Manuel Francisco: “Temos condições para nos afirmarmos como um dos vários candidatos à vitoria do Campeonato”

Manuel Francisco Russo, é o treinador do União Futebol Clube de Almeirim para a época 2019/2020. Formou-se como jogador no clube estando ligado à última subida aos nacionais dos almeirinenses e está ligado aos escalões de formação e estrutura da equipa, há cerca de seis anos, onde chegou mesmo a ser coordenador técnico. Manuel Francisco, que já orientou várias equipa seniores, sucede agora a Mário Nelson com o objectivo de lutar pelo Campeonato Distrital e pela Taça do Ribatejo.

O que significou para si este regresso aos comandos da equipa sénior do União futebol Clube de Almeirim?
Bom, não se tratou de um regresso ao clube, uma vez que já tinha regressado há seis anos atrás com o projecto VIVER UFCA, projecto esse que visou a recuperação do clube quer a nível financeiro quer a nível desportivo sobre a presidência do Sr. André Mesquita, e em que foi feito um trabalho extraordinário de revitalização do clube que hoje está á vista de todos. Nestes seis anos, tive no clube várias funções desde a coordenação técnica, ao treino dos escalões base, e também como director, onde fui vice-presidente neste último ano na presidência do Sr. Agostinho Fernandes. Nesse sentido o regresso não foi ao clube mas ao futebol sénior. Mas como sempre digo, representar o União de Almeirim é sempre um orgulho e um privilégio pois foi neste clube que comecei aos 11 anos a jogar futebol, onde passei a maior parte da minha vida desportiva, onde tive muitas alegrias e também algumas tristezas, mas acima de tudo foi aqui que foi moldada muita da minha personalidade e do que sou hoje, recebi das pessoas dessa altura treinadores e directores, muita da minha educação e nunca é tarde, nem demais agradecer e agora retribuir por isso. Portanto representar este clube é sempre uma honra e uma enorme alegria acrescida de grande responsabilidade.

Estava á espera de ser convidado para treinador da equipa sénior?
Antes de mais agradecer à SAD e ao Clube a confiança depositada em mim e que tudo farei no que estiver ao meu alcance para corresponder ao convite, com muito trabalho, dedicação, compromisso, respeito e seriedade.
Posso dizer que não estava propriamente à espera, no entanto nestes seis anos fui convidado duas vezes para treinar a equipa sénior pela direcção do União de Almeirim e recusei, uma vez que estava empenhado no projecto e a minha missão no clube nessa altura era por aí que passava. Também nestes anos recebi convites de outros clubes e recusei, mas sendo treinador acaba por ser natural surgirem alguns convites, embora o afastamento leve a que sejam cada vez menos o que é também natural.
Talvez por essas recusas, não estivesse, à espera nesta altura e tenha sido com alguma surpresa quer vi surgir o convite para treinar o clube como o primeiro treinador do União Futebol Clube de Almeirim SAD, mas o desafio pareceu-me muito bom e depois de falarmos houve sintonia de ideias e cá estamos de novo e com muita vontade.

Depois de ter passado pelo U. Almeirim como jogador e de estar ligado à ultima subida aos nacionais, qual a expectativa para a primeira época como treinador da SAD do clube?
As expectativas são altas, sobretudo porque acredito no trabalho e acredito que com o trabalho de todos, com muito empenho, vontade e união podemos ambicionar a coisas boas. Acredito no valor dos jogadores, na sua inteligência e capacidade de trabalho assim como acredito nas pessoas do clube e da SAD que rodeiam a equipa. Penso que se todos trabalharmos dentro das nossas competências com tranquilidade com o foco no objectivo poderão estar reunidas as condições ideais para atingir as metas.

Quais são os objectivos do clube para a temporada que se avizinha?
Os objectivos são o de fazer uma equipa competitiva, que seja capaz de dignificar o nome da União Futebol Clube de Almeirim SAD, lutando pelo Campeonato e pela Taça do Ribatejo em condições de as poder vencer. Agora sabemos que existem vários candidatos e que esses candidatos também querem a mesma coisa.

