A Organização das Nações Unidas implementou o 22 de Março como o Dia Mundial da Água. Esta efeméride, criada para promover a reflexão sobre a importância da água é, pois, o momento ideal para incentivar a consciencialização das pessoas para a utilização eficiente deste recurso escasso e essencial à vida. A este propósito, o Correio do Ribatejo entrevistou Ramiro Matos, presidente do conselho de administração da empresa municipal Águas de Santarém.

Sente que Portugal tem vindo a ganhar consciência da importância da água? Acredita que faltam campanhas de sensibilização no sentido de consciencializar os portugueses para a poupança deste recurso?

Infelizmente, a consciência da importância de qualquer bem, só surge quando ele não existe ou é efectivamente escasso. Na maior parte do território português existe água em quantidade e qualidade, pelo que se torna mais difícil consciencializar o cidadão/consumidor para a importância de proteger este bem primordial. Se a água não corresse ao abrir da torneira, com boa pressão e qualidade, certamente seria mais fácil promover um consumo eficiente e sustentável da água. No entanto, as entidades gestoras de abastecimento de água têm desenvolvido um papel essencial neste domínio. Muito haverá ainda por fazer, nomeadamente na percepção de que o valor gasto nestas campanhas tem um enorme retorno, não mensurável, contudo, e que não deve ser esquecido a par dos investimentos materiais nas redes.

Quais são os principais desafios com os quais, em seu entender, o sector presentemente se defronta?

PUBLICIDADE

Os desafios do sector são muitos. Existem alguns gerais, e outros que variam de região para região. A eficiência na gestão dos recursos hídricos é, sem dúvida, o maior desafio global. Neste ponto, a redução das perdas e desperdício são essenciais, assim como o início de uma caminhada mais complexa de implementar a reutilização da água, para a qual ainda não existe grande sensibilidade, por parte do sector da construção, da agricultura, da indústria e do cidadão individual, sobretudo porque não se consegue, ainda, interiorizar uma necessidade de o fazer. Outro desafio é a aplicação das novas tecnologias neste sector, na gestão das redes, na medição, na interacção com os clientes, e depois a jusante, no tratamento eficaz das águas residuais, permitindo a sua reutilização e a melhor qualidade na sua devolução ao meio ambiente, onde se pode completar o ciclo urbano da água.

Quais são as grandes linhas de acção da Águas de Santarém para os próximos anos?

A Águas de Santarém é uma empresa que se orgulha muito do seu passado, de todos os investimentos que foram feitos ao longo dos anos e que permitem ter hoje uma taxa de cobertura de abastecimento de água a rondar os 100%, mas quer ter os olhos muito postos no futuro. E esse futuro será de aposta em novas tecnologias na gestão das redes que permitam reduzir ao mínimo as perdas, que actualmente são ainda altas, mantendo elevados níveis de qualidade. A reformulação da principal ETAR do concelho é o maior investimento previsto, complementado com a substituição das redes mais vetustas e sistemas de separação e retenção de águas residuais. Outro investimento já em curso é o da telegestão, que permitirá uma melhor monitorização da rede, antecipando problemas e permitindo a correcção das principais ameaças. Queremos, ainda, a breve prazo, iniciar um projecto de reutilização de água, começando com uma parceria com o Município para rega dos jardins públicos com águas pluviais e tratadas. E não podemos esquecer outro grande investimento: no nosso capital humano, através da formação e valorização pessoal e profissional dos nossos colaboradores. São eles que permitem alcançar, todos os dias, os níveis de qualidade e excelência que temos.

É seguro beber água da torneira em Santarém?

É muito seguro beber água da torneira. A nossa água tem índices de qualidade muito elevados, como pode ser comprovado pela consulta aos registos públicos da ERSAR. São realizados milhares de análises por ano e não temos qualquer reserva em qualquer delas. Foi por isso mesmo que lançámos a campanha de sensibilização de activação da marca Águas – natural de Santarém, que mais não é do que alertar para a segurança e qualidade da nossa água mais natural – a da torneira.

