Segundo a revista Sábado de há dias, mais de 70 políticos e ex-políticos receberam um valor superior a 1,2 milhões de euros pelas empresas de media no ano passado como comentadores. Marques Mendes e Paulo Portas são os dois comentadores mais bem pagos, com cerca de 7.500 euros por mês. O programa Quadratura do Círculo custava por ano 400 mil euros SIC. Com a mudança para a TVI, as coisas não se alteraram. Francisco Louçã ganha 2.500 euros por mês como comentador da SIC, enquanto o eurodeputado do PSD Paulo Rangel ganha entre 1.000 a 5 mil euros por mês com a Renascença e a TVI.

O deputado do PSD Leitão Amaro recebe 1.500 euros por mês pelos comentários na SIC Notícias, e Marco António Costa 1.500 euros por mês para comentar no mesmo canal. Em 2017, Fernando Medina declarou 40.680 euros de rendimentos nos comentários que fez na TVI e numa coluna que tinha no Correio da Manhã. Ana Catarina Mendes, do PS, recebia 400 euros por programa na TVI.

Assunção Cristas (CDS), João Ferreira (PCP), Adolfo Mesquita Nunes (CDS) e Manuela Ferreira Leite (PSD) não revelaram quanto recebem.

PUBLICIDADE

São estas famílias que determinam a governação e não uns primos e umas “esposas” que andam a sacolejar pelos gabinetes. Areia para os olhos de papalvos em tempo de eleições. Governar é um efectivo exercício de domínio, ensinava Marcelo Caetano. Em regimes abertos, com liberdade formal de expressão e informação, o domínio é exercido através da ideologia do “não há alternativa”. Em vez de casse-têtes, cassettes. Tocadas com frequência e em vários meios, para entrar no bestunto.

Nas TVs, rádios e jornais o domínio sobre as mentes está nas mãos de famílias de políticos-comentadores, que impõem um pensamento e, antes de tudo a resignação. Têm a sua própria agenda e os seus comentários nunca são desinteressados, nem inocentes.

Fingem que estão a fazer uma análise desapaixonada e objectiva – sempre a bem do povo – para passar mensagens que só alguns decifram, ou a fazer uma catarse pessoal, ou a promover a sua própria imagem.

Existem Donos Disto Tudo na sociedade e os Donos Disto Tudo necessitam não só de liberdade e impunidade para os seus negócios, como de pregadores e apóstolos para pregarem a sua Verdade e legitimarem os seus atos. Tal como acontece com os sacerdotes das religiões, que apenas replicam as relações de domínio da sociedade.

Há uma religião oficial na governação e para a governação, uma doutrina dominante com os seus propagandistas, detentores de acesso privilegiado aos púlpitos de televisões, rádios e jornais. Funcionam na lógica das famílias e das seitas, protegendo-se e defendendo-se dos hereges e das heresias, das alternativas.

Há comentadores-políticos não alinhados com a religião dominante do “não há alternativa” ao capitalismo e ao neo-liberalismo? Há. Mas apenas em número adequado para que o poder dominante, a cúria, o núcleo duro, não se veja acusado de totalitário, nem que eles constituam uma ameaça à verdade oficial.

Todos os burros comem palha, mas é preciso saber dar-lha. As igrejas protestantes também eram toleradas no tempo da dominante Igreja Católica durante o Estado Novo, não podiam era ameaçar o seu estatuto de verdade oficial.

Por isso, relativamente a alguns membros da família reinante – a dos negócios e do mercado -, em vez de serem as televisões a pagar-lhes deveriam ser eles a pagar às televisões, pois os seus espaços são tempos de antena, propaganda ideológica veículos de valorização pessoal e política, oportunidades para ajustes de contas, ou tráficos lucrativos. Mas é para dar-lhes tempo de antena e espaço de pregação que existem as televisões, as rádios e os jornais da família.

Carlos de Matos Gomes
Escritor

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Condutor não respeita ordem de paragem e foge durante 25 km à GNR

Um homem de 31 anos foi detido e aguarda julgamento em prisão…