Silêncio que se vai cantar Amália, no espetáculo cénico musical “Assim Devera Eu Ser”, na sexta-feira 3 de junho, no Teatro Sá da Bandeira, com sessões às 14h30 (prioridade público escolar) e às 21h30. Neste espetáculo transversal a todas as gerações, Catarina Moura, Celina da Piedade e Sara Vidal, acompanhadas por Ricardo Silva na guitarra portuguesa soltam a Amália que há em si: cantam e ensinam a cantar. De Mourarias a Casas da Mariquinhas, com passagem obrigatória por Formiga Bossa Nova.

Integrado nas Comemorações do Dia Mundial da Criança realiza-se no dia 2 de junho, às 10h30, uma atividade de promoção da leitura com as escolas, na Sala de Leitura Bernardo Santareno. A ação conta com a presença das crianças do Jardim de Infância de Póvoa de Santarém e do Jardim de Infância do Verdelho.

O espetáculo cénico-musical “Assim Devera Eu Ser” sobre a infância de Amália Rodrigues vai estar em cena, na sexta-feira, 3 de junho, no Teatro Sá da Bandeira. Há duas sessões: uma às 14h30 (prioridade público escolar) e outra às 21h30.

Este concerto ilustrado alia a música tradicional portuguesa aos poemas escritos pela fadista Amália Rodrigues.

Nas vozes 3 cantoras dos cantos da voz do Povo: Catarina Moura, Celina da Piedade e Sara Vidal, acompanhadas por Ricardo Silva na guitarra portuguesa.

Com eles, entramos no tempo da história da Cigarra e da Formiga, quando cantar não era profissão, cantava-se para ganhar a vida. Mesmo assim, pobre, Amália-Menina não foi como a Cigarra, em vez de ir à escola, Amália-Formiga-Menina foi bordadeira, bordava linhas e palavras, palavras do mundo do fado, mas também de outros mundos sonoros e musicais, cantava os Poetas, outras vezes cantava-se a si. Amália herdeira da poesia popular de raiz oral.

Um espetáculo que desafia o público a aprender as cantigas da Amália menina bordadeira e da Amália mulher fadista.

Classificação Etária M/3 | Duração 45m

Preço: 2€ criança; 5€ adulto; Descontos: escolas mediante escalão; famílias – gratuito para crianças se acompanhados por 2 adultos.

Bilhetes à venda na BOL, nas lojas Worten, CTT, FNAC e no TSB.

Horário de bilheteira física (Teatro Sá da Bandeira) de terça a sexta-feira, das 11 às 14 horas.

A bilheteira abre 1 hora antes da sessão.

“Evolução da estrutura urbana de Santarém Medieval: uma análise macroscópica a partir da localização das necrópoles islâmicas”, é o nome do 2º Fórum de Arqueologia Scalabitana que terá lugar dia 3 de junho, às 18h30, na Sala de Leitura Bernardo Santareno.

“Como regra geral, as necrópoles muçulmanas na Península Ibérica localizam-se no exterior do espaço muralhado, em áreas despovoadas ou com baixa densidade construtiva. Durante as últimas décadas, a identificação em Santarém de vários núcleos de enterramentos depositados segundo o ritual islâmico permite realizar um ensaio preliminar em torno da evolução urbana da cidade, entre os séculos VIII e XIII”.

“Comédia ao Centro”, com O Mocinho, João Rosa e Rafael Titonelly volta ao Fórum Actor Mário Viegas (Centro Cultural Regional de Santarém), na sexta-feira, 3 junho, às 21h30.

Stand Up numa organização do Centro Cultural Regional de Santarém.

Preço 7€ não-sócios e 5€ sócios

Mais informações: 

Ricardo Gonçalves inaugura uma exposição no sábado, 4 junho, às 18 horas, no Foyer do Círculo Cultural Scalabitano, com curadoria de Fernanda Narciso.

Patente ao público até dia 30 de junho.

Visitas de segunda a sexta-feira, das 15 às 20 horas.

Uma organização: Galeria Círculo.

Mais Informações em 243 321 150 ou 

O CNEMA – Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas acolhe a Gala de Entrega de Prémios – V Concurso de Acordeão e Guitarra Portuguesa do Conservatório de Música de Santarém, no dia 4 de junho, às 21h30.

Trata-se de um concurso anual que põe à prova a destreza e arte dos jovens no acordeão e na guitarra portuguesa.

Evento integrado na Feira Nacional da Agricultura.

Mais Informações: Tel.: 915 335478 | Email: 

O cinema volta Teatro Sá da Bandeira com “Depois do Amor”, de Aleem Khan, na quarta-feira, dia 8 de junho, às 21h30.

O filme conta a história de Mary Hussain (Joanna Scanlan), que se converteu ao Islão quando casou. Agora, na casa dos 60, vive pacatamente em Dover, com o marido Ahmed. Após a morte inesperada do marido, ela descobre que ele tinha uma família secreta a 30 quilómetros dali, do outro lado do Canal da Mancha, em Calais. Esta descoberta chocante fá-la ir lá para descobrir mais e, à medida que luta contra o seu sentido de identidade estilhaçado, a sua procura por compreensão tem consequências surpreendentes.

99 min. | M/12

Preço público geral» 5€ | sócios Cineclube» 2,5€ | bilhete jovem até 30 anos» 1€ | bilhete jovem até 30 anos sócio Cineclube» entrada gratuita

Bilhetes à venda na BOL, nas lojas Worten, CTT, FNAC e no TSB.

Horário de bilheteira física (Teatro Sá da Bandeira) de terça a sexta-feira, entre as 11 e as 14 horas.

A bilheteira abre 1 hora antes da sessão.

Leia também...

A herdade no Alviela e o pergaminho que ia para o lixo

Pergaminho do século XII salvo do lixo em Vale de Figueira.

Lenda da Sopa da Pedra chega às crianças de todo o mundo através da Expo 2020 Dubai

A lenda da Sopa da Pedra, prato típico de Almeirim, foi incluída…

Associação ‘Praça Maior’ fecha gestão da Praça de Touros ‘Celestino Graça’ com sentido de missão cumprida

A Associação “Praça Maior”, responsável pela organização das corridas de toiros na…

Gilberto Gil dá concerto com Adriana Calcanhotto em Santarém

A 7 de Novembro.