O presidente da Câmara de Almeirim considerou de “enorme importância” para a região a instalação no concelho do centro logístico da Mercadona para abastecer o sul do país e a zona de Lisboa.

Pedro Ribeiro disse à Lusa não poder adiantar o volume de investimento previsto, nem o número de postos de trabalho que serão gerados por este investimento, que a cadeia de supermercados espanhola quer ter a funcionar em 2023, ano em que projecta abrir a primeira loja em Lisboa.

“É naturalmente um investimento para nós de grande importância, tendo em conta os postos de trabalho que possa vir a criar, quer os directos quer os indirectos” sempre associados a uma base logística desta natureza, declarou, sublinhando que o emprego gerado irá “extravasar o concelho de Almeirim”, sendo “de importância regional”.

PUBLICIDADE

O centro logístico da Mercadona, que a empresa anunciou hoje aguardar apenas as autorizações das entidades oficiais para iniciar a construção, vai ficar situado junto à rotunda de acesso à A13 (via que faz a ligação rápida ao Alentejo e ao Algarve) e à ponte Salgueiro Maia, a qual liga à A1 (ligando a Lisboa e à região Centro).

A empresa anunciou que o centro logístico, preparado para responder à expansão projectada para Portugal, das actuais 20 para 150 lojas, será totalmente automatizado, salientando Pedro Ribeiro que este factor é garantia de que os postos de trabalho a criar se destinarão a pessoas com qualificações e seguramente mais bem remuneradas.

Implicará “um sem número de funções, que serão importantíssimos em termos de emprego para o concelho e não só”, salientou, acrescentando que, além da criação de postos de trabalho, estes investimentos representam pagamento de impostos e um contributo para a vida social e económica dos concelhos onde se instalam.

Na apresentação de resultados feita hoje na cidade espanhola de Valência, o presidente da empresa, Juan Roig, traçou como objectivo para os próximos anos em Portugal a abertura de “cerca de 10 supermercados por ano”, estando previstos nove até ao final do corrente ano.

Segundo Juan Roig, a Mercadona facturou 186 milhões de euros em 2020 nas 20 lojas que tem em Portugal, tendo gasto quase o dobro, 369 milhões de euros, a comprar produtos a fornecedores portugueses.

O presidente da Mercadona revelou que a facturação média em cada um dos supermercados que tem em Portugal é 10% superior à facturação média realizada em Espanha.

A empresa indicou que vai continuar a impulsionar o seu plano de transformação 2018-2023 e, para isso, tem previsto investir 1.500 milhões de euros em 2021 (150 milhões de euros em Portugal), que destinará, principalmente, à abertura de 97 novos supermercados, 88 em Espanha e nove em Portugal.

A Mercadona conta criar “mais de 1.600 postos de trabalho estáveis e de qualidade” em 2021, 500 deles em Portugal.

PUBLICIDADE
Leia também...

‘Casa em Santarém’ nomeada para o prémio internacional de arquitectura

O projecto ‘Casa em Santarém’ da empresa dp arquitectos está nomeado para…

Mercadona constrói maior bloco logístico da empresa em Almeirim

A Mercadona, maior cadeia espanhola de supermercados, anunciou que vai construir um…

Moinho de Fau e Restaurante no Jardim das Portas do Sol colocados em hasta pública

A Câmara Municipal de Santarém vai realizar um hasta pública, no próximo…

Rotary Clube de Santarém distingue Sílvia Carreira como profissional do ano

Sílvia Carreira, directora técnica do Lar Gualdim, do Centro Social Interparoquial de…