Joana Almeirante é natural do concelho de Santa Maria da Feira, mas não esquece as raízes familiares que tem em Alpiarça, terra natal do pai. A jovem que partilhou  durante quatro anos o palco com Miguel Araújo, revela que sempre manteve uma ligação especial a Alpiarça, onde passou grande parte das suas férias em casa dos avós, que visita regularmente, sempre que possível.

Começou a cantar por influência do avô, fadista nos tempos livres, e vai lançar em breve o seu primeiro single “Bem me quer”, que já é um sucesso na rádio e nas redes sociais.

Em entrevista ao Correio do Ribatejo, a jovem revela como chegou à banda de Miguel Araújo, o crescimento artístico que tal oportunidade proporcionou e os sonhos que quer concretizar após o lançamento do primeiro single.

PUBLICIDADE

Como é que a música entrou na sua vida?

Sinto que a música entrou na minha vida de uma forma muito inocente e natural, desde sempre que me lembro de cantar sem sequer pensar muito nisso, e por volta dos 12/13 anos interessei-me por tocar guitarra. A partir daí, todo o meu percurso focou-se em estudar música e, mais tarde, em tornar-me profissional.

Quando é que decide ser cantora?

Cantar sempre foi algo muito natural em mim, não me lembro de quando comecei a cantar, simplesmente era-me familiar e portanto nunca senti que queria ser cantora. Só mais tarde é que me apercebi que as pessoas realmente apreciavam a minha voz e por isso decidi dedicar-me mais a essa minha faceta e colocá-la em primeiro plano. 

Partilhou o palco com Miguel Araújo durante cerca de quatro anos. Como é que surge esta parceria? 

Resumidamente eu estava a estudar no conservatório de música da Jobra, na altura, em que o João Martins (director musical do Miguel) era meu professor, e houve um espectáculo final cujo tema era a obra de Miguel Araújo, e o João escolheu-me a mim e a uma colega minha para abrir o concerto,  mais tarde o Miguel viu o vídeo e como estava à procura de uma rapariga para integrar a sua banda, fizemos um casting e entrei.

O que pode ganhar uma jovem no mundo da música ao estar ao lado de um cantor conceituado como o Miguel?

Tem sido um enorme privilégio para mim dar os meus primeiros passos ao lado de um artista como o Miguel, de quem eu sou muito fã. E durante estes últimos anos, sinto que consegui evoluir imenso como músico, artista e performer, e tudo isso se deve às enormes oportunidades que o Miguel me deu, e à convivência com toda a equipa que me rodeia, que foram vitais para o meu crescimento.

Vai agora lançar a solo o primeiro single, “Bem me quer”. Que representa para si esta música?

Esta música marca o início da minha carreira a solo, e tem um gosto muito especial para mim, pois é uma música que eu adoro e que estou muito feliz com o resultado final e como tal sinto que foi um bom começo para o que aí vem!

Estava à espera do sucesso que esta canção está a ter?

Eu não costumo criar muitas expectativas, e, portanto, foi realmente uma boa surpresa perceber que as pessoas receberam tão bem a “Bem me quer”. 

Em que é que se inspira para produzir as suas músicas?

A escrita de canções ainda é algo muito recente para mim, e esse processo tem vindo a mudar, mas geralmente inspiro-me nas minhas vivências.

Quais são as suas referências musicais?

Obviamente que o Miguel Araújo é uma enorme referência para mim, outra grande influência é a obra da Mafalda Veiga, Clã, mais recentemente Sheryl Crow, Joan Baez, e Fleetwood Mac.

As suas raízes ribatejanas também a influenciam enquanto artista?

Penso que sim, como disse inspiro-me muito nas minhas vivências e essas raízes estão claramente na minha memória.

Quando é que podemos assistir a um concerto da Joana Almeirante no Ribatejo?

Espero que para breve, é sempre muito especial tocar no Ribatejo!

Estamos em plena pandemia Covid-19. Como é que isto afectou a sua vida profissional?

Onde sinto que me afectou mais foi o facto de estarmos impossibilitados de dar concertos. É sem dúvida uma parte essencial no nosso trabalho que parou por completo e isso é difícil, mas tudo tem o seu fim e sei que quando tudo isto passar iremos voltar ao activo com toda a força.

Quais são os seus objectivos para o futuro no mundo da música?

Os planos para o futuro é continuar a lançar as minhas canções e mais tarde o meu álbum.

PUBLICIDADE
Leia também...

Lenda da Sopa da Pedra chega às crianças de todo o mundo através da Expo 2020 Dubai

A lenda da Sopa da Pedra, prato típico de Almeirim, foi incluída…

VÍDEO | Celestino Graça nasceu há 107 anos!

Cumprem-se neste sábado, dia 9 de Janeiro, cento e sete anos sobre…

Casa de Humberto Delgado em Torres Novas vai ser recuperada

A Casa Memorial Humberto Delgado, no concelho de Torres Novas, vai ser…

Etnografia & Folclore : O namoro noutros tempos (II)

Mesmo em criança, na escola primária ou durante os pequenos afazeres campestres,…