Riachos – Dia 30 de Julho, às 18 horas. Corrida à Portuguesa. Cavaleiros: Marcos Bastinhas, Luís Rouxinol Júnior e o praticante Paco Velásquez; Grupo de Forcados Amadores dos Riachos, capitaneado por João Ferreira; Ganadaria: Passanha; Directora de Corrida: Sandra Strecht; Médico Veterinário; Dr. José Luís Cruz; Público: 2/3 da lotação da praça; Tempo: Muito Calor.

A Vila de Riachos, situada paredes meias com o concelho da Golegã, tem uma profunda tradição taurina, estabelecida há mais de um século através da actividade do famoso Grupo de Forcados de Riachos que inaugurou a Praça de Toiros do Campo Pequeno (18 de Agosto de 1892), tendo sido José Sapateiro o primeiro forcado a consumar uma pega no monumental tauródromo lisboeta. Mas, Riachos, terra de cingeleiros, sempre esteve relacionada com a criação e o maneio do gado bovino para lavrar e gradar as úberes terras do campo e do espargal, e para carrear as fartas colheitas, sendo memorável a lenda do Senhor Cristo dos Lavradores, ainda celebrada por ocasião das Festas da Bênção do Gado.

A tarde estava muito quente, mas mesmo assim a praça registou uma grande afluência de público, com os sectores da sombra literalmente repletos e os do Sol muito bem compostos.

O ganadeiro Diogo Passanha primou na apresentação dos seus toiros, volumosos e entrapiados, e com um comportamento muito satisfatório, proporcionando o êxito artístico aos toureiros e aos forcados.

Marcos Bastinhas abriu praça com uma lide alegre e desenvolta, privilegiando as sortes frontais e cravando certeira ferragem. Entendeu bem o seu voluntarioso oponente e logrou apresentar os seus vastos argumentos técnicos pelo que suscitou fartos aplausos do público. A segunda lide não foi tão bem conseguida, porém o marialva de Elvas exibiu um toureio mais na linha do estilo de seu saudoso pai, evidenciando- se nos ferros de apoteose, nomeadamente um palmito e o inevitável par de bandarilhas.

Luís Rouxinol Júnior tem vindo a consolidar a sua trajectória artística explanando um toureio alegre, mas sério e profundo, no respeito pela ortodoxia. Citando de frente e consentindo a primazia na investida ao seu oponente, para cravar a ferragem de alto a baixo, que resultou brilhante e emotiva. Lidando a sério – ou seja, não estando apenas preocupado em despachar a ferragem! – Luís Rouxinol Júnior rematou as sortes, elegeu os terrenos mais adequados e ajustou habilmente as distâncias, pelo que os toiros investiram com mais codícia, permitindo-lhe consumar sortes plenas de emoção. O seu segundo oponente – que lidou em quarto lugar, por ter de se deslocar para as Caldas da Rainha, onde ia tourear à noite – não lhe permitiu um desempenho ao nível do que fizera anteriormente, mas, no entanto, os pressupostos técnicos mantiveram-se inalterados e por isso a sua actuação voltou a ser muito positiva.

Paco Velásquez estava a jogar em casa, o que é sempre um factor de primacial importância. Mesmo em véspera de um grande compromisso – a alternativa espanhola de rejoneador, em Huelva, onde esteve muito e saiu em ombros – Paco exibiu um toureio muito bem estruturado, com as montadas muito bem postas e rubricando duas interessantes lides. Louve-se o andamento repousado com que desenvolveu ambas as lides, emprestando senhorio e classe ao seu desempenho, a eleição dos mais adequados terrenos e distâncias e a perfeição com que consumou cada sorte. Paco Velásquez poderá ascender facilmente ao estatuto de figura, porque reúne condições técnicas para tal. Das suas lides guardamos alguns detalhes de muito mérito, e, escusado será dizer, que o jovem marialva desfrutou do imenso carinho dos seus conterrâneos, que calorosamente o aplaudiram.

O Grupo de Forcados Amadores de Riachos desincumbiu-se galhardamente de um grande desafio. Pegar seis “Passanhas” em solitário, não é coisa pouca. Nesta tarde festiva foram solistas António Menezes, que consumou boa pega ao primeiro intento; Hilário Coelho, que apenas à quinta tentativa logrou consumar a sua sorte, já com ajudas carregadas; Sérgio Costa, em boa pega à primeira tentativa; Luís Azevedo, numa grande pega, à primeira, e que marcou a sua despedida das arenas; Mário Vieira, que esteve bem e pegou à primeira; e Mário Coelho, que fechou esta tarde com chave de ouro, consumando uma rija pega, à segunda tentativa.

Direcção acertada de Sandra Strecht, bem assessorada pelo médico veterinário Dr. José Luís Cruz, e correcta intervenção dos bandarilheiros de turno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.

Homem morre esmagado em acidente de trabalho em Alpiarça

Um homem morreu num acidente de trabalho, esmagado por uma máquina de…