Aproxima-se mais uma data emblemática para todos nós, o 25 de abril, que, neste ano tão atípico, assinala 46 anos passados sobre a Revolução dos Cravos. Valeu a pena. Valeu a pena o capitão Salgueiro Maia ter saído da Escola Prática de Cavalaria em Santarém rumo a Lisboa para fazer uma revolução. Nunca a palavra Liberdade teve tanta importância como nos tempos desafiadores que todos vivemos. De facto, devido à pandemia da Covid-19, fomos obrigados nos últimos tempos ao recolhimento em nossas casas e a abdicar de muitos hábitos que davam sustento às nossas rotinas.

Tivemos que nos reorganizar em muitas áreas, adiar projectos e modificarmos os cumprimentos sociais de modo a garantir o distanciamento que se impõe. Porque viver em Liberdade é também viver com a consciência de que se deve fazer o melhor para o colectivo, neste caso, pela saúde pública.

A democracia, a liberdade e o desenvolvimento são sinónimos destes tempos e ganham uma dimensão ainda maior porque todos somos chamados a participar na construção de um futuro melhor. Todos contam. E se o 25 de abril é sinónimo de liberdade é também sinónimo de responsabilidade. Não nos deixemos levar por demagogias, pelo bota abaixo, pelas conversas de escárnio e maldizer. É tempo de união.

PUBLICIDADE

Liberdade de expressão nunca deve significar humilhar o outro, só porque tem uma opinião contrária. A este propósito, muito se tem falado sobre as celebrações oficiais do 25 de abril no Parlamento, que se manteve sempre em funcionamento desde que o mundo mudou. Obviamente que esta decisão nunca seria consensual. Obviamente que tudo pode ser sempre melhorado. Mas assinalar a democracia na sua casa é essencial. É um imperativo da responsabilidade. O estado de emergência não representou qualquer tipo de suspensão da democracia, sendo que a Direção-Geral da Saúde também considera que há todas as condições de segurança e controlo de infeção para comemorar com dignidade o 25 de Abril na Assembleia da República. O mais fácil seria ceder. Mas é importante o exemplo. E demonstrar que a alternativa à liberdade é sempre cruel. Porque, de facto, nada é tão importante como a Liberdade e estamos a perceber isso mais que nunca.

Uma palavra também, neste momento, para quem está na linha da frente contra este inimigo invisível. A democracia teve no Serviço Nacional de Saúde um dos seus principais vectores, sendo que , neste dias de combate à pandemia, é mais que justa a sua homenagem. Se estamos a responder bem a esta pandemia muito o devemos à capacitação do SNS. Outro vector essencial é o poder local, um elo de proximidade e o poder mais próximo do eleitorado. Incansáveis, também os autarcas, com as suas equipas, se encontram na linha da frente, protegendo a população. Finalmente, não menos importante, a educação, outro vector importante visto termos um país ainda com um elevado índice de analfabetismo. A Educação é um dos maiores sinónimos de Abril. Saibamos continuar a construir a escola pública, para continuar a combater as desigualdades. Mas falar do 25 de abril é também falar de Liberdade de expressão, Igualdade de género e de Direitos Humanos conquistados. Tanto caminho que já foi feito e que só nos pode a todos orgulhar. Por isso, nos 46 anos da Revolução dos Cravos, volto a repetir a frase: que se cumpra abril, sempre.

Hugo Costa – Deputado do PS eleito por Santarém

PUBLICIDADE
Leia também...

Um ano horribilis, onde também houve coisas boas

2020 foi um ano estranho, inimaginável, difícil; muito difícil. Um ano horribilis…

O Orçamento de quem não desistiu do país

No passado dia 26 de novembro a Assembleia da República aprovou o…

No centenário de Bernardo Santareno

Por ironia do destino, as comemorações do centenário do nascimento de Bernardo…

Orçamento de Estado para 2021

Caros Leitores deste nosso Correio do Ribatejo,É com muito gosto que volto…