O Centro de Distribuição Postal em Rio Maior “está com 50 mil objectos acumulados por distribuir”, um atraso que os carteiros, em greve parcial, imputam à “falta de recursos humanos”, com o protesto a estender-se a Santarém e Abrantes.

O concelho de “Rio Maior está neste momento com cerca de 50 mil objectos por entregar e ao dia de ontem [terça-feira] estávamos ainda a entregar objectos do dia 10 de Maio, o que é grave”, disse à Lusa Dina Serrenho, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações.

Além disso, acrescentou, a “falta de recursos humanos está a afectar outras zonas” do distrito de Santarém, onde os carteiros também vão realizar jornadas de protesto.

“Tudo o que é correspondência de água, luz, telefones, baixas e abonos está em prateleira porque não conseguimos entregar”, afirmou, dando conta que “o panorama no distrito é semelhante ao que se passa em Rio Maior, com lutas marcadas em vários centros de distribuição, nomeadamente em Santarém, a partir de amanhã [quinta-feira], em frente aos CTT, e em Abrantes, no dia 24 de Junho”, com protesto diário entre as 08:30 e as 10:30.

PUBLICIDADE

Em Rio Maior, onde os carteiros estão em greve parcial de duas horas diárias desde o início de Junho, o protesto é interrompido na sexta-feira, dia 18, mas a dirigente sindical assegurou que “a luta regressa no dia 28 de Junho, se até lá o problema não for resolvido”.

Segundo afirmou Dina Serrenho, “para que este problema seja ultrapassado é necessário que todos os postos de trabalho sejam ocupados e que todos os trabalhadores em férias sejam substituídos”, pois “só assim poderão servir bem a população, cumprindo todos os padrões de qualidade a que a empresa [CTT – Correios de Portugal] está obrigada”.

As estimativas do sindicato apontam para a “necessidade urgente e entrada imediata” de seis carteiros em Rio Maior, oito em Santarém (com distribuição também nos concelhos de Almeirim e Alpiarça) e cinco carteiros em Abrantes,

“O problema da falta de pessoal tem anos”, afirmou a sindicalista, salientando que a greve parcial é “uma forma de informar a população do porquê dos atrasos” na distribuição e de “pressionar a administração” dos CTT.

Dina Serrenho disse ainda que o “problema com escassez de recursos humanos” também se faz sentir no Alentejo, em Alcobaça e em alguns municípios da zona Norte” do país.

“Não temos meios humanos para chegar a casa de cada português, que tem direito a receber a sua correspondência atempadamente, pelo que o que exigimos é a ocupação dos postos de trabalho que estão vagos”, reiterou.

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…