O IAPMEI afirmou que o Supremo Tribunal Administrativo não se pronunciou sobre o encerramento da Fabrióleo, indústria de Torres Novas, mandando o Tribunal Central Administrativo (TCA) Sul pronunciar-se sobre todas as questões levantadas pela empresa.

Numa reação à decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA), que, no passado dia 04, mandou baixar ao TCA Sul o acórdão que determinou o encerramento da Fabrióleo, o IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação sublinha que não houve pronúncia sobre “o mérito da causa”, mas apenas entendimento de que não houve pronúncia sobre todas as questões submetidas à apreciação daquele tribunal.

A reação do IAPMEI surge depois de a Fabrióleo ter emitido um comunicado em que afirmava que o acórdão do STA lhe deu razão, “anulando a decisão de encerramento” da unidade fabril, decorrente da decisão do TCA Sul.

PUBLICIDADE

O IAPMEI, que determinou o encerramento da empresa em março de 2018, sublinha, em resposta à Lusa, que “a decisão do Supremo Tribunal Administrativo não se pronuncia sobre o mérito da causa”.

“O STA entendeu que o TCA Sul, tendo decidido sobre o mérito da causa, não se pronunciou sobre todas as questões que as partes submeteram à apreciação do tribunal, incorrendo por isso em nulidade por omissão de pronúncia. Em consequência o STA mandou baixar os autos ao TCA Sul para que este se pronuncie sobre as questões que ficaram por analisar e que são essencialmente de natureza formal”, afirma, adiantando que irá aguardar pela emissão do novo acórdão.

Em junho de 2020, o TCA Sul revogou, após recurso do IAPMEI, a sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal de Leiria que, em novembro de 2018, deu razão à providência cautelar interposta pela empresa para evitar o encerramento.

Em comunicado, a Fabrióleo congratulou-se, a semana passada, com a decisão do STA, acusando a Câmara de Torres Novas (no distrito de Santarém) de atitude “persecutória” ao não aprovar a Declaração de Interesse Municipal exigida pelo IAPMEI.

O presidente do município, Pedro Ferreira (PS), reafirmou que a decisão foi aprovada pela Assembleia Municipal e que a Fabrióleo tem de demolir a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) construída “ilegalmente, numa zona onde não poderia ter construído”, sublinhando que a autarquia não irá legalizar estruturas construídas sem autorização.

Por seu turno, o movimento ambientalista Basta!, que tem denunciado descargas poluentes da empresa nas linhas de água, reagiu ao comunicado da Fabrióleo, acusando-a de querer “desviar o foco” da questão essencial e de, apesar de não estar a laborar, ter os tanques da ETAR “cheios de ácido”, substância corrosiva que, quando chove, vai parar à ribeira da Boa Água, na bacia do Almonda.

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…