Do que aconteceu com os automóveis, em Alhandra, foi bem pequena a amostra que se viu à beira da linha férrea. [In: Correio do Ribatejo de 2 de Dezembro de 1967]
Do que aconteceu com os automóveis, em Alhandra, foi bem pequena a amostra que se viu à beira da linha férrea. [In: Correio do Ribatejo de 2 de Dezembro de 1967]

Não há palavras de consolação que bastem para a Dor e para o Luto dos que, na terra portuguesa, acabam de sofrer tão brutal repelão do Destino.

Uma semana passou. Sete dias decorreram sobre a trágica noite em que os arredores da capital e parte do Ribatejo sofreram a confrangedora catástrofe! Perto de quinhentas vidas, tantas delas em flor, no desabrochar da inocência, foram arrebatadas pela tormentosa crueldade do flagelo! E mesmo que o tempo volvesse não se pode dizer que se atenuasse a dolorosa crueza do drama provocado por tão negro cataclismo.

Água, mortes, destruições e um grande rio de lama que, na noite trágica, levou vidas e haveres. [In: Correio do Ribatejo de 2 de Dezembro de 1967]
Água, mortes, destruições e um grande rio de lama que, na noite trágica, levou vidas e haveres. [In: Correio do Ribatejo de 2 de Dezembro de 1967]

Não se dissipou o negrume em que se afundaram tantas almas! Não se desfez a maré-cheia de amargura que ainda sufoca tantos corações!

Persiste em toda a crudelíssima rudeza a Dor que a Desgraça trouxe, não apenas aos lares que a fatalidade vitimou, mas a quantos sentem, de perto ou de longe, as inapagáveis marcas desta tragédia que enlutou centenas de famílias, que vitimou aldeias e lugares, desfazendo casas, danificando propriedades, quanto foi levado na torrente assassina, nas enxurradas mortíferas, essas tantas e tantas vidas, tantos e tantos haveres!

Singularidades como esta não deixam de ser caprichosas, mostrando como a impetuosidade das águas impeliu uma furgoneta para cima duma oliveira, na Povoa de Santo Adrião. [In: Correio do Ribatejo de 8 de Dezembro de 1967]
Singularidades como esta não deixam de ser caprichosas, mostrando como a impetuosidade das águas impeliu uma furgoneta para cima duma oliveira, na Povoa de Santo Adrião. [In: Correio do Ribatejo de 8 de Dezembro de 1967]

Valha-nos a bondade de coração da nossa gente que os socorros materiais e espirituais não escassearam, suscitando uma onda de solidariedade, de amor pelo próximo, que não ficou em palavras, que pronta e abnegadamente se traduziu em gestos heroicos, em actos de sacrifício, tanto dos “soldados da Paz” sempre prontos a dar “vida por vida” onde quer que estejam o perigo, como das Forças Armadas, cuja prontidão e destemor se fizeram logo sentir onde o risco era maior; e também da massa anónima do Povo, desse povo que tão esforçadamente acudiu aos locais da tragédia, tornando mais eficientes ainda os auxílios daquelas corporações e concorrendo com a carinhosa bondade do seu humaníssimo coração para ajudar a cicatrizar as feridas do corpo e da alma.

Na aldeia mártir de Quintas procede-se à remoção dos destroços da catástrofe. [In: Correio do Ribatejo de 8 de Dezembro de 1967]

É essa dedicadíssima feição da gente portuguesa que importa salientar, nesta hora crucial que a todos nos solidariza com o sofrimento, fazendo que a desgraça e o desconforto, a miséria e os prejuízos tenham o possível lenitivo, aquela reparação material e a consolação moral que o espírito cristão nos impõe.

In: Correio do Ribatejo de 2 de Dezembro de 1967

Pode consultar estas e outras notícias no Arquivo do Correio do Ribatejo em https://arquivo.correiodoribatejo.pt/

Leia também...

Músico dos Santos & Pecadores morre vítima de acidente de trabalho em Tremez

Rui Martins, um dos músicos da banda Santos & Pecadores, morreu na…

Alterações ao Código da Estrada entram em vigor amanhã com multas agravadas

As alterações ao Código da Estrada aprovadas em Novembro entram na sexta-feira,…

Médico detido por abuso sexual de menores

Um homem de 27 anos foi detido esta manhã no Bairro de…

PSP apreende mais de 250 de aves na Avisan

Levantados três autos de contra-ordenação.