O ano de 2022 termina envolto em preocupações e esperanças.

À seca sucederam a chuva e as inundações e, com elas, veio o regresso das imagens do passado que nos invadem as memórias e o presente.

As cheias, os cortes de estradas, a destruição que fenómenos climáticos teimam em demonstrar, e que urge minorar os seus impactos e aos quais não se pode continuar a olhar impávida e serenamente para uma situação que regularmente nos visita.

Os tons da lezíria estão em mudança.

A aridez do Tejo foi transformada com a lezíria a ser inundada de água e de esperanças para um bom ano agrícola.

Assim, esperamos.

As barragens começam a dar fortes sinais de recuperação, com os caudais das diversas bacias hidrográficas a superar os 50% e algumas delas já com disponibilidades de água bem acima dos 80%. E isto sem termos em conta os dados de dezembro. Que a secura do verão e as temperaturas mais elevadas possam aqui ter um aliado para atenuar esses tempos.

Temos preocupações com uma invasão que teima em persistir e demora a ser vencida e que o inverno, com o gelo e a chuva, sem condições para serem combatidos, criou mais um conjunto de inimigos ao povo Ucraniano, que luta estoicamente com as armas de que dispõe pela sua sobrevivência.

E independência.

Preocupações com a inflação e a subida dos juros, com tudo o que de negativo trará aos orçamentos das famílias e empresas para o novo ano. Inquietação com os largos, ruas e avenidas de Santarém, cujas obras teimam em durar e de cujo resultado se antevê que trarão menos lugares de estacionamento.

E com menos lugares de estacionamento, provavelmente, haverá menos pessoas nessas ruas e avenidas. É um círculo vicioso em que se persiste.

Combater o automóvel não se percebendo que, com isso, está-se a afastar os cidadãos. Os carros ainda não andam sozinhos.

Solidariedade com os comerciantes a quem a época de Natal ainda é, nalguns casos, o aforro para o resto ano.

Esperança para que as luzes do Natal, com que a cidade de Santarém está iluminada, possam não só adornar as árvores e candeeiros, mas iluminar e inspirar o próprio caminho da Cidade, em busca de um Futuro.

Que o Correio do Ribatejo mantenha o seu rumo, pelas mãos e “pena” do Ludgero Mendes e do Paulo Narciso e a presença espiritual da Teresa Lopes Moreira.

Por fim, que todos passem bem o Natal, junto daqueles que amam. Com saúde e amor.

E que o ano de 2023 vos encha de esperanças e que contrarie os pessimismos.

Espero que assim seja.

Feliz Natal e um próspero ano de 2023.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.