Os 13 municípios do Médio Tejo consensualizaram uma posição sobre os investimentos públicos considerados prioritários para a região no âmbito do Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030, criticando, contudo, o valor base imposto de 75 milhões de euros por projecto.

A deliberação do Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMT), a que a agência Lusa teve hoje acesso, elenca investimentos ao nível da ferrovia, eixos rodoviários e aeroportuários tidos por estruturantes para o desenvolvimento regional e territorial daquela CIMT do distrito de Santarém, e refere ser “despropositada” a limitação imposta de os projectos ou programas do PNI se reportarem apenas a investimentos com valores superiores ou iguais a 75 milhões de euros.

“Trata-se de um valor claramente excessivo para o Médio Tejo e/ou para regiões congéneres, pois aquele valor condiciona a implementação de projectos de valor inferior, mas que igualmente promovem impactos positivos a nível regional, bem como a nível nacional”, defendem os autarcas do Médio Tejo, manifestando assim a sua “discordância” sobre os parâmetros definidos.

PUBLICIDADE

O comunicado sublinha que, “existindo no Médio Tejo investimentos de valor inferior a 75 milhões de euros da maior importância para o desenvolvimento territorial, não se teve em consideração estas situações, verdadeiramente inibidoras a um desenvolvimento integrado e sustentado” da região.

O Conselho Intermunicipal do Médio Tejo, que reuniu na quinta-feira na sede da CIMT, em Tomar, deu conta da sua posição sobre o desenvolvimento regional/territorial, defendendo a existência de uma “organização estratégica tripartida entre o Médio Tejo, a Lezíria do Tejo e o Oeste, dado o contributo destas três regiões para a estratégia nacional e, em particular, para a estratégia de Lisboa e Vale do Tejo”.

Para a CIMT, os investimentos a integrar o Programa Nacional de Investimentos 2030 “devem acolher projectos estruturantes capazes de alavancar sectores económicos prioritários como o turismo, indústria e agricultura, tanto a nível nacional, como internacional”.

Os autarcas do Médio Tejo referem que, no âmbito das prioridades dos investimentos previstos no PETI 3+ (Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas), aprovados para o período 2014/2020 para a região do Médio Tejo, “foram definidos projectos que “ainda não foram realizados”, exemplificando com a abertura da ponte de Constância/Praia do Ribatejo a pesados (por iniciar), o nó do IP1/A1 com o IC9, na zona de Ourém (por iniciar), e a variante dos Riachos (projecto em curso)”.

No documento, a CIMT pede a inclusão de outros projectos no PNI 2030 que não se encontram incluídos no PETI 3+, como a conclusão do IC3 (ligação da A23 à A13)na zona de Atalaia até Almeirim, e que gerará nova travessia sobre o Tejo na zona da Chamusca, o aeródromo de Tancos, com a valorização daquela infraestrutura aeronáutica, a estação central do Entroncamento, com a devida requalificação para a segurança e funcionalidade ferroviária, e a variante à EN118, na zona de Abrantes.

Na lista aprovada como prioritária surge também um programa de supressão dos atravessamentos na linha ferroviária da Beira Baixa, o retomar do desenvolvimento da área logística e empresarial na zona de Alcanena, a conclusão do IC9/ Ligação Alto Alentejo, com uma nova ponte na zona de Abrantes, ou um melhor reaproveitamento da estação de Caxarias (concelho de Ourém).

PUBLICIDADE
Leia também...

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Morreu Asdrúbal, figura de Santarém

Asdrúbal, figura icónica e popular de Santarém, faleceu na madrugada deste domingo,…

Surto no CRIAL atinge todos os utentes residentes e já provocou um óbito

O Centro de Recuperação Infantil de Almeirim (CRIAL) tem um surto activo…

Loja da Cavalinho assaltada no Centro Histórico de Santarém

A loja do Cavalinho foi alvo de um assalto na madrugada desta…