Notícias recentes dão conta que SIC e TVI vão acabar com programas de comentários desportivos baseados no confronto de opiniões de representantes dos três principais clubes desportivos portugueses.

Consideram o formato esgotado. De facto, surpreende até porque não tomaram a decisão mais cedo. Ter comentadores que estão obrigados a defender o seu clube torna qualquer discussão previsível, redundante e pouco elucidativa. Diz o ditado que “da discussão nasce a luz” mas não é o caso. A sã discussão do contraditório entre opiniões, de onde pode nascer algo novo e progresso na informação e conhecimento dos telespetadores, é substituída por uma coreografia de gestos e retóricas baseadas em lealdades clubísticas que mais confundem do que elucidam. A luz só nasce de discussões isentas, fundamentadas e credibilizadas pelo conhecimento e/ou experiência de quem argumenta.

Audições e inquéritos parlamentares são muitas vezes vítimas do mesmo tipo de guião, cujas lealdades partidárias se substituem à procura da verdade e ao apurar de responsabilidades. Instala-se o mesmo nível de coreografia, a deixar uma sensação de entretém mais do que de responsabilidade. Quando os inquiridos entram dentro do espírito coreográfico atingem-se apogeus; o caso mais emblemático terá sido a gargalhada de Joe Berardo em pleno parlamento, em maio, como um ator que acrescenta um toque pessoal ao guião que outros escreveram. Do inquérito e da gargalhada sobrou apenas, até ao momento, impunidade e entretenimento.

Com o alastrar da pandemia de COVID-19, os decisores sobre as medidas de prevenção do contágio e mitigação dos efeitos precisam da informação que só os peritos e técnicos lhes podem oferecer. Apenas peritos e técnicos independentes, isentos e credíveis, poderão aconselhar com seriedade de modo a tornar as decisões apropriadas e eficazes. Caso os decisores ouçam apenas titulares de órgãos de nomeação e outros peritos confiscados por deveres de lealdade institucional, nunca serão devidamente informados e nunca informarão devidamente a população. Também aqui, neste ponto, a informação dará lugar ao entretenimento. Mas a gravidade da pandemia e seus efeitos não é matéria com que se brinque ou esbanje tempo.

PUBLICIDADE

Miguel Castanho – Investigador em Bioquímica

PUBLICIDADE
Leia também...

Da passadeira vermelha para a passadeira da estrada

Atravessar uma estrada tem riscos e é matéria da educação básica de…

Cartas na Caixa do Correio: A propósito do Hospital Distrital de Santarém

Não podia deixar de publicamente expressar algo sobre uma questão, agora tornada…

‘A requalificação da igreja de Santa Iria na Ribeira de Santarém’, por Vítor Serrão

Existem sempre boas notícias no que toca à salvaguarda do Património Histórico-Artístico…

Isabel de Aragão, rainha de Portugal, Rainha Santa Isabel

No reino de Aragão nasceu no século XIII uma princesa que viria…