Inicio de agosto. Temperaturas altas. De acordo com os dados conhecidos, vivemos este ano o mais seco desde que há registos.

Se as chuvas de março ainda poderiam criar uma falsa esperança quanto a como seria este ano, a primavera e o verão vieram confirmar os piores cenários.

A seca tomou conta dos países e os seus efeitos são já muito evidentes e sentidos.

Este cenário já não ocorre apenas nos países do sul da Europa, tendencialmente mais propícios a estas condições extremas no nosso continente.

O norte da Europa e a própria Grã-Bretanha apresentam um cenário alarmante. Chegamos a este início de agosto com uma situação de seca em quase metade do território da União Europeia, agravada pelo défice de humidade no solo e elevado nível de stresse na

vegetação.

Os efeitos das alterações climáticas surgem em todo o seu mau esplendor. Ouvir hoje falar em adiamento de metas de redução de emissões e do compromisso da Europa em alcançar

um impacto neutro no clima até 2050, tem de ser assumido como um acelerador da destruição do Planeta.

Mesmo com os problemas sentidos neste momento, a União Europeia tem de manter o seu foco na redução drástica das suas emissões de gases com efeito de estufa e continuar a procurar formas de compensar as restantes emissões que são inevitáveis.

Atingir o ponto de zero emissões líquidas beneficiará as pessoas e o ambiente e limitará o aquecimento global, devendo este objetivo europeu ser mantido e sem possibilidade de desvio.

Convém termos presente que estas alterações e mudanças de paradigma no desenvolvimento, devido à transição para a neutralidade climática, vão forçosamente conduzir a um diverso número de oportunidades ao nível dos mercados, do emprego, do desenvolvimento

tecnológico e do crescimento económico.

Temos vindo a assistir, cada vez mais, a fenómenos meteorológicos, em que o aumento das temperaturas é apenas uma dessas evidências, que têm e trarão custos elevadíssimos para a economia da União Europeia e limitarão a capacidade dos países na sua produção de alimentos.

Qual a solução? Os objetivos definidos para 2050 são um princípio, sendo certo que o centro de tudo estará na ação humana.

Até que ponto estaremos disponíveis para alterar o rumo? Até que ponto estaremos disponíveis para uma redução urgente e em grande escala na emissão de gases com efeito de estufa? Até que ponto estaremos disponíveis para travar a destruição da Terra?

Estas são as chamadas perguntas para “um milhão de dólares”. E as políticas publicas, na Europa e no Mundo, irão ditar se tivemos a capacidade para travar a fundo este acumular de anos de disparates e pensar em adotar, de forma séria e ponderada, medidas para salvar o Planeta. Não se trata de lidarmos com a ficção ou um simples filme que vemos numa sala de cinema ou nas nossas casas. Trata-se mesmo de o salvar e de nos salvarmos.

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.