, agora, uma guerra na Europa? Alguma vez pensou viver uma situação destas?

Acho que a pandemia foi uma coisa nova, nunca pensei viver esta situação e como isto ia alterar os nossos hábitos.

Quanto à guerra, esta provocar uma instabilidade a todos os níveis e não sabemos o que ainda pode vir.

Que medidas/apoios acha necessários para enfrentar o momento económico actual?

Penso que deveria de haver uma redução nos impostos, as empresas têm uma carga fiscal muito elevada.

O que diferencia a Ribatubos das outras empresas do género?

Apostamos sempre na qualidade e no preço dos produtos. Ter sempre stock para satisfazer o cliente, acho que isso tem sido uma mais-valia ao longo destes anos.

São uma empresa familiar, fundada pelo seu pai, e onde trabalha também em conjunto com o seu irmão Paulo Rosário, é fácil trabalhar em família?

Não é fácil trabalhar em família, existe sempre uma discórdia ou uma ideia diferente.

Apesar disso eu e o meu irmão conseguimo-nos completar, ele na parte das vendas e eu na parte financeira e com a ajuda do nosso pai que ainda está na gerência da Ribatubos temos ao longo destes 25 anos crescido e mantido a Ribatubos com uma empresa PME LIDER.

Como antevê o futuro da empresa?

Espero que apesar de estarmos a viver momentos instáveis na economia e isso se reflectir no poder de compra, possamos continuar a prestar um serviço de qualidade aos nossos clientes e contribuir para a economia do nosso país.

Que gosta de fazer nos tempos livres? Hobbies?

Aproveito para estar com a família e com os amigos.

Com o Natal a aproximar-se, como é esta celebração em sua casa e o que não pode falar à mesa nesta altura?

Para mim o bacalhau. Gosto muito do tradicional bacalhau com as couves. Parece que naquela noite tem sempre um sabor especial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…