A formação da SAD dá mais equilíbrio a nível directivo e estrutural ao clube?
Sim, penso que sim. Os clubes, presentemente, quase todos vivem com imensas dificuldades e não são auto-sustentáveis e nesse sentido precisam de parceiros. Os parceiros no passado eram as empresas que ajudavam de certa forma os clubes através de acordos publicitários etc. No presente o contexto mudou, as empresas não ajudam ou ajudam muito pouco (ou o que podem) e os clubes têm ainda mais dificuldades, daí o aparecimento desses parceiros em forma de SAD´s que de certa forma ajudam os clubes. Claro que á muitas diferenças entre SAD´s e podemos questionar isso e a forma dessas “ajudas” de uns clubes para os outros, no entanto se não fosse positivo e importante para os clubes, não haveriam SAD`s já em todos os clubes da primeira e segunda liga, muitas no CNS e já também alguns nos clubes dos distritais por esse pais fora. O U. Almeirim clube está muito satisfeito neste momento com a SAD pois até ao momento a SAD tem cumprido com tudo o que foi protocolado. Neste sentido acho que o União de Almeirim beneficia sem dúvida com a SAD para o seu equilíbrio quer directivo quer estrutural.

O União de Almeirim pode afirmar-se como candidato à vitória do campeonato 2019/2020?
Porque não. O U. Almeirim na última época foi 3º classificado no campeonato, sendo que o primeiro subiu, nesse sentido, só faz sentido, pensar em fazer melhor e fazer melhor obviamente é lutar ainda mais afincadamente pelo título de campeão e pela conquista da Taça do Ribatejo. Mantivemos 65% dos jogadores da época passada, reforçamo-nos com jovens jogadores que achamos podem trazer mais valor e qualidade á equipa, dessa forma estamos crentes que teremos condições para nos afirmarmos como um dos vários candidatos à vitoria no final. Mas sabemos que não é fácil nunca e em nada, ser-se campeão, à muita coisa envolvida durante uma época que é longa. Mas no futebol nada é adquirido para se conquistar algo tem de haver muitos sacrifícios, muito trabalho, muita sintonia de ideias.
O futebol é um jogo simples, ou parece mas é de extrema complexidade (são os sistemas de jogo, os momentos de jogo, bolas paradas, a parte física, técnico-táctica, psicológica, factores internos e externos etc, etc). Cada pessoa tem um treinador dentro de si, tem uma ideia diferente do jogo, do seu jogar, além disso os jogadores de cada equipa, de cada posição, são diferentes com características diferentes, tudo isto torna o jogo diferente, complexo mas de uma riqueza extraordinária e de uma imprevisibilidade incrível, mas o importante é prevalecer a nossa ideia de jogo e os jogadores saberem o que têm de fazer num dado momento.
No fundo como se costuma dizer somos todos iguais mas todos diferentes, todos podemos conhecer o futebol ou o jogo mas todos o vimos de maneira diferente, porque basta um pormenor para que as coisas sejam todas diferentes.
Isto tudo para dizer que ninguém nos dá nada, temos de trabalhar todos os dias com o foco no objectivo e quanto mais controlarmos os factores acima e quanto mais conseguirmos pôr todos os envolvidos a pensar de acordo com a nossa ideia de jogo, mais perto estaremos do sucesso para conseguimos ser campeões.

Tiago Martins e Nuno Lucas são dois dos reforços já anunciados. Que tipo de jogadores quer ter na sua equipa?
Qualquer treinador quer ter os melhores jogadores na sua equipa, mas percebo a sua pergunta. Gosto de jogadores que dêem tudo em campo que seja acima de tudo jogadores de equipa, que ponham a sua qualidade individual, o seu valor, disponibilidade e competência ao serviço da equipa, porque são as melhores equipas, as mais organizadas que vencem e só vencendo os jogadores e todos nós nos valorizamos, nunca esquecer que bons jogadores não fazem uma boa equipa, mas, os resultados duma boa equipa valorizam todos os jogadores. Gosto de jogadores agressivos (bom sentido da palavra) sobre a bola com carácter e muita ambição, que não se escondam do jogo, que sejam inteligentes para perceberem o que, como e quando fazer e o quê, saibam lidar com o tempo, o espaço, e os factores internos e externos da melhor forma, se forem assim são grandes jogadores.

