João Monteiro regressou esta temporada à sua terra natal para jogar pela União de Santarém, que está nesta altura a tentar o apuramento para a Liga 3. O avançado não esqueceu os estudos, tem uma licenciatura em Desporto no Instituto Politécnico de Setúbal e agora frequenta o mestrado em Treino Desportivo na Faculdade de Motricidade Humana, em Lisboa. Para além disso, ainda consegue ter tempo para a actividade de barbeiro que começou quando regressou a Santarém. O atleta admite que não é fácil conciliar as três coisas mas garante que “quem corre por gosto não cansa”. João Monteiro fez a formação no SL Benfica, teve uma experiência no Novara de Itália e joga há sete épocas no Campeonato de Portugal.

Depois de ter saído, em 2007, da Académica de Santarém para o SL Benfica, como foi regressar à cidade que o viu nascer para o futebol?
Saí muito novo de Santarém, apesar de no início fazer as deslocações diárias para Lisboa para treinar, chegou ao ponto de ter de me mudar para o Seixal. Ao fim de 10 anos, regressar para defender as cores da cidade acaba por ser um orgulho enorme e estou muito satisfeito por ter acontecido.

Que balanço faz da temporada da União de Santarém até ao momento?
A realidade é que desde o início nos apontavam como uma equipa que ia lutar para não descer e chegámos agora a Abril com a possibilidade de disputar a Liga 3 no próximo ano, o que demonstra bem que tem sido até agora uma época bastante positiva. Esperemos que termine com esse objectivo alcançado: colocar a União de Santarém na Liga 3 na próxima época.

Sonha chegar com o clube a patamares mais elevados?
Claro que sim! Para já o objectivo é a Liga 3 e quem sabe depois o que se segue. O importante é o trabalho diário que tem vindo a ser feito e que permite, não só a mim mas a toda a estrutura, sonhar com patamares mais elevados.

PUBLICIDADE

Gostaria de continuar no clube da terra?
Vestir a camisola da União de Santarém é algo que me deixa muito orgulhoso e grato todos os dias e, como é natural, gostava muito de continuar a defender estas cores, se possível na liga 3.

Esteve nos escalões de formação do SL Benfica durante vários anos. Que memórias tem desse tempo?
Representar o clube do meu coração é para mim um orgulho enorme e algo que me deixa muito feliz! Foram anos fantásticos, de muita aprendizagem, muitas viagens, momentos marcantes, títulos e amizades que se mantém desde essa altura. Aqui na União estão inclusive dois amigos com os quais joguei no Benfica, o Varela e o Iuri, e muitas vezes relembramos momentos e histórias que nos deixam orgulhosos por ter feito parte da história de um dos maiores clubes do mundo.

Chegou ainda a passar por um clube italiano. Como foi essa experiência no estrangeiro?
A passagem pelo Novara, em Itália, acabou por não correr como esperava. Vinha do Benfica como campeão nacional de juvenis e de juniores no mesmo ano e tinha alguma expectativa que pudesse ser um passo importante na minha carreira mas, infelizmente, as coisas acabaram por não se desenrolar como esperava. Cresci e aprendi muito durante essa época mas a nível desportivo acabou por ser um ano perdido.

Como foi o regresso a Portugal?
Surgiu a possibilidade de voltar a Portugal para representar os juniores do Vitória de Setúbal e aceitei logo. Tinha estado praticamente um ano parado, vi essa possibilidade com bons olhos e acho que foi uma boa decisão voltar. Era novo, o ano não tinha sido fácil e poder representar um histórico do futebol português e voltar para junto da família fez com que regressasse.

Tem algum golo ou jogo marcante na sua ainda curta carreira?
Há sempre jogos que marcam e que nunca se esquecem. Na formação destaco um jogo na época de juvenis, o FC Porto – Benfica, no Olival. Precisávamos de um ponto para ser campeões nacionais, e já no tempo extra da segunda parte temos um livre à entrada da área, em que o Gonçalo Guedes faz o 1-1! O jogo acabou logo a seguir e foi uma festa incrível! A nível sénior destaco o meu primeiro golo na Taça de Portugal ao serviço do Olímpico do Montijo e também o golo no jogo em que nos sagrámos campeões distritais e subimos ao Campeonato de Portugal, também pelo Olímpico do Montijo. Há mais, mas esses são os que me saltam logo à memória.

Como é que o João concilia o futebol, com a profissão de barbeiro e o mestrado em treino desportivo?
A verdade é que já diz o velho ditado que “quem corre por gosto não cansa”, mas há dias que me sinto mais cansado do que outros. Treino sempre de manhã, excepto no dia a seguir ao jogo que é o dia de folga, e depois durante a tarde vou trabalhar até mais ou menos às 21h00. Com a questão da pandemia, as aulas de mestrado são online e acaba por ser mais fácil conciliar os três. O importante é perceber que há tempo para tudo e ter os objectivos bem definidos, nomeadamente quanto a acabar o mestrado que é uma decisão que não quero pôr de parte.

Que ambição tem para a sua carreira de futebolista?
Neste momento a ambição é conseguir que a União de Santarém suba à liga 3 e depois continuar no clube a disputar a mesma. Mas o futebol é o momento e as coisas mudam rapidamente. Estou satisfeito com todo o trabalho desta época e confiante que as coisas vão acontecer como desejo, mas o mais importante agora são os jogos que faltam até acabar o campeonato e garantir o objectivo do clube.

Depois do futebol, que carreira pretende prosseguir?
Ainda não penso muito nisso, sou novo e ainda tenho muito para aproveitar neste contexto enquanto jogador. Já tive a oportunidade de trabalhar dois anos como treinador adjunto nos escalões de formação do FC Barreirense e acabou por ser uma experiência muito gratificante, em que aprendi muito. Acabou por não ser possível continuar devido às circunstâncias da pandemia e de também ser difícil conciliar com os treinos de manhã e o trabalho, mas é algo que quero voltar a fazer, depois de acabar o mestrado. Espero que se abram novas portas. Por agora é aproveitar a vida, o dia-a-dia e, mais à frente, decidir então o caminho a seguir.

PUBLICIDADE
Leia também...

“No Reino Unido consegui em três anos o que não consegui em Portugal em 20”

João Hipólito é enfermeiro há quase três décadas, duas delas foram passadas…

Atleta do Santarém Basket Clube morre aos 13 anos de idade

Henrique Francisco, atleta do Santarém Basket Clube, faleceu no passado domingo, 11…

Benfica do Ribatejo incrédulo com decisão da Associação de Futebol de Santarém

O Grupo Desportivo de Benfica do Ribatejo está incrédulo com a resposta…

“Só o comportamento responsável de cada um pode ajudar a resolver a pandemia”

João Amado é comandante distrital de Santarém da PSP há quatro anos.…