Como é que a empresa garante essa qualidade?

Como referi antes. Com muitas análises, com um controlo apertado, com a substituição das redes mais antigas, com a recuperação constante dos reservatórios e adutoras, com uma monitorização permanente. Tudo o que se faz todos os dias na Águas de Santarém tem esse objectivo: os nossos clientes terem água em quantidade e qualidade máximas nas suas casas e empresas.

Da sua experiência, quais são os pontos fortes do sector da água e do saneamento em Portugal? E as principais fraquezas?

Os pontos fortes são a taxa de cobertura do abastecimento de água, a sensibilidade da União Europeia e dos sucessivos governos para a importância do investimento no Ciclo Urbano da Água e a qualidade do trabalho da maioria das entidades gestoras. O principal ponto fraco é a multiplicidade de critérios e políticas no contexto nacional no sector, sem grande uniformização e com disparidades gritantes, não só ao nível das tarifas, mas também da abordagem aos principais problemas.

Perante o quadro económico e financeiro que se desenha para os próximos anos, como espera que o sector evolua?

Este sector é mais imune às alterações conjunturais porque assenta num monopólio de mercado. No entanto, as dificuldades das famílias e das empresas exige das entidades gestoras e dos municípios uma atenção especial na evolução das tarifas, temperada pela necessidade de promover a poupança deste recurso esgotável. Não seremos nunca alheios à conjuntura económico-social e tudo o que acontece na sociedade tem impactos na nossa gestão, porque dependemos de serviços externos, de financiamento e de muitas outras componentes que são fortemente influenciadas pela economia nacional e local.

Na sua leitura, a gestão eficiente e ambientalmente sustentável dos recursos hídricos passa por que factores?

A sua pergunta não tem uma resposta objectiva. São muitas as opiniões sobre os factores que influenciam uma gestão sustentável dos recursos hídricos. E não existem dúvidas que os recursos hídricos têm de ter uma gestão eficiente e uma gestão ambiental. Mas talvez destaque os desafios mais prementes e que nos fazem olhar para uma gestão de sustentabilidade assente na tecnologia: A eficiência energética na captação e tratamento da água, a aplicação de novas tecnologias no tratamento que permita a reutilização da água de qualidade inferior e uma aposta na sensibilização e formação do consumidor. Este tem de perceber e valorizar a importância deste recurso, promover o seu uso eficiente, quando ainda temos valores de desperdício inaceitáveis no sector urbano, de cerca de 20%. E todos os cidadãos podem dar um contributo importante nestes domínios, se sensibilizado para a importância do tema. Por exemplo, a simples eficiência do sistema de aquecimento de água numa residência, a alteração de um chuveiro, a boa utilização de um autoclismo e a utilização regrada de uma máquina de lavar louça, podem levar à poupança de muitos m3 de água por mês e a efeitos de elevada sustentabilidade. Infelizmente, e ao contrário do que muitos pensam, a factura da água ainda é uma das menores que as famílias pagam, na relação custo-benefício. E isso não ajuda.

Correremos o risco de a água poder ser considerada, a médio prazo, um bem de luxo ou dizer isso será dramatismo?

Depende do que possamos entender como luxo. Numa acepção lata de luxo ela já o é. Muitos desperdiçam água quando tal não corresponde a uma necessidade e a quantidade gera conforto. Mas se se refere ao preço que pode atingir pela sua escassez, se continuarmos com os comportamentos actuais de desperdício e de não valorização da água, a breve trecho ela será escassa e, consequentemente, muito cara. E a nossa responsabilidade deve operar já, para podermos proteger as gerações futuras, sem nos demitirmos por apenas valorizarmos o dia de hoje, o nosso conforto e prazer.

PUBLICIDADE
Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…