A GNR fiscaliza com 14 drones, desde Maio, áreas florestais das freguesias identificadas como prioritárias, para fiscalização e prevenção de incêndios rurais, identificando fogos nas fases iniciais e vigiando eventuais reacendimentos, veículos autorizados pela comissão de protecção de dados.

O objectivo da fiscalização da GNR com ‘drones’ é prevenir e reduzir ignições nas áreas florestais dos concelhos e freguesias que foram definidos como prioritários, nos distritos de Santarém, Aveiro, Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Faro, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Setúbal, Viana do Castelo e Vila Real.

“Em causa estão ‘zonas florestais e áreas desabitadas’, especificamente ‘em zonas sombra em que outras formas de vigilância são inacessíveis’, onde, portanto, falta vigilância e protecção contra o risco de ignições”, escreve a presidente da CNPD.

A presidente declara, no documento, que as câmaras captam apenas imagens, visualizadas em tempo real pelo operador da aeronave no ‘hardware’ próprio do equipamento, “não existindo transmissão” de dados para qualquer outro local, nem gravação de imagens ou captação de som, e especifica que operam a uma altitude média de 100 metros do solo, sem efetuar qualquer identificação pessoal, “mas apenas visualização dos espaços”.

PUBLICIDADE

“Nestes termos, conclui-se ser muito improvável a captação de imagens de pessoas susceptíveis de directa ou indirectamente, as identificar, pelo que a utilização deste sistema de videovigilância, em geral, não implica um tratamento de dados pessoais”, conclui.

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, em Maio do ano passado, anunciou um plano de mitigação da covid-19 no Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais, incluindo, entre as medidas previstas, a compra de 12 drones pelas forças armadas, financiada pelo Fundo Ambiental, para reforçar a vigilância, e que veio a ser aprovada pelo Conselho de Ministros em 30 de Abril.

Numa informação sobre vigilância das florestas por drones, o executivo reconhece que os drones permitem, com mais baixo custo de aquisição e operação que os sistemas aéreos tripulados, manter uma vigilância contínua, pois cada aeronave pode permanecer no ar cerca de 12 horas consecutivas.

“Estes sistemas permitem, assim, identificar incêndios nas suas fases iniciais, auxiliar, pela informação que captam e transmitem, a tomada de decisão do Comando para as Operações de Combate e, ainda, contribuir para as operações de rescaldo, vigiando pontos onde possam ocorrer reacendimentos”, explica nessa nota.

O executivo dá ainda conta de que, em 2019, ainda que em fase de testes operacionais, os sistemas aéreos não tripulados deram um contributo evidente para o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais.

PUBLICIDADE
Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…