O facto de ter sido treinador de formação vai-lhe dar outra visão sobre os mais jovens no plantel?
Já passei por vários estágios, comecei na formação aqui no U. Almeirim, depois treinei Seniores vários anos e alguns clubes, depois formação e agora Seniores de novo, mas embora conhecedor da formação e como é óbvio pretender, ontem como hoje, que mais jovens da formação cheguem à equipa sénior, foi para isso que trabalhamos no clube nos últimos anos, a premissa ou a ideia é que todos os mais jovens ou menos jovens têm de trabalhar tem de mostrar valor porque para mim não há nomes, nem há idades, raças ou religiões. Se estão no plantel são isso mesmo, são jogadores do plantel e se tiverem valor, se fizerem as coisas bem dentro do que achamos melhor para a equipa, se interpretarem melhor o que lhes é pedido jogam independentemente da idade que tenham. Se um júnior que esteja no clube lhe acharmos valor para jogar nos seniores, jogará nos seniores o que conta aqui é o valor que pode acrescentar á equipa tornando-a mais forte, não a idade.

O União de Almeirim, qualificou-se para as eliminatórias da Taça de Portugal. Até onde é que querem chegar na competição?
A Taça de Portugal não é um objectivo para vencer, todos sabemos isso. No entanto tudo iremos fazer para ir o mais longe possível, não entraremos em nenhum jogo que não seja para vencer, dignificaremos ao máximo o nosso nome e o nome do, União F. C. Almeirim SAD, é uma questão de prestígio, agora também todos sabemos a realidade. O objectivo na taça de Portugal será o de ir o mais longe possível, e se possível até ao ponto, que com um pouco de sorte, possamos receber uma equipa grande em casa, isso seria um prémio enorme para todos nós e uma fonte de receita para o clube.

Como acha que será o campeonato distrital na próxima época?
Acho que vai ser uma época difícil para todos em todos os sentidos, muita competitividade, muito equilíbrio entre os candidatos, enfim uma época dura antevendo um campeonato complicado. Mas ao mesmo tempo normal dentro da perspectiva que estamos no futebol porque queremos e gostamos, fazemos o que gostamos, e é normal estarmos sujeitos à pressão semanal dos jogos e dos resultados. Sabemos que temos de trabalhar com alegria e tranquilidade, mas com muita exigência, compromisso e rigor, é isso que exijo a mim próprio e é isso que espero e exijo de todos.

Na sua opinião quem se afigura a vencer o competição?
Há um conjunto de equipas que se perfilam como mais fortes candidatos, onde nós também estamos incluídos e outros ainda que terão uma palavra a dizer. Penso que nessa linha além de nós estão o Coruchense, o Mação, o Cartaxo, o U. Tomar, o Amiense entre outros.

Onde ambiciona chegar na carreira de treinador?
Nunca sabemos onde poderemos chegar, ainda há um mês atrás tinha na minha cabeça que não treinava mais seniores e hoje estou aqui. Há muitos treinadores com muito valor e que andam nos campeonatos distritais pelo país fora e também no nosso distrito. No futebol por vezes acontecem milagres que nos levam para outro patamar, é preciso ter sorte e alguém que aposte em ti, o que não é fácil e que te permita mostrares o teu valor e a tua qualidade, um bom exemplo é o mister João Henriques.
Mas acredito que no nosso distrito há mais treinadores com qualidade a quem só falta a oportunidade. Todos temos ambição de chegar aos campeonatos profissionais e eu não fujo á regra, mas a vida de treinador são resultados se não os conseguir não vale a pena sonhar. Resta-nos trabalhar muito e com competência, tentar fazer as coisas bem e esperar que alguém esteja atento ao nosso trabalho.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS