O Tribunal de Santarém condenou ONTEM quatro cidadãos indianos e a empresa de um deles, com sede em Almeirim, pela prática continuada de um crime de auxílio à imigração ilegal, dando como não provados 22 crimes de tráfico de pessoas.

O colectivo do Tribunal Criminal de Santarém condenou o principal arguido, dono da empresa que contratava imigrantes para a agricultura e de um minimercado de produtos indianos, a quatro anos de prisão, dois dos seus funcionários a três anos e quatro meses e a dois anos e seis meses de prisão e um outro cidadão indiano acusado de ter introduzido ilicitamente dois imigrantes a dois anos e quatro meses, todos com a execução da pena suspensa por iguais períodos.

A juíza Joana Araújo justificou a suspensão da execução das penas com o facto de todos os arguidos não terem qualquer antecedente criminal e estarem socialmente inseridos, determinando o cumprimento de um plano de reinserção social, o qual deverá incluir, nomeadamente, acções de sensibilização e trabalho comunitário junto de uma associação de apoio a imigrantes.

O principal arguido foi, ainda, condenado a pagar 5.000 euros ao Alto Comissariado para a Imigração e as Minorias (ACIM) e a sua empresa, que fica impedida de exercer atividade por um período de quatro anos, vê perdida a favor do Estado a quantia de 7.850 euros, a qual corresponde aos valores pagos pelas 22 vítimas para obterem contratos de trabalho e os números de contribuinte e de Segurança Social.

O Ministério Público pedia que fossem declarados perdidos a favor do Estado o valor de 306.445 euros que se encontravam depositados nas contas bancárias da empresa e do principal arguido, bem como as viaturas apreendidas, tendo o Tribunal considerado que apenas deveria ser entregue o valor comprovadamente relacionado com os factos, bem como as sete viaturas de transporte de trabalhadores, tendo as duas de uso dos arguidos sido, entretanto, devolvidas.

Para o Tribunal, o facto de as vítimas terem vindo para Portugal de livre vontade, com visto de turista, disponibilizando-se a pagar os valores que eram pedidos pelos arguidos e livres de deixarem o trabalho e o alojamento em que eram colocadas quando o entenderam, não configura o crime de tráfico de pessoas, de que vinham acusados três dos arguidos singulares e a sociedade.

Contudo, deu como provado que os arguidos, em comunhão de esforços e de forma continuada, favoreceram e facilitaram a permanência ilegal daqueles cidadãos, beneficiando da fiscalização “tardia” das autoridades inspetivas.

A procuradora do Ministério Público tinha, nas alegações finais, no passado dia 22 de setembro, pedido a condenação de todos os arguidos, admitindo apenas para o responsável pela empresa uma pena de prisão efetiva, por ser ele o “mentor” e o “principal beneficiário”.

As defesas dos arguidos, que pediram absolvição, alegaram que, mais do que trabalho, estas pessoas “vinham à procura de legalização, porque em Portugal seria mais fácil”, tanto que não se importavam de pagar os valores pedidos para conseguirem os contratos de trabalho e as inscrições nas Finanças e na Segurança Social.

O Tribunal determinou o fim da medida de coação de prisão preventiva em que se encontravam os três principais arguidos desde julho de 2020.

O processo teve origem em buscas realizadas no início de julho de 2020 à sociedade e a um minimercado do principal arguido, bem como em 12 alojamentos em Almeirim e Alpiarça, onde se encontravam cerca de 160 pessoas.

O acórdão é passível de recurso.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.