Autarquia de Torres Novas aprova intervenção de um milhão de euros no Almonda Parque

O Município de Torres Novas aprovou a abertura de concurso público para a empreitada do Almonda Parque, inserida no PEDU – Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano. O  valor do investimento é de 1.056.044,24 euros e tem um prazo de execução previsto de 12 meses.

A autarquia pretende que esta intervenção contribua para “a revitalização e qualificação do centro histórico através da transformação do espaço em parque urbano, permitindo promover a fruição e a acessibilidade ao rio, bem como restaurar e reabilitar os equipamentos existentes. Fazem parte desta acção a construção do parque público, a construção de uma nova ponte da Bácora, a intervenção no Moinho dos Duques, nos arruamentos, incorporando a ciclovia e requalificação da zona da Tarambola”, refere uma nota do município.

Os trabalhos a realizar incluem a estabilização de taludes através de aplicação de bio-rolo, estacas de madeira e muros em gabiões vivos; construção de ciclovia em  pavimento suave; implantação de equipamentos  geriátricos de “fitness “; instalação de mini-ecopontos; iluminação decorativa e pública LED; redimensionamento e optimização de sistema  de  drenagem  de  efluentes; demolição  da Ponte  da bácora existente e a sua reconstrução com recurso a novos materiais, infraestruturas e iluminação, dando cumprimento ao definido na legislação relativa às acessibilidades e potenciando um acesso mais eficiente ao centro histórico e às zonas comerciais; reconstrução/reabilitação da Tarambola e envolvente, de forma a garantir a memória da sua utilização e recriando uma zona de estadia e usufruto do rio; substituição da iluminação pública existente com postes e cabos aéreos por cablagem enterrada e novos suportes integrados no projeto; construção de decks e a melhoria da acessibilidade ao rio e ao centro comercial da cidade corrigindo o acesso aos  atravessamentos do  Rio, revolvendo matos e vegetação  espontânea e prevendo o tratamento melhorado da margem e das circulações; recuperação e consolidação de uma parcela do edificado do Lagar, com o objectivo de evocar a memória  espacial do moinho no seu território.

O ponto da ordem de trabalhos da reunião de Câmara foi aprovado por maioria, com abstenção do BE.

PARTILHE COM OS SEUS AMIGOS