Numa casa com História, Política e Literatura, na Alcáçova de Santarém, nasceu a 9 de Maio de 1937, Pedro Manuel Guedes de Passos Canavarro que perfaz no próximo mês 82 anos de vida.

Frequentou o ensino primário na Escola de S. Salvador e o liceal no Liceu Sá da Bandeira após os quais partiu para Lisboa para frequentar a Universidade de Direito. Mais tarde transferiu-se para a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde se licenciou em História com uma dissertação intitulada “As relações entre Portugal e a Dinamarca durante a Restauração”, já que procurava concorrer à carreira diplomática. Entretanto convidado, com bilhete de avião na mão, para criar o primeiro leitorado de português em Tóquio, que aceitou tendo desembarcado no Império do Sol Nascente em 1966.

Ai nasceu o seu primeiro filho, António, ai se abriu totalmente na descoberta do Japão milenar e ao seu desenvolvimento económico após as Olimpíadas de 1964, país pelo qual se apaixonou, considerando esses anos os mais positivos na sua formação cultural e humanista, na compreensão do Outro.

PUBLICIDADE

A cidade de Nagasaki conceder-lhe-á o título de “Cidadão Amigo” em 1988, e o governo japonês a “Declaração de Mérito”, que lhe outorgou em 2003, e, em 2006, é agraciado pelo Imperador do Japão com a ordem do “Sol Nascente, Raios de Ouro e Laço”.

Ao regressar a Portugal em 1968 exerce funções de docente na Faculdade de Letras de Lisboa até 1976, nas áreas da cultura grega e das artes, vivendo as revoluções estudantis de Maio de 68, e a dos cravos, em Abril de 1974 – que o levou com outros colegas, professores assistentes a criar os novos estatutos da faculdade para a democracia que se implantava. Entretanto tinha concluído o curso de museologia coma tese “Da realidade de um museu de cultura em Portugal”.

A partir de 1977 dedica-se ao associativismo cultural numa maior intervenção cívica com a criação, juntamente com outros amigos, da Associação de Defesa do Património Histórico-Cultural de Santarém, em 1978, da Associação de Amizade Portugal Japão, em 1981, e da Casa da Europa do Ribatejo em 1996. Foi presidente em todas, incluindo no Círculo Cultural Scalabitano, entre 1986 e 1998. Onde, com o apoio da Direcção e das Secções do Círculo, reconstruíram o velho Teatro Taborda, acção galardoada pela União Europeia no Ano do Europeu de Teatro.

É nomeado Comissário Geral do Conselho da Europa, em 1980, para realizar a maior exposição de artes efectuada, até hoje, em Portugal e intitulada: os “Descobrimentos Portugueses e a Europa do Renascimento”, em que participaram, pela primeira vez, países além-fronteiras europeias. É lhe concedida a Ordem de Mérito do Conselho da Europa pelo seu secretário-geral, em Lisboa, a quando da inauguração, assim como é agraciado, pelo Presidente da República, General Ramalho Eanes, como Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, em 1983.

A política entusiasmou-o e depois de um fim-de-semana inusitado como vereador da Câmara Municipal de Santarém, em Janeiro de 1986, filia-se no PRD, nesse mesmo ano, onde milita, desde então, na pasta das relações externas, como Secretário-Geral, em 1988, e, no ano seguinte, é eleito, integrando as listas do PS, para o Parlamento Europeu.

Depois de se aperceber do que era a política dos estados, na família socialista de então, abandona-a para o grupo político “Arco-íris” onde vive a política dos cidadãos junto dos deputados eleitos pelas nações que não eram estados. Essa interessante experiência, leva-o a concorrer às eleições europeias, de 1994, em Itália, já que o Tratado das Maastricht e os Acordos de Schengen o possibilitam, tornando-se o primeiro cidadão europeu que concorre individualmente, num país que não é o seu.

No início do século XXI cria a Fundação Passos Canavarro – Arte, Ciência e Democracia, que na defesa dos valores culturais, artísticos, de investigação e democracia a conduz, como Presidente, oficializando a abertura da Casa-Museu, em 2011, onde se processaram mensalmente diversos eventos culturais e políticos.

Nesta centúria recebe a Grã Cruz de Mérito do Descobridor do Brasil, Pedro Álvares Cabral, em 2000, a Medalha de Ouro da Cidade de Santarém, em 2001, assim como a Fundação também a recebe, em 2010.

Em 2012, é eleito Académico Efectivo da Academia Nacional de Belas Artes, recebe o título de Professor “Honoris Causa” pelo Instituto Politécnico de Santarém e é condecorado, no dia de Portugal, no Centro Cultural de Belém, pelo Presidente Cavaco Silva, com a Grã Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

Neste momento, Pedro Canavarro além de participar em acções cívicas, procura na sua casa o silêncio criador que melhor lhe faça entender a beleza dos objectos e a riqueza da natureza que a envolve na diversidade de cores, que a luz lhes concede, escrevendo a “lápis no papel” a sua autobiografia, intitulada “Casa de Pedro”.

Neste silêncio de hoje, recorda versos anónimos que lhe foram lidos há muitos anos, em 1979, que diziam “não, meu amigo, é tempo de parar! Outras amanhã esperam por arder! Há tanto morrer rente à muralha da cidade onde nasceu…”

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Surto no CRIAL atinge todos os utentes residentes e já provocou um óbito

O Centro de Recuperação Infantil de Almeirim (CRIAL) tem um surto activo…

Loja da Cavalinho assaltada no Centro Histórico de Santarém

A loja do Cavalinho foi alvo de um assalto na madrugada